Skip to content Skip to footer

DSM-5 e o diagnóstico no TEA

Segundo o DSM-5 — Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais — o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades de interação social, comunicação e comportamentos repetitivos e restritos.

O Transtorno do Espectro Autista, TEA, tem essas três características que são essenciais para o diagnóstico. Ainda que os sintomas variam de caso a caso, esses elementos são determinantes para realizar o diagnóstico de autismo.

Antes dos três anos de vida os sinais de TEA já podem ser percebidos. No entanto, muitas crianças ainda são diagnosticadas tardiamente, seja por desinformação ou resistência da família e dos médicos. O DSM-5 estabelece critérios que facilitam o diagnóstico precoce e o tratamento. Saiba mais neste artigo.

O diagnóstico de autismo segundo o DSM-5

A nova classificação do DSM-V trouxe mudanças significativas nos critérios diagnósticos do autismo, ampliando a identificação de sintomas e com uma ênfase na observação do desenvolvimento da comunicação e interação social da criança.

A nova descrição facilitou a compreensão dos sintomas do autismo, seja por profissionais ou pelos familiares. O diagnóstico precoce é fundamental para que as melhores intervenções sejam realizadas.

Critérios diagnósticos de autismo no DSM-5

  • Inabilidade persistente na comunicação social, manifestada em déficits na reciprocidade emocional e nos comportamentos não verbais de comunicação usuais para a interação social.
  • Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividade, manifestados por movimentos, falas e manipulação de objetos de forma repetitiva e/ou estereotipada, insistência na rotina, rituais verbais ou não verbais, inflexibilidade a mudanças, padrões rígidos de comportamento e pensamento; interesses restritos e fixos com intensidade; hiper ou hipo atividade a estímulos sensoriais.
  • Os sintomas devem estar presentes no período de desenvolvimento, em fase precoce da infância, mas podem se manifestar com o tempo conforme as demandas sociais excedam as capacidades limitadas. 

Todos esses sintomas causam prejuízos significativos no funcionamento social, profissional e em outras áreas da vida da pessoa com autismo.

Níveis de gravidade do autismo

Nível 1 — Leve

As pessoas com nível leve de autismo, em relação à interação e comunicação social, apresentam prejuízos mas não necessitam de tanto suporte. Têm dificuldade nas interações sociais, respostas atípicas e pouco interesse em se relacionar com o outro. 

Em relação ao comportamento, apresentam dificuldade para trocar de atividade, independência limitada para autocuidado, organização e planejamento.

Nível 2 — Moderado

As pessoas com nível moderado de autismo, em relação à interação e comunicação social, necessitam de suporte substancial, apresentando déficits na conversação e dificuldades nas interações sociais, as quais, muitas vezes, precisam ser mediadas.

Em relação ao comportamento podem apresentar dificuldade em mudar de ambientes, desviar o foco ou a atenção, necessitando suporte em muitos momentos.

Nível 3 — Severo

As pessoas com nível severo de autismo, em relação à interação e comunicação social,  necessitam de muito suporte, pois apresentam prejuízos graves nas interações sociais e pouca resposta a aberturas sociais. 

Em relação ao comportamento, apresentam dificuldade extrema com mudanças e necessitam suporte muito substancial para realizar as tarefas do dia a dia, incluindo as de autocuidado e higiene pessoal.

Além desses fatores, outros critérios específicos para o diagnóstico de autismo são: prejuízo intelectual e de linguagem, condição médica ou genética, outras desordens do neurodesenvolvimento ou transtornos relacionados.

Como é feito o diagnóstico de autismo

O diagnóstico de autismo é clínico e deve ser feito por profissionais especializados através da observação da criança e conversa com pais e familiares. Já no primeiro ano de vida é possível detectar alguns sinais, como contato visual pobre, ausência de balbucio ou gestos sociais, não responder pelo nome quando chamado.

Os pais observam pouco interesse em compartilhar objetos e dificuldade em desviar o foco em atividades que interessa à criança. Problema para dormir também é uma característica muito presente no autismo, assim como seletividade para alimentos, medos excessivos e hipersensibilidade a determinados barulhos ou estímulos.

Outros sinais relevantes para o diagnóstico de TEA é a excessiva preferência por determinados objetos, texturas, cores ou jogos. Pode haver uma demora para engatinhar, andar, falar e até mesmo regressão da fala  entre 1 e 2 anos. 

O médico especialista fará o diagnóstico baseado nas conversas com pais e na observação desses sintomas, organizados no DSM-V. Não existem exames de laboratório que confirmem o autismo, sendo um diagnóstico clínico feito pela observação da criança em diferentes ambientes.

Muitas vezes o diagnóstico acontece quando a criança já está na escola, sendo o papel dos professores fundamental para identificar sinais que possam indicar o TEA.

Se restou alguma dúvida sobre o diagnóstico de autismo e os critérios do DSM-5, deixe nos comentários.

Referências:

SILVA, Micheline  and  MULICK, James A.. Diagnosticando o transtorno autista: aspectos fundamentais e considerações práticas. Psicol. cienc. prof. [online]. 2009, vol.29, n.1 [cited  2020-10-01], pp.116-131.

Transtorno do Espectro do Autismo. Manual de Orientação D e p a r t a m e n t o C i e n t í f i c o d e P e d i a t r i a do Desenvolvimento e Comportamento.

27 Comments

  • Juliana Lionel
    Posted 03/10/2020 at 1:18 pm

    Muito clara e objetiva a matéria, ótima para sanar dúvidas sobre o transtorno e deixa um gostinho se quero aprender mais.

    • Maria Simone Mendes Almeida.
      Posted 26/03/2021 at 1:06 am

      Boa noite. Gostaria de saber o que é DIADE do autismo, para quadro do diagnóstico no DSMS?

