Skip to content Skip to footer

Erros que podem atrasar a inclusão escolar

Conheça os erros mais comuns que podem causar atraso na inclusão de crianças, neste artigo.

A inclusão escolar é uma grande conquista da educação, pelo reconhecimento e aceitação da diversidade nas escolas e por todos os benefícios que isso acarreta. No entanto, ainda é um desafio para os professores que, muitas vezes, não contam com o apoio necessário para superar as dificuldades que encontram em sala de aula.

Família, escola e profissionais especializados devem trabalhar juntos para evitar erros que podem atrasar a inclusão de crianças com necessidades educacionais específicas. Quando todos aceitam a responsabilidade de encarar os desafios da inclusão, aprendemos juntos a superar esses erros e encontrar as melhores estratégias para usar em sala de aula.

Neste artigo, vamos abordar os erros mais comuns em salas de aula inclusivas e como evitá-los. Confira!

Erros que podem atrasar a inclusão de crianças

Antes de abordar os erros mais comuns que podem atrasar a inclusão de crianças, é importante lembrar que somos seres humanos e erramos. Só erra quem se arrisca, portanto, os professores também precisam aprender que eles fazem parte do seu processo de aprender a incluir.

O mais importante é se manter constantemente em formação e buscar sempre o apoio da família e de profissionais especializados para poder superar os desafios da inclusão. Veja, agora, os erros mais comuns que podem atrasar esse processo e como evitá-los.

Atraso na Inclusão: Planejamento inadequado

A educação inclusiva, para ocorrer, de fato, precisa de um planejamento adequado. Isso quer dizer que o professor precisa conhecer a sua criança, suas características, habilidades, dificuldades e necessidades para considerá-las no seu plano de aula.

Um planejamento pedagógico adequado não diferencia o conteúdo que será trabalhado com as crianças em sala de aula, mas cria estratégias diferenciadas para abordá-lo. Para isso, o professor precisa do apoio da família e de profissionais que atendam a criança com necessidades educacionais específicas fora de escola, para juntos, pensarem nas melhores estratégias.

Instrução padronizada

Quando os professores encontram estratégias que funcionam com uma criança, podem cair no erro de acreditar que elas serão eficazes com todas as crianças. A verdade, porém, é que muitas crianças, especialmente aqueles com dificuldades de aprendizagem, requerem abordagens diferentes conforme suas necessidades evoluem.

Dessa forma, mais uma vez, o dialogo com a família se torna fundamental. Isso porque só será possível encontrar uma estratégia eficaz para a aprendizagem da criança, se o professor conhecê-lo bem. A comunicação sempre aberta entre família e escola é essencial para evitar que esse erro aconteça.

Atraso na inclusão: Rotulação das crianças

Quem nunca se surpreendeu com uma criança em sala de aula quando ele realiza algo que não esperávamos? É comum que os professores, num primeiro momento, enxerguem suas crianças com dificuldades de aprendizagem, como menos capazes.

Isso pode acontecer quando faltam informações sobre a criança, seu diagnóstico e suas características mais comuns. No entanto, os professores precisam acreditar na capacidade de suas crianças de aprender, independente das dificuldades e limitações que apresentam. 

Mantenha as expectativas altas sobre todas as suas crianças e, ao mesmo tempo, defina metas realistas e viáveis para eles. As crianças precisam saber que seus pais e professores acreditam nelas. Incentive sua criança a superar suas dificuldades, ajudando-o no que for preciso.

Atraso na inclusão: Priorizar a socialização

Esse é um erro muito comum, priorizar a socialização à aprendizagem. Existe uma diferença entre integrar e incluir: a integração considera suficiente a presença de pessoas com necessidades educacionais específicas em um ambiente e a inclusão diz de uma inserção total, com participação ativa de todos.

Dessa forma, o conteúdo trabalhado em sala de aula deve ser ensinado para todas as crianças, ainda que com estratégias diferenciadas. Deixar a aprendizagem das crianças com dificuldades em segundo plano e priorizar a socialização é integrar e não incluir.

Avaliar da mesma forma todas as crianças

A avaliação das crianças é outro ponto delicado na inclusão. Isso porque cada um deve ser avaliado conforme a sua evolução e progresso, e não de forma homogênea. Especialistas entendem que a avaliação deve ser parte do processo de ensino e aprendizagem, e não o ponto principal.

Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a avaliação do desempenho da criança deve ser contínua e cumulativa, onde os aspectos qualitativos prevaleçam sobre os quantitativos. Mais importante que comparar as crianças de uma turma é reconhecer o que cada um aprendeu e registrar seus avanços e dificuldades. 

Cometemos erros, pois somos humanos, isso não desqualifica nenhum professor, mas demonstra que está no caminho, tentando acertar. O mais importante é refletir sobre os erros e reconhecer quando eles ocorrem na prática da inclusão, para poder evitá-los e superá-los.

Se você conhece mais erros que podem atrasar a inclusão das crianças em sala de aula, deixe nos comentários e contribua com a discussão.


Referências:

OLIVA, Diana Villac. Barriers and resources to learning and participation of inclusive students. Psicol. USP [online]. 2016, vol.27, n.3 [cited  2020-11-02], pp.492-502.

SALGADO, Andressa Mattos. IMPASSES E PASSOS NA INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS AUTISTAS E PSICÓTICAS: o trabalho do professor e o olhar para o sujeito.

2 Comments

Leave a comment

x

Estou aqui para ajudar 🤗

Me chame quando precisar 😊