Skip to content Skip to footer

Atuação do Psicólogo com o Transtorno do Espectro Autista

Quando se descobre que o filho tem algum distúrbio que esteja incluído dentro do TEA (Transtorno do Espectro Autista), o susto é a primeira reação que se pode notar. Afinal, por mais que haja uma discussão bastante fundamentada na sociedade, é bem verdade que muitos pais precisam lidar com o diagnóstico e com os primeiros passos: providenciar junto de profissionais as intervenções iniciais para dar, desde já, melhores condições de vida.

No meio desse grupo de especialistas, a figura do psicólogo é de extrema importância, pois junto de outros responsáveis pelo tratamento, ele também é responsável por oferecer as coordenadas necessárias para o autista.

O acompanhamento psicológico é responsável por atender as demandas de cada caso com estratégias eficazes. Tudo isso, obviamente, depois de uma análise minuciosa acerca da situação do paciente.

[thrive_lead_lock id=’2767′][/thrive_lead_lock]

Conhecendo o caso de forma integral

O primeiro procedimento do psicólogo é conversar com os pais para saber sobre o caso de forma integral. É importante salientar que a entrevista realizada com os responsáveis pela criança ou pelo adulto precisa ser completamente franca, uma vez que a verdade será determinante para a proposição das intervenções a serem usadas pelo profissional.

Metodologia

A partir do estudo da situação, o psicólogo terá a base necessária para utilizar a metodologia que servirá ao paciente. Vale ressaltar que como cada pessoa apresenta uma peculiaridade, mesmo com os aspectos em comum que o autismo pode apresentar, é imprescindível que o profissional adote somente o que vai ser eficaz para a demanda trazida ao consultório.

Tudo vai depender do grau de autismo que a pessoa manifestar. Sendo assim, a atuação do psicólogo com o Transtorno do Espectro Autista pode variar de sessões que envolvam conversas até mesmo a aplicação de técnicas que visem ao tratamento necessário.

Mantendo o contato com a multidisciplinaridade

Como o autismo não é um distúrbio que age de maneira simples na vida de uma pessoa, é inegável que a parceria com outros profissionais é imprescindível. Sendo assim, a presença de outros especialistas é bem variada e conta com os seguintes responsáveis pelas intervenções: neurologistas, neuropediatras, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, psicomotricistas, entre outros.

Isso significa que nenhum dos demais profissionais listados acima consegue aplicar as intervenções necessárias sem esse aspecto multidisciplinar. Por isso é importante que haja essa comunicação com todos eles. O psicólogo deve desempenhar um trabalho em conjunto e estabelecer as informações que podem servir de base para esses profissionais.

Pais e responsáveis devem ter participação efetiva

Não adianta contar com o auxílio de especialistas e não acompanhar as etapas que constituem todo o processo de intervenções que compreende o tratamento dos distúrbios incluídos no TEA.

A presença de pais e responsáveis deve ser feita de maneira que possa oferecer às crianças e aos adultos uma determinada segurança. Para o psicólogo também é necessária essa participação a fim que haja troca de informações que ajudem ainda mais o tratamento.

Lembre-se sempre que quanto mais cedo o tratamento for iniciado, maiores são as chances de o autista ter uma melhor condição de vida.

21 Comments

  • Renata Pereira
    Posted 06/05/2017 at 11:09 am

    A equipe multidisciplinar disse que a minha filha é autista faz terapia no capsi, mas não fechou o diagnóstico ainda , será que eles podem está errado ? Não sei ela as vezes parece normal!!!!!

    • Leticia chagas
      Posted 03/06/2022 at 12:14 pm

      Bom dia, pode falar hoje como ficou seu caso ? Seu filha é ou não tea.

  • Déborah Kelly Pereira
    Posted 06/05/2017 at 6:51 pm

    Acho importantíssimo o psicólogo para o autista e seus pais. Meu filho tem hoje 15 anos, é Asperger e fez 7 anos de terapia sem interrupção. As superações foram gritantes. Hoje, ele esta numa pausa para ver como caminha sozinho. O único problema é pagar todos os profissionais necessários pra ele. Continua na fono e psicopedagoga.

    • Letícia Ellen
      Posted 04/08/2017 at 12:28 am

      Queria umas orientações porque eu e meu irmão somos asperger temos um problema relacionado ao autismo gostaria de umas dicas em quais profissionais devemos ir… ??? Pôr que também nós tivemos o tratamento interrompido ! E sobre que disseram que não fazer o tratamento de forma correta , etc o problema pode piorar ou o grau pode aumentar é verdade?

  • Gilmara
    Posted 06/05/2017 at 11:10 pm

    Lu,tem graus de Autismo?

    • silvane miquelin
      Posted 09/03/2018 at 7:21 pm

      Sim, muitos graus, e dependendo do grau, segue o devido estímulo e terapia, cabe ao psicólogo através de testes adequados saber qual o grau em que o indivíduo em questÃo se enquadra. Mas independente disso, o mais importante é saber e entender q ali está uma pessoa com direitos, sentimentos, desejos, sonhos, carências afetivas e muito potencial do que um simples diagnóstico. Deixe o rótulo de lado e coloque amor. O resultado será sem dúvida o melhor!

  • Míriam Couto Ferreira
    Posted 07/05/2017 at 6:15 pm

    Infelizmente ainda é difícil a tarefa de conscientizar as famílias e contar com seu total apoio, mas não podemos desanimar!!

  • Maria Conceição
    Posted 08/05/2017 at 2:23 pm

    Parabéns por mais este artigo. Obrigada.