      • Katia L V Rocha
        Posted 12/09/2021 at 12:09 am

        Presença de características que variam em grau de manifestação para o diagnóstico do TEA:
        1- Habilidade de interação social e comunicação
        2- Comportamentos repetitivos e restritivos

        • Camila
          Posted 17/05/2022 at 2:41 am

          O artigo fala de 3 características:
          “(…) o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades de interação social, comunicação e comportamentos repetitivos e restritos.
          O Transtorno do Espectro Autista, TEA, tem essas três características que são essenciais para o diagnóstico. “

  • ELIANE RODRIGUES DOS SANTOS
    Posted 05/10/2020 at 10:27 am

    Bom dia tudo bem? Gostaria de perguntar como faço para pesquisar na fonte certa sobre ansiedade esquiva, onde posso pesquisar.
    Obrigada

    • NeuroSaber
      Posted 07/10/2020 at 7:53 pm

      Olá Eliane, tudo bem? Ainda não temos um conteúdo sobre este tema, mas vamos colocar em nossa pauta abordar sobre este assunto também.
      Atenciosamente,
      Equipe NeuroSaber

  • Anna Laura
    Posted 04/11/2020 at 8:32 pm

    E quanto ao diagnostico tardio, na fase adulta, muda alguma coisa? Em relação ao autismo leve

  • Priscilla Costa
    Posted 24/03/2021 at 12:17 pm

    Meu filho teve o diagnóstico com 10 anos, não me lembro de atraso no desenvolvimento, mais apresenta muitos comportamentos que estão dentro do espectro leve. È possível por estimulação o autista evoluir no comportamento ao ponto de confundir as pessoas sobre o diagnóstico, ou seja, ser funcional ao ponto de pensarem que não é autista?

  • Aline Castro de Paula
    Posted 23/11/2021 at 5:41 pm

    Qual o ano do DSM-V usado nesse artigo?

    • Webster
      Posted 25/11/2021 at 4:59 pm

      Olá, Aline!

      O ano do DSM-V usado foi o último, de 2013.

      Continue nos acompanhando 🥰

      Webster,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Samara Castro
    Posted 28/03/2022 at 2:17 pm

    Bom dia, como referenciar o artigo de vocês ? Já que não tem os autores

    • Solange
      Posted 29/03/2022 at 12:50 pm

      Olá Samara, tudo bem?

      Converse com seu orientador que ele irá te passar orientação assertivas de como referenciar nossos artigos ou acesse o site da ABNT.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Angélica
    Posted 21/06/2022 at 12:14 pm

    Bom dia!
    Quais são as 3 características?

    Grata!

    • Solange
      Posted 21/06/2022 at 2:07 pm

      Olá Angélica

      O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades de interação social, comunicação e comportamentos repetitivos e restritos.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Giovanna
    Posted 14/11/2022 at 7:44 pm

    Olá, boa tarde, como eu posso referenciar vocês?

    • Solange
      Posted 16/11/2022 at 3:31 pm

      Olá Giovanna, tudo bem?

      Faça a citação usando o link do artigo conforme as normas da ABNT.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Samira
    Posted 16/12/2022 at 10:05 am

    _ Bom dia! Gostaria de receber mais jogos para trabalhar com autismo nível 3.

  • André S.F.
    Posted 31/01/2023 at 7:26 pm

    Olá. Vejo muito poucos conteúdos específicos sobre TEA Nível 1, sobretudo considerando que muitos traços existem também em crianças neurotípicas ou com outros tipos de condição (TDAH, altas habilidades, ansiedade etc). Nesse sentido, pra uma criança entre 2 e 4 anos, o que delimita essas situações?

    Pode-se dizer que hoje existe banalização de diagnósticos? Como evitá-las?

    Sobre TEA Nível 1, que tipo de terapias costumam ser recomendadas?

    • Solange
      Posted 02/02/2023 at 3:43 pm

      Olá André, tudo bem?

      Ótima sugestão para um artigo! Anotei aqui, agradeço muito ✍😍

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Mayla Sales
    Posted 10/04/2023 at 1:27 pm

    Hoje se fala em cura do autismo? Ou apenas diminuição das característica, tornando-a com uma qualidade de vida melhor dependendo dos estímulos?

    • Solange
      Posted 10/04/2023 at 3:25 pm

      Olá Mayla, tudo bem?

      Atualmente, a ciência não reconhece a existência de uma cura para o autismo. O autismo é considerado um transtorno neurobiológico complexo que afeta a comunicação, a interação social e o comportamento. No entanto, muitos indivíduos com autismo podem desenvolver habilidades sociais, de comunicação e comportamentais adequadas para sua idade e contexto social. A terapia e o tratamento podem ajudar a diminuir as características do autismo e melhorar a qualidade de vida do indivíduo, permitindo que ele possa se desenvolver e ter uma vida mais plena. Portanto, é importante enfatizar que o objetivo do tratamento é melhorar a qualidade de vida do indivíduo, não curá-lo do autismo.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Trackback: Níveis do autismo: entenda quais são e a mudança do termo – Observatório do Autista
  • Eevee
    Posted 18/06/2023 at 2:31 am

    Olá. Estou fazendo um trabalho e pretendo citar essa matéria. Queria saber qual o nome do autor ou autores, caso possível, pra poder dar os créditos corretamente.

    • Jhulli
      Posted 04/07/2023 at 2:28 pm

      Olá, tudo bem?

      Os créditos são do Instituto NeuroSaber mesmo.

      Jhulli, Equipe NeuroSaber 💙 

Leave a comment

0.0/5

x

Estou aqui para ajudar 🤗

Me chame quando precisar 😊