Skip to content Skip to footer

Avaliação do transtorno do espectro autista (TEA)

Muitas pessoas não sabem exatamente como médicos chegam ao diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Sendo assim, a avaliação feita para concluir a existência do TEA também pode ser desconhecida para esse público. Com a finalidade de sanar essas dúvidas, o artigo de hoje vai dar uma ênfase especial nesse processo, como ele ocorre, por exemplo.

Definindo o TEA

O TEA refere-se a um conjunto de transtornos que são caracterizados por um espectro de prejuízos qualitativos que interferem na interação social do paciente, além de outros fatores que exercem interferência na vida da criança, adolescente ou adulto que convive com os distúrbios.

Como os especialistas detectam o autismo em uma criança?

É importante esclarecer um detalhe imprescindível: o bebê começa a dar seus primeiros sinais em pequenos atos, como o fato de não corresponder aos estímulos dos pais; não estabelecer contato visual; dar mais preferência a determinados objetos em detrimento das pessoas. No período que compreende o 12º ao 18º mês após o nascimento, estes serão os indicativos de que o pequeno pode ter algo relacionado ao autismo.

Análise: passo crucial para procurar auxílio

A partir dessa observação, que terá início em casa durante o dia a dia, os pais entram em contato com o médico da criança a fim de repassar todas essas situações para o profissional. Essa fase é uma entrevista a qual o especialista colhe todas as informações necessárias para adicionar a seu relatório. O diagnóstico do TEA é clínico e tem por base a análise dos adultos responsáveis pelo pequeno e a etapa de observação médica.

Os sinais citados acima podem ser considerados sintomas?

Sim, embora seja amplamente aconselhável procurar ajuda profissional para que os pais se certifiquem acerca do TEA. Há literaturas que chamam a atenção até mesmo para o período de amamentação, cujo bebê olha para os olhos da mãe como uma troca de informação, uma comunicação. No caso de uma criança autista, ela pode não agir dessa maneira. De qualquer forma, a dica é esperar o período de 12 meses para sair em busca de um especialista ou então consultar o pediatra do bebê o quanto antes, de acordo com precisão.

Dificuldades na identificação do autismo

Mesmo que a medicina tenha evoluído bastante na questão da identificação dos transtornos, é inegável que o reconhecimento dos subgrupos do TEA prejudica a elaboração de novas intervenções que poderiam ser aplicadas aos pacientes.

Comorbidades: algo que não deve ser deixado de lado

As comorbidades são distúrbios/doenças que coexistem com o TEA, nesse caso. Por exemplo, é comum que pacientes diagnosticados com autismo apresentem o Transtorno Opositor Desafiador (TOD) ou o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). No entanto, existem outras comorbidades ligadas ao TEA, como o Transtorno Bipolar, a hipotonia (enfraquecimento do músculo) e a estereotipia (movimentos repetitivos).

O que esperar das intervenções?

Os especialistas, após estudar o caso apresentado, vão propor as intervenções/tratamentos que sejam mais adequados para a criança. Por meio delas, o pequeno conseguirá superar muitas barreiras e terão maior qualidade de vida. Com o acompanhamento de outros profissionais, pais e pacientes estarão diante de possibilidades incríveis para seus filhos.

 

Veja neste vídeo os 5 passos para o diagnóstico no TEA

Já pensou aprender profundamente sobre o Autismo para melhorar seus atendimentos clínicos, entender melhor seu filho e saber por que seu aluno apresenta determinado comportamento e como trabalhar o processo de inclusão? Em um curso online completo o Dr. Clay Brites te ensina tudo sobre TEA com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Resultado de imagem para protea clay brites

Resultado de imagem para clique aqui e saiba mais

10 Comments

  • Daniel
    Posted 12/01/2018 at 12:10 pm

    Há casos de crianças diagnosticadas com TEA, que têm contato visual e interação social?

  • Silvana Aggio
    Posted 12/01/2018 at 1:55 pm

    Muito bom para tomar atitudes corretas quando tiver suspeita.

  • Shirley
    Posted 16/01/2018 at 9:20 am

    Oi , bom dia
    Eu tenho um filho de 6 anos ,que a 4 meses recebeu o diagnóstico de TEA, deficiência intelectual e TDAH (ele não é agressivo e muito carinhoso , mais e muito agitado e não tem noção de perigo)
    Fui fazer a matrícula dele na escola e a diretora me chamou em uma sala para conversarmos
    Ao chegar na sala
    Ela me falou que ele vai ficar na escola entre 1 hora e meia a 2 horas
    E vou ter que ficar com ele
    Ela está certa ou o meu filho tem direito a uma cuidadora e poder ficar mais tempo na escola
    Obrigada mamãe Shirley

    • Samara Olivia Dos Santos
      Posted 05/04/2021 at 5:27 pm

      ele tem direito a uma auxiliar e a diretora não pode propor pra voce carga horaria reduzida pelo motivo da criança ser autista.
      Procure a secretaria de Educação da sua cidade. recolha provas!
      Caso ninguém te ajude, procure o ministério publico!

  • Cristina Arraes
    Posted 18/01/2018 at 12:17 pm

    bom dia, só professora de sala de recursos
    gostaria de saber mais sobre o assunto obrigada

  • Paola Letícia dos Santos Clavijo
    Posted 22/01/2018 at 5:37 pm

    Olá! Meu nome é Paola, tenho 37 anos, sou professora e resido em Viamão-RS.
    Tenho um filho de 2 anos e 8 meses,que apresenta alguns sinais de TEA.. Levei ao médico, mas o mesmo insisti que não vai encaminha-lo a outro profissional, pois meu filho só tem “gênio forte”.. gostaria de saber se existe um questionário para que eu possa avaliá-lo um pouco mais, e procurar outro médico.. faço o que posso para acompanhar meu filho,mas quero o melhor pra ele.. Parabéns pela página, tem nos ajudado muito.. Att., Paola Clavijo

  • Crispina
    Posted 12/02/2022 at 3:46 pm

    Suspeitava que meu filho poderia ser autista então a pediatra dele me dê uma cartinha falando que ele tem suspeita de tea para encaminhar para o CAPS infantil escola de desenvolvimento ele tem direito a benefícios lua

  • Noeli
    Posted 04/08/2022 at 11:40 am

    Meu filho hoje adolescente com muitas dificuldades antes social achava que era depressão pela perda do pai mas estou achando que tem alguma cindromi altistas

    • Solange
      Posted 04/08/2022 at 1:53 pm

      Olá Noeli, tudo bem?

      Primeiramente agradecemos pela confiança! Nesses casos orientamos buscar um especialista pessoalmente para lhe dar melhores informações e orientação assertivas sobre o caso. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Trackback: Autismo: aprenda a identificar sinais e como intervir de 0 a 2 anos

Leave a comment

0.0/5