  • maria josé
    Posted 08/05/2017 at 9:38 pm

    é isso mesmo precisa desta equipe para que assim possa ter um bom resultado

  • NEILDE ARAUJO
    Posted 27/11/2017 at 5:25 pm

    DIFICEL É ENCONTRAR UM PSICOLOGO QUE TRABALHE ASSIM, COM A FAMILIA E O AUTISTA…POIS JA ESTOU INDO PARA O TERCEIRO…ELES SE TRANCA NA SALA POR 40 MIN E DEVOLVEM SEU FILHO…SABE SE DEUS O QUE FAZEM LA DENTRO…NÃO ENTENDO ESSE TIPO DE TRATAMENTO…PRECISO DE AJUDA, PARA LIGAR COM CERTAS ATITUDES DE MEU FILHO

    • CATIA Martelli Simão
      Posted 22/05/2021 at 1:12 am

      Oi Neide, tudo bem!!
      Meu nome é Cátia, eu trabalho com uma criança de 2 anos, no começo é assim mesmo, depois eles fazem o método ABA, que significa fazer as intervenções que seu filho necessite, é um processo lento, mas tem que ser assim para q a criança se acostume, assim aos poucos vcs vão se acostumar.
      È importante vcs em casa realizarem algumas atividades que a psicóloga passa, pois reforçar dá resultado, aos poucos sempre, procure pesquisar mais sobre o assunto, eu sou pós graduada em autismo e na prática pude entender melhor para poder ajudar e intervir no comportamento.

  • nilce brasil
    Posted 01/04/2018 at 11:00 pm

    muito bom

  • Maria José Barros Neves
    Posted 05/05/2018 at 5:55 am

    Eu espero que os profissionais comprometidos com o autismo tenham primeiramente o tato da sensibilidade antes de aplicar
    as intervenções necessárias, acredito que cada etapa da vida do indivíduo autista as intervenções tenham peculiaridades específicas, isto é, para criança, pré adolescente e adolescênte até chegar a fase adulta com qualidade de vida,
    principalmente para os autista que não receberam as intervenções com sutileza ao autismo.

  • Mariano d'avila
    Posted 08/05/2018 at 10:33 am

    E O AUTISTA DEPOIS DOS 30 ANOS.
    COMPENSA FAZER TRABALHO
    PSICOLÓGICO…CONSEGUE TIRAR SUAS BIRRAS E MANIAS POIS JÁ ESTÁ NUM CIRCULO (VICIOSO).

  • MONICA CRISTINA R SERRA
    Posted 02/02/2022 at 12:14 pm

    Após meu sobrinho neto nascer ele foi diagnosticado com espectro autista e observando suas atitudes, reconheci que minha filha de 29 anos passou por todas estas atitudes dele, não suporta barulho, dificuldade de se comunicar e se relacionar, já está no seu 4 curso ( Química, mestra em química, cosmetologia, gastronomia e confeitaria e agora programação de computador), mas não consegue se encontrar. Não consigo saber qual especialista levar para analisa-la e confirmar ou descartar a possibilidade de ser autista leve.
    Que tipo de profissional procuro? Qual especialidade do psicólogo que diagnóstica? Cognitivo comportamental?

    • Solange
      Posted 03/02/2022 at 11:46 am

      Olá Monica, tudo bem?

      O diagnóstico e acompanhamento requerem avaliação interdisciplinar com o envolvimento de especialistas nas áreas de psicologia, neuropsicologia e neurologia.

      Solange,
      Equipe NeuroSaber 💙

    • Webster
      Posted 03/02/2022 at 1:13 pm

      Olá, Mônica

      Nesses casos orientamos buscar um especialista na área para lhe dar melhores informações e orientação assertivas sobre o caso. O Dr Clay é um neuro que atende em horário comercial (8h às 18h de segunda a sexta). Você pode entrar em contato através do número (43) 99113-3637 e agendar uma consulta também pelo whatsapp. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

      Webster,
      Equipe NeuroSaber 💙

      • Thuane
        Posted 03/01/2023 at 8:53 pm

        Minha filha tem 6 anos e faz tratamento com a psicóloga faz 1 ano, bem no começo a psicóloga deu hipótese de autismo grau 1, porém já se passou 1 ano e ela não diz mais nada, não pergunta nada, como ela está se comportando em casa..não dá mais orientaçao sobre nada, não fala absolutamente nada. É normal?

  • priscila
    Posted 04/03/2022 at 5:43 am

    olá meu filho tem 4 anos e fala pouco, passou um vez com o neuro onde disse q n era autista, 4 vezes na fono, ela disse q ele enfilera carrinhos, psicologa na amnese, já disse q o tratamento n é com ela, q seria aba, para autistimo, de 4 consultas com essa psicologa, 1 era comigo, atendeu ele sozinho 1 vez por 30 minutos, na proxima consulta pediu para ser 15 minutos com ele, e 15 comigo. Acredito q ela vai afirmar q ele é autista. Devo confiar nela? nao gostei da clinica pelo fato, de ser convenio, faz nos assinar 4 consultas, sendo q na primeira ela disse q n era com ela o tratamento, e detalhe queria me dar uma declaraçao sem ter atendido ele, esta certo?

    • Solange
      Posted 04/03/2022 at 2:47 pm

      Olá Priscila, tudo bem?

      Primeiramente agradecemos pela confiança! Nesses casos orientamos buscar um especialista pessoalmente para lhe dar melhores informações e orientação assertivas sobre o caso. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

Leave a comment

0.0/5