Skip to content Skip to footer

Acompanhamento Terapêutico escolar e autismo

O acompanhamento terapêutico é uma forma de garantir apoio escolar para as crianças com autismo. Saiba mais, neste artigo.

Para colocar em prática a inclusão das crianças com necessidades especiais na escola, muito tem sido feito em busca das melhores metodologias e estratégias. O espectro do autismo é bem amplo e crianças com grau severo têm necessidade de um acompanhante escolar para contribuir com sua inclusão e aprendizagem.

A presença de um acompanhante terapêutico, especialmente nos casos mais graves de autismo, torna-se essencial para o desenvolvimento da criança. Esses profissionais são especializados — podem ser psicólogos, terapeutas ocupacionais ou pedagogos.

Em geral, a criança com autismo recebe um tratamento multidisciplinar, com terapias fora da escola que trabalham no desenvolvimento de habilidades sociais e de aprendizagem. O acompanhante terapêutico trabalha em conjunto com esses profissionais e com a família da criança para traçar as melhores estratégias.

Neste artigo, vamos falar sobre a importância do acompanhamento escolar no autismo. Confira!

A importância do acompanhamento terapêutico no autismo

O trabalho do acompanhante terapêutico consiste em estar próximo da criança, dentro e fora da escola. Contratado pela família, muitas vezes é indicado pelos profissionais que já trabalham com a criança, como terapeutas ocupacionais, psicólogos, médico ou psicopedagogo.

O objetivo do acompanhante terapêutico na escola é integrar a criança com autismo no convívio com os colegas, em primeiro lugar. Além disso, orientá-la nas atividades em sala de aula, garantindo recursos que facilitem a sua compreensão e aprendizagem. 

O acompanhante terapêutico também ajuda os professores a manejar comportamentos inadequados e estimular comportamentos adequados da criança com autismo em sala de aula.

O acompanhante terapêutico

O acompanhante terapêutico é um profissional que contribui muito com o desenvolvimento da criança com autismo na escola. A sua principal função é mediar e facilitar o processo de inclusão da criança, ajudando-a em suas dificuldades, seja de socialização e/ou aprendizagem.

Os acompanhantes terapêuticos fornecem suporte necessário para o bem-estar do aluno com autismo e para seu desenvolvimento pedagógico e social. As intervenções e os objetivos de cada acompanhamento será diferente para cada criança, por isso a importância do trabalho multidisciplinar. 

O acompanhamento escolar no autismo tem um viés pedagógico, terapêutico e educativo. Ele contribui na formulação de estratégias que favoreçam o aprendizado e a permanência da criança com autismo dentro e fora da sala de aula.

A importância do acompanhamento escolar no autismo

O ambiente escolar precisa ser estimulante o suficiente para que a criança com autismo possa se desenvolver. Como ela tem atrasos significativos no desenvolvimento, deve receber os mesmos estímulos que os seus pares, assim como terapias extras para potencializar sua aprendizagem.

Na escola, a criança com autismo precisa participar das atividades com os colegas, dos momentos de interação, da aula de Educação Física, das brincadeiras do intervalo. Da mesma forma, precisa acompanhar as explicações da professora para não acumular atrasos.

Quando a criança com autismo tem um acompanhamento escolar é possível garantir que ela não fique de fora da roda ou isolada na hora de explicações importantes. O acompanhante escolar oferece materiais concretos para uma melhor compreensão do aluno, pois a criança com autismo se beneficia com os recursos visuais.

Outra função importante do acompanhante escolar é manejar comportamentos inadequados em sala de aula, acalmar a criança e redirecionar sua atenção para as atividades. 

Desafios do acompanhamento escolar no autismo

Sabemos que ainda existem muitos desafios para colocar em prática a inclusão escolar e garantir a aprendizagem de todos os alunos. Existem obstáculos no caminho e o acompanhamento terapêutico nas escolas tem sido fundamental para as crianças com autismo mais grave.

O acompanhamento escolar proporciona às crianças condições para desempenhar suas competências educacionais e sociais. No entanto, a presença do acompanhante terapêutico é indicada para crianças com autismo mais severo. Ainda que os demais casos não estejam livres de desafios, o espectro severo do autismo necessita do acompanhamento escolar para contribuir com o processo de aprendizagem.

Agora que você já sabe da importância do acompanhamento terapêutico escolar no autismo, compartilhe este artigo em suas redes e ajude outras pessoas!

Referências:

NASCIMENTO, Verônica Gomes; SILVA, Alan Souza Pereira  e  DAZZANI, Maria Virgínia Machado. Acompanhamento terapêutico escolar e autismo: caminhos para a emergência do sujeito. Estilos clin. [online]. 2015, vol.20, n.3 [citado  2020-09-10], pp. 520-534 .

BERTAZZO, Joise de Brum e Rosanita Moschini. ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO ESCOLAR: O ATENDIMENTO A ALUNOS COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO NAS CLASSES INCLUSIVAS. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/1378/686

21 Comments

  • Lídia Haddad
    Posted 16/08/2021 at 9:17 pm

    Artigo muito interessante e esclarecedor. Tenho dúvida quanto a formação prévia do Acompanhante Terapêutico. O que habilita uma pessoa a ser um acompanhante terapêutico de uma criança com TEA no ambiente escolar?

    • Adriana
      Posted 17/08/2021 at 11:40 am

      Olá Lídia,
      Os acompanhantes são pessoas vindas da psicologia, educação física, fisioterapia, terapia ocupacional e educação. Notem que são campos de diferentes atuações, mas que representam o suporte necessário para o bem-estar do aluno e o aumento de seu desempenho pedagógico e social.
      Vale ressaltar que há formas bem variadas de exercer esse papel de acompanhante tendo em vista que o trabalho desses especialistas não se pauta em uma abordagem teórica específica ou uma determinada área. O aspecto multidisciplinar desse processo é interessante.
      Com isso, as intervenções e os objetivos podem ser bem diferentes de um aluno para o outro. O acompanhante exerce sua função a partir de um viés pedagógico, terapêutico e educativo. Um dos eixos desse processo é promover uma maneira de induzir a criança em estratégias que favoreçam seu aprendizado e sua permanência dentro e fora da sala de aula.

      • Meire Fava
        Posted 10/03/2022 at 5:02 pm

        Concordo Adriana, porém a escola é obrigada a fornecer o ATE, com formação em Educação e/ou Inclusão. Já as outras formações devem ser oferecidas no contraturno e de acordo com as escolha dos genitores, não sendo obrigação legal da escola contratar AT com especialidades diversas da educação.

  • Maria Luisa costa
    Posted 24/09/2021 at 3:05 pm

    Caso a escola recuse a solicitação de acompanhante terapêutico, como proceder?

    Atenciosamente

    • Bete Gasparelo
      Posted 24/09/2021 at 7:43 pm

      Boa tarde Maria!
      Primeiramente obrigada pela confiança!
      Eu adoraria ajudar você, mas não tenho autonomia para isso.
      Essa questão requer orientação de um profissional da área.

    • Meire Fava
      Posted 10/03/2022 at 5:00 pm

      Permita-me responder a essa questão. A Lei da Inclusão já obriga as escolas a fornecerem um Atendente Terapeutico Escolar, ou com outras denominações (Tutor). Sendo assim, a lei não permite que a escola cobre por esse AT, que será de escolha da escola e dentro de seus limites. Para que a escola aceite um AT pago pelos pais, somente com um pedido judicial e que poderá permitir a sua entrada de forma rotineira, visto que o AT terá as mesmas atribuições que o ATE. Além disso temos as questões trabalhistas envolvidas, já que somente profissionais contratados pela escola é que podem permanecer no ambiente educacional.

  • Fernanda
    Posted 10/02/2022 at 11:32 pm

    Minha filha também precisa de suporte para ir ao banheiro. Nesse caso o ideal seria uma auxiliar de sala e não um AT? ou está incluso na função deles também?

