Skip to content Skip to footer

Dicas para alfabetizar crianças com deficiência intelectual

DICAS PARA ALFABETIZAR CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

A alfabetização é um marco crucial no desenvolvimento de qualquer criança, mas para aquelas com deficiência intelectual, o processo pode ser ainda mais desafiador.

No entanto, com abordagens adequadas e adaptativas, é possível proporcionar oportunidades de aprendizado significativas e promover a inclusão educacional.

Nesse texto, vamos entender como alfabetizar uma criança com Deficiência Intelectual de maneira efetiva para que ela não perca o interesse durante o processo.

O QUE É DEFICIÊNCIA INTELECTUAL?

A Deficiência Intelectual (DI) está relacionada a dificuldades que a pessoa apresenta no funcionamento cognitivo e no funcionamento adaptativo quando comparada com outras pessoas da mesma faixa etária. Essas dificuldades se caracterizam, por exemplo, como prejuízos no raciocínio e na linguagem, que impactam na forma como a pessoa se convive em sociedade e lida com as atividades da vida diária.

Conforme o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), a DI faz parte dos transtornos do neurodesenvolvimento e pode estar associada a outros quadros, como o Transtorno do Espectro Autista ou a Síndrome de Down.

Devido a essas dificuldades características, a escola e o professor precisam realizar intervenções diferenciadas, elaborando estratégias e condutas que visem tornar o processo de ensino-aprendizagem de crianças com DI efetivo, levando em conta as particularidades de cada uma.

A ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DI:

Primeiramente, para promover a alfabetização de crianças com DI, é indispensável que os educadores conheçam bem as especificidades de cada uma, as habilidades já desenvolvidas e as dificuldades ainda presentes, para que assim possam promover uma aprendizagem proveitosa e funcional.

Também é importante compreender que as habilidades preditoras e o processo de alfabetização ocorre de forma semelhante para crianças com e sem DI. Portanto, adquirir conhecimento sobre o típico processo de alfabetização é essencial para alfabetizar a criança com DI. 

Em suma, é fundamental dominar as bases da aprendizagem e da alfabetização como um todo e, aliado a isto, compreender as características e singularidades dos alunos com DI, pois só assim será possível planejar e implementar condutas eficazes e satisfatórias para seu aprendizado.

Ao mesmo tempo, a comunicação entre profissionais deve ser levada em consideração, ou seja, é essencial discutir e debater sobre práticas e vivências de outros profissionais que já alfabetizaram crianças com DI. As experiências de outras pessoas podem auxiliar em sua reflexão e produção de boas estratégias.

Por fim, mas não menos importante, devem ser conhecidas as evidências científicas acerca do tema. A educação baseada em evidências é fundamental a qualquer criança, mas especialmente às crianças com DI, visto que quanto antes forem iniciadas intervenções eficazes, melhor será o prognóstico.

DICAS PARA ALFABETIZAR CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

COMO CONDUZIR O PROCESSO?

A princípio, é comum pensar que o definidor para o sucesso da alfabetização são as atividades realizadas. Realmente estas atividades são importantes, porém, o professor e suas condutas em sala de aula são ainda mais importantes. A mediação do professor faz toda a diferença.

Assim, as atividades devem estar alinhadas com boas estratégias de ensino e o professor precisa levar em consideração as necessidades de aprendizagem do estudante, prezando por sua autonomia durante o desenvolvimento.

 PERDA DE INTERESSE DO ALUNO COM DI:

Quando lidamos com crianças com DI, muitas vezes precisam ser realizadas atividades concretas, visto que tudo que é abstrato pode ser mais difícil para essas crianças. Além disso, a linguagem precisará ser mais facilitada, sendo faladas frases claras, objetivas, às vezes curtas e de forma mais lenta. É preciso também adequar o vocabulário ao que a criança já desenvolveu, para garantir a compreensão.

Ainda, é comum a necessidade de revisitar os mesmos conteúdos e reforçar as mesmas habilidades várias vezes, já que o processo de aprendizagem para crianças com DI pode ser mais lento. No entanto, em algumas situações, essa repetição inadequada de conteúdos pode facilmente resultar na perda de interesse por parte da criança.

Portanto, podem surgir alguns comportamentos indesejados e resistência em realizar as atividades. Por conta disso, é fundamental que o professor esteja atento a este fato. A realização de atividades deve ser divertida, lúdica, e chamar a atenção da criança.

 7 DICAS PARA ALFABETIZAR CRIANÇAS COM DI:

  1. Estudar e dominar o processo de alfabetização, conhecendo as habilidades envolvidas e as etapas que se fazem presentes durante o percurso;
  1. Entender e estar ciente sobre o que é a Deficiência Intelectual e as características relacionadas a ela, bem como seu possível impacto no processo de ensino-aprendizagem;
  1. Fazer uma avaliação do desenvolvimento do aluno, buscando identificar as habilidades adquiridas e as dificuldades ainda presentes, para ser possível criar uma estratégia conforme as necessidades individuais. É de suma importância considerar que cada criança possui suas características próprias e deve ser tratada como um ser singular;
  1. Traçar metas de forma objetiva e realista;
  1. Planejar as atividades que serão implementadas de forma permanente, semi permanente ou sequenciada no cotidiano do aluno, que deverão ser organizadas segundo a sondagem inicial e metas estabelecidas;
  1. Conduzir o processo com atividades com nível de dificuldade adequado, ainda que pareçam fáceis, priorizando a qualidade em vez da quantidade, e implementando a intervenção direcionada;
  1. Reavaliar o processo, checando se as metas propostas foram alcançadas, refletindo se a metodologia e as estratégias estão sendo eficazes para, então, estabelecer os passos seguintes do processo.

REFERÊNCIAS

ALMADA NUNES, C. .; LUSTOSA, F. G. . MAPEAMENTO DE ESTUDOS SOBRE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, ALFABETIZAÇÃO E TECNOLOGIA: ESTADO DA QUESTÃO. Práxis Educacional, [S. l.], v. 16, n. 41, p. 708-738, 2020. DOI: 10.22481/praxisedu.v16i41.6480. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6480. Acesso em: 4 nov. 2022.

Rocha J. G. B.; Thiengo E. R. Alfabetização de estudante com deficiência intelectual: uso de um software educativo. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 11, n. 11, p. e513, 29 jun. 2019. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/513. Acesso em: 4 nov. 2022.

Como alfabetizar uma criança com deficiência intelectual. Inclutopia, 2021. Disponível em: https://www.inclutopia.com.br/l/como-alfabetizar-uma-crianca-com-deficiencia-intelectual/. Acesso em: 4 nov. 2022.

3 Comments

  • Aurilânia Carvalho
    Posted 17/12/2022 at 1:39 pm

    Texto orientador, objetivo e verdadeiro.
    Estou com uma criança de 9 anos com D.I. e autismo, através do Programa Proleia ela teve avanços fantásticos e finalizamos o ano com a leitura e escrita de frases.
    A emoção e alegria em cada acerto são contagiantes.
    Obrigada pela riqueza desses materiais e textos que sempre compartilham com nós educadores/as.

    • Solange
      Posted 19/12/2022 at 3:25 pm

      Olá Aurilânia, tudo bem?

      Depoimentos como o seu servem de motivação para o nosso trabalho. Parabéns por toda a motivação para atingir seu objetivo.
      Nossa missão é AMOR AS CRIANÇAS, lendo esse depoimento podemos ver que você carrega e pratica esse valor.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Trackback: Inclusão do aluno com deficiência intelectual na escola - Instituto NeuroSaber

Leave a comment