Voltar

A importância da estimulação da cognição social para aprendizagem escolar

A cognição social deve ser estimulada nas crianças, pois traz efeitos benéficos para o desenvolvimento infantil, inclusive para a aprendizagem escolar.

A estimulação cognitiva é essencial para a aprendizagem infantil e para o desenvolvimento global das crianças. Aspectos socioeconômicos e culturais, nível de escolaridade dos pais e a formação dos educadores são aspectos que influenciam o desenvolvimento cognitivo das crianças.

O desenvolvimento infantil depende da estimulação motora, afetiva, social e cognitiva. Quando há pouca estimulação em qualquer uma dessas áreas pode haver atrasos significativos que afetam a aprendizagem escolar.

A cognição é o processamento de informações para perceber, integrar, compreender e responder de forma adequada aos estímulos do ambiente. Dessa forma, é essencial estimular o desenvolvimento cognitivo da criança em todos os seus aspectos. Habilidades de memória, linguagem e atenção são cognitivas e fundamentais para a aprendizagem.

No entanto, a cognição social também interfere na aprendizagem escolar. Os processos mentais pelos quais compreendemos a nós mesmos, o outro e situações sociais podem ser entendidos como cognição social. Entenda, neste artigo, a importância de sua estimulação para a aprendizagem.

A importância da estimulação da cognição social

A cognição social é a capacidade de adequar comportamentos a partir de informações e estímulos sociais. O contexto escolar, demanda que a criança tenha habilidades de linguagem não verbal (reconhecer e interpretar gestos) para poder aprender, por exemplo.

No primeiro ano de vida, as habilidades de cognição social já começam a se desenvolver. A atenção compartilhada é uma delas e significa a capacidade de dirigir a atenção a um ponto em comum com a pessoa com a qual estamos interagindo. A aprendizagem escolar requer essa habilidade, pois a criança precisa acompanhar o professor enquanto ele fala.

No entanto, crianças com transtornos do neurodesenvolvimento, como autismo e TDAH — Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade —  apresentam déficits nas habilidades sociais. Nesses casos, torna-se urgente buscar estratégias de ensino que estimulem a cognição social nessas crianças.

O contexto familiar tem um papel fundamental na estimulação da cognição social e onde ela é baixa ou insuficiente, percebe-se maiores dificuldades na aprendizagem escolar. Dessa forma, criar estratégias que estimulem o desenvolvimento cognitivo social das crianças é fundamental para um bom desempenho escolar.

Não só os pais, mas professores e especialistas que trabalham com crianças em idade escolar, precisam estimular a cognição social para que elas tenham um desenvolvimento infantil pleno.

A cognição social nos transtornos do neurodesenvolvimento

Embora o conceito cognição social seja difícil de explicar, trata-se de habilidades que se desenvolvem nas crianças a medida que crescem. No entanto, para pessoas com deficiências cognitivas sociais, como as com Transtorno do Espectro Autista — TEA —  ou outros transtornos do neurodesenvolvimento, esse desenvolvimento é prejudicado.

Isso acontece porque o cérebro desses indivíduos não funciona da mesma maneira que seus pares neuro típicos, resultando em um déficit na cognição social. Ou seja, prejuízos na capacidade de compreender o outro, seus pensamentos, intenções, pontos de vista, emoções, etc.

Habilidades sociais

A cognição social também é chamada de “pensamento social”, porque diz da forma como pensamos socialmente. A cognição social é a base sobre a qual o ensino de habilidades sociais é construído, o que resulta no aumento da competência social.

Dessa forma a estimulação das habilidades sociais em crianças com transtornos do neurodesenvolvimento são fundamentais para a interação social. São elas:

  • olhar os outros nos olhos;
  • compartilhar brinquedos;
  • dizer “por favor” e “obrigado”;
  • esperar a vez na conversa;
  • perguntar como outra pessoa está.

Todas essas ações são as chamadas habilidades sociais e devem ser estimuladas em casa e na escola, pelos professores e pais das crianças. A cognição social pode ser ensinada e as crianças precisam dessa estimulação para se desenvolverem.

Ensinar o que fazer em situações sociais é ensinar habilidades sociais. Explicar por que e como usar essas habilidades é estimular a cognição social. Ao ensinar o porquê e o como usar as habilidades sociais, oferecemos às crianças as ferramentas necessárias para que compreendam o que se espera delas em várias situações.

A maioria dos alunos com deficiências cognitivas sociais tem dificuldade em generalizar o que aprenderam nas situações. Então, é muito importante que escola e família trabalhem em conjunto para encontrar as melhores estratégias para estimular a cognição social.

Se restou alguma dúvida sobre a importância da estimulação da cognição social para aprendizagem escolar, deixe nos comentários.

Referências:

GARRIDO, Margarida Vaz; AZEVEDO, Catarina  e  PALMA, Tomás. Cognição social: Fundamentos, formulações actuais e perspectivas futuras. Psicologia [online]. 2011, vol.25, n.1 [citado  2020-11-03], pp.113-157.

Você também pode se interessar...

3 respostas em “A importância da estimulação da cognição social para aprendizagem escolar”

Sim são muito importante, principalmente que irei iniciar a Psicopedagogia no próximo semestre. Mas o que me dói no coração e que eu terei acesso por tempo limitado. É por aqui que estou tendo uma visão ampla mesmo antes de iniciar o próximo curso. Mas desde já quero deixar bem claro a minha gratidão por estar aqui com vocês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *