Skip to content Skip to footer

Ansiedade no autismo: 4 coisas que podem causá-la

Ansiedade no autismo: 4 coisas que podem causá-la

A ansiedade no autismo não é incomum. Aliás, ela pode fazer parte da infância de todas as crianças. Porém, crianças com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) a experimentam com mais intensidade.

Por isso, é tão importante que pais e professores saibam identificar os sinais de ansiedade no autismo.

Neste artigo, vamos entender sobre a ansiedade em crianças com autismo e algumas coisas que ajudam a causar ansiedade.

A ansiedade no autismo

Normalmente pessoas, com autismo ou não, sentem ansiedade, já que ela está presente na vida de todos nós. Entretanto, pesquisas apontam que pessoas com autismo tendem a sentir ainda mais ansiedade.

Isso acontece porque a ansiedade no autismo pode ter origem em vários fatores, sejam eles ambientais, por estímulos externos, mudanças na rotina, entre outros.

Além disso, mesmo que a ansiedade não faça parte dos critérios para diagnosticar o autismo,  de acordo com pesquisas, cerca de 40% das pessoas com transtorno do espectro do autismo sofrem de ansiedade.

A ansiedade no autismo pode desempenhar um grande papel na vida das pessoas, controlando a maneira como elas interagem com o mundo e limitando as formas como outras pessoas interagem com elas.

4 coisas que podem causar ansiedade

Entender esses desencadeadores de ansiedade é o primeiro passo para oferecer o apoio necessário a indivíduos no espectro do autismo, aqui estão alguns fatores que você precisa saber:

1. Mudança de rotina

Sabemos que indivíduos com TEA costumam criar rotinas e se sentem mais seguros com ela. Porém, quando eles saem da rotina a que estão habituados, é comum sentirem ansiedade, pois eles se sentem seguros com o “conhecido”, ao passo que o desconhecido é visto e sentido com muita angústia.

2. Algumas situações sociais

Estar em locais novos ou cercado de pessoas desconhecidas também pode ser um fator de ansiedade no autismo. Por isso, é tão importante estar sempre acompanhado de uma pessoa conhecida.

No caso das escolas, é importante que tenha a presença de um professor auxiliar para ajudar na adaptação e no cotidiano escolar.

3. Mudança no ambiente

Mudanças são comuns durante a nossa vida, seja uma mudança de escola, de casa, algumas vezes de cidade ou simplesmente uma mudança no interior da casa.

Entretanto, essas mudanças podem desencadear a ansiedade no indivíduo com TEA, e por isso, será necessário um tempo para que eles possam se adaptar ao novo ambiente.

4. Sensibilidade sensorial

Essa é uma questão que necessita de um olhar atento dos pais e responsáveis. A sensibilidade sensorial é algo que afeta muitos indivíduos com TEA, muitas vezes acionando sobrecargas sensoriais.

As crianças com  TEA são muito sensíveis sensorialmente e qualquer sensação estranha pode causar desconforto e aumentar a ansiedade. Ruídos externos, cheiros fortes, luzes, novas texturas de roupas, sabores específicos ou texturas de alimentos.

Quais são os principais sintomas?

É mais difícil conseguir enxergar os sintomas de ansiedade no TEA. Visto que muitos desses sintomas se assemelham às características comuns do autismo.

Veremos a seguir alguns sinais que podem ajudar:

  • Parecer assustado ou preocupado;
  • Não querer sair de casa;
  • Ficar agitado e/ou começar a suar;
  • Começar a se comportar de maneira agressiva;
  • Se recusar a ir em alguns lugares específicos;
  • Tampar, com as mãos, olhos e/ou ouvidos;
  • Aparentar estar muito nervoso. Como: andar de um lado para o outro, balançar ou resmungar.
  • Ficar extremamente chateado com algo.

Em resumo, a ansiedade no autismo é um desafio real, mas compreender as causas é o primeiro passo para lidar com ela de forma eficaz. Os quatro fatores mencionados – mudança de rotina, situações sociais, mudanças no ambiente e sensibilidade sensorial – são pontos críticos a serem considerados. 

Ao estar ciente desses pontos, podemos fornecer o apoio necessário e ajudar a promover o bem-estar e o desenvolvimento saudável das nossas crianças com TEA. 

Gostou desse conteúdo? Cadastre-se na nossa Newsletter no final da página e fique por dentro das novidades.


Referências:

RUDY, Lisa Jo. Helping People With Autism Manage Anxiety. Very Well Health, 2020. Disponível em: <https://www.verywellhealth.com/anxiety-and-autism-4428086> Acesso em: 23 de fev, 2022.

ANXIETY. National Autistic Society, 2021. Disponível em: <https://www.autism.org.uk/advice-and-guidance/topics/mental-health/anxiety> Acesso em: 23 de fev, 2022.

5 Comments

  • Teresa Cristina
    Posted 05/03/2022 at 9:40 pm

    Excelente!
    Muito esclarecedor

    • Webster
      Posted 07/03/2022 at 5:14 pm

      Olá, Teresa

      Demais né? Continue nos acompanhando por aqui pra ver muito conteúdo útil e didático! Para nós é um prazer contribuir para te ajudar com essas questões.

      Um NeuroAbraço!

      Webster – Equipe NeuroSaber 💙

  • Solange Ap. F. Santos.
    Posted 14/06/2022 at 4:11 pm

    Me ajudou muito tenho um aluno autista . O conteúdo foi de grande valia principalmente no que se refere a ansiedade, que é um assunto de extrema importância.

    • Solange
      Posted 14/06/2022 at 4:59 pm

      Olá Solange, tudo bem?

      Que bom! Ficamos felizes em sempre poder auxiliá-los!

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Maria da Guadalupe
    Posted 09/07/2023 at 1:46 pm

    Me ajudou muito, meu filho adulto com autismo frequentemente tem crise de ansiedade,só não consegui identificar nenhum desses gatilhos que foram descrito.

Leave a comment