    • Solange
      Posted 11/02/2022 at 5:32 pm

      Olá Fernanda, tudo bem?

      Primeiramente obrigada pela confiança! Eu adoraria ajudar você, mas não tenho autonomia para isso. Trabalho com a parte do suporte do Instituto NeuroSaber e auxilio os alunos com dificuldade de acesso a plataforma de ensino. Orientamos que procure a secretaria de educação, pois irão te orientar sobre essa dúvida.

      Solange,
      Equipe NeuroSaber 💙

    • Meire Fava
      Posted 10/03/2022 at 4:56 pm

      Nesse caso, a lei da inclusão já concede o direito a um “tutor”, “acompanhante pedagógico”, que fará esse papel.

      • Adriana
        Posted 11/03/2022 at 7:13 pm

        Meu filho está dentro do TEA, mais a escola não tem esse profissional. Dizem que somente a partir da EMEI.. Isso procede?

  • Telma
    Posted 13/02/2022 at 6:01 pm

    Gostaria de contratar um AT para acompanhar meu filho de 9 anos na escola. Mais estou perdida , não sei como encontrar um profissional sério e competente para esse trabalho aqui em salvador. Poderiam me orientar? Como proceder? Desde ja agradeço

    • Webster
      Posted 15/02/2022 at 1:22 pm

      Olá, Telma

      Antes de tudo, agradecemos pela confiança em nosso trabalho! Eu adoraria ajudar você mas não tenho autonomia para indicações desses profissionais. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

      Webster,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Paulo
    Posted 12/04/2022 at 12:09 pm

    O que pode/deve ser feito para “quebrar a imagem” que a escola e os profissionais desta tem de que o A.T. não está lá para “bancar o X9”, “fiscalizar o trabalho da professora dentro da sala de aula”?
    Por isso acaba por impedir que o A.T. adue como deve e, consequentemente, prejudicará o autista que o A.T. está acompanhando.

    • Solange
      Posted 12/04/2022 at 2:29 pm

      Olá Paulo, tudo bem?

      Com muito dialogo e sempre evidenciando a importância do profissional em contribuir com o desenvolvimento da criança com autismo o ambiente escolar.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Jeruza
    Posted 05/09/2022 at 11:32 pm

    Quem faz tecnólogo em técnicas em acompanhamento terapêutico pode exercer

    • Solange
      Posted 06/09/2022 at 2:23 pm

      Olá Jeruza, tudo bem?

      “Um dos principais objetivos do AT é significar as manifestações expressivas dos sujeitos que acompanham, garantindo-lhe a possibilidade de interagir com familiares, amigos e demais pessoas nos locais em que vivem e/ou realizam atividades sociais, educativas e de lazer e pode ser realizado por pedagogo, psicólogo, enfermeiro, técnico de enfermagem e fisioterapeuta, dentre outros profissionais da saúde e da educação (NASCIMENTO, SILVA, DAZZANI, 2015)”. Como podemos ver não existe uma especificação única para o AT, por isso essa função pode ser exercida por diferentes profissionais. E importante levar em conta a formação de base do profissional (já que um curso de tecnólogo é em nível de pós-graduação), então seria importante a formação inicial ser em educação, psicologia ou essas outras já citadas.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Josilene Leitão Ferreira
    Posted 14/01/2023 at 8:08 pm

    Qual as dificuldades o auxiliar terapêutico pode encontrar

  • Deusilene
    Posted 19/01/2023 at 11:58 pm

    Quanto custo aproximadamente um aplicador terapeuta na escola?

    • Solange
      Posted 21/01/2023 at 7:08 pm

      Olá Deusilene, tudo bem?

      Como não temos parcerias não temos essa informação, orientamos que procure a secretaria de educação da sua cidade, para maiores informações.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Trackback: Acompanhamento terapêutico: como abordagem ajuda crianças com autismo

Leave a comment

0.0/5