Skip to content Skip to footer

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: O que é TID?

Você por acaso já ouviu falar em Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (TID) e o que ele tem a ver com o autismo? Ao longo dos estudos realizados por especialistas, as categorias que estavam ligadas ao Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram descobertas. Sendo assim, no ano de 2000, a Classificação Internacional de Doenças (CID-10) enquadrou o autismo no TID.

Este distúrbio é definido, então, como um grupo de transtornos que são caracterizados por “alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e modalidades de comunicação e por um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo”, segundo artigo produzido pelo professor da Universidade Mackenzie, de São Paulo, José Salomão Schwartzman.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico do TID é baseado em uma análise comportamental do indivíduo, não necessitando de um traço biológico que facilite sua caracterização. Vale lembrar que o diagnóstico também é realizado de forma clínica e baseado em prejuízos relatados.

No entanto, é verdade que se exige um acompanhamento clínico bem detalhado a fim de que haja também uma avaliação que envolva o campo linguístico e neuropsicológico, além de exames complementares (como estudos de cromossomos e neuroimagem).

Quais são as causas?

Ainda há muitos pais e profissionais que têm dúvidas sobre as causas do TID, mas de acordo com estudos feitos para o tema, estima-se que o transtorno apresenta causas neurobiológicas e pode até mesmo se manifestar de maneira isolada ou a partir de condições médicas que acompanham a pessoa desde mais tenra idade.  Veja quais são elas:

  • Infecção pré-natal (rubéola, citomegalovirus, outras);
  • Síndrome fetal alcoólica;
  • Síndrome de Down;
  • Síndrome de Williams;
  • Síndrome de Angelman;
  • Síndrome do X-frágil, entre outras.

O detalhe é que embora haja um forte indício de que o TID possa ser notado nos primeiros meses de vida, a medicina apenas trabalha com essa identificação quando a criança está próximo de 5 ou 6 anos de idade.

Vale ressaltar que, diferente do que era afirmado nas décadas de 1940, 1950 e 1960; o TID não tem origem em problemas psicológicos (sobretudo os dinâmicos). Isto, hoje, já é consenso entre os pesquisadores da área.

Além disso, há evidências de que fatores familiares podem estar diretamente ligados aos casos de TID.

É possível saber se meu filho está incluído nesse grupo?

Especialistas afirmam que quanto menos severo for a incidência do TID, mais difícil será a identificação de características que denotem o transtorno. Para esses casos, nada melhor que uma observação criteriosa dentro de casa e em outros ambientes, lembrando que a criança apresentará algum traço de comportamento que demonstre algo diferente.

Dentre os hábitos que podem ser reparados, destaca-se o apego à rotina, em que o pequeno quer fazer tudo na mesma hora, do mesmo jeito e obedecendo a determinados rituais para que uma tarefa seja feita. Além disso, o lado seletivo pode ser notado, principalmente na alimentação.

Outra característica que pode ser notada é o fato de, ao sofrerem uma queda, não demonstrarem nenhuma sensação de dor. Enquanto um toque com pouco estímulo pode levá-lo ao choro e à agitação.

Onde procurar ajuda?

Desde muito nova, a criança pode apresentar alguma característica que a diferencie das demais. A procura por uma equipe multidisciplinar pode ser a solução para que seu filho receba a intervenção necessária a fim de que tenha uma qualidade de vida muito maior.

25 Comments

  • maria Elminia Silva
    Posted 26/01/2017 at 7:44 pm

    Os artigos publicados por vocês sempre acrescenta mais em prática pedagógica. Parabéns! Obrigada!

    • Entendendo Autismo
      Posted 26/01/2017 at 8:13 pm

      Abraços Maria Elminia! obrigada

    • MARCELLE APARECIDA BALBINO FREIRE
      Posted 26/04/2021 at 2:09 pm

      Queria saber se com esse diagnóstico meu filho pode se aposentar.Ele tem TID

  • claudia irizaga
    Posted 28/01/2017 at 2:12 pm

    Como avó de um menino autista (4 anos) e professora digo que tenho aprendido muito com as publicações .
    Excelente idéia a socialização dos estudos de vocês.

    • Entendendo Autismo
      Posted 30/01/2017 at 1:03 pm

      Obrigada Claudia! continue acompanhando as publicaçoes da Neurosaber.

  • Núbia Calazans
    Posted 28/01/2017 at 4:53 pm

    Muito esclarecedor! Serve de suporte para as atividades que desenvolvo!
    Obrigada!

    • Entendendo Autismo
      Posted 30/01/2017 at 1:02 pm

      Obrigada Nubia! abraços

  • Rivaneide Alves da Silva Cruz
    Posted 28/01/2017 at 8:26 pm

    Ótimo artigo! Parabéns pelo trabalho de vocês , porque só nos ajuda a reconhecer e identificar os possíveis problemas de desenvolvimento de nossas crianças e melhorar nosso desempenho profissional. É extremamente importante que nós educadores e todos os envolvidos no auxílio de nossas crianças isso reforça as observações mais detalhadas desde muito cedo podendo assim melhorar a qualidade de vida de cada uma delas! Muito obrigada e um grande abraço e que Deus os abençoe sempre!

    • Entendendo Autismo
      Posted 30/01/2017 at 12:55 pm

      Obrigada pelas palavras Rivaneide! abraços

  • Neuzimar de Maria Mandu
    Posted 28/01/2017 at 10:32 pm

    Acredito que seja fundamental professores que estudaram sobre os TID passem essas infomações aos pais que não sabem nada e nem por do que ocorre com seus filhos.

    • Entendendo Autismo
      Posted 30/01/2017 at 12:52 pm

      Com certeza Neuzimar! é fundamental os pais estarem cientes.

  • Joaquina Xizana Torquato Almeida.
    Posted 29/01/2017 at 10:12 pm

    Aqui vai o meu muito obrigada a essa equipe maravilhosa, pelo aprendizado. Como tenho uma filha especial, muitas vezes, ou na maioria das vezes, só vejo depois. Mesmo assim, faço o máximo para ver as publicações. ( acho até que já disse isso.)

    • Entendendo Autismo
      Posted 30/01/2017 at 11:45 am

      Joaquina parabens! a informação é a maior colaboradora em tudo que fazemos.Obrigada por estar sempre nos acompanhando!

  • Antonia C. Santos
    Posted 30/01/2017 at 12:00 am

    Boa Noite. Este artigo é excelente, nos faz ver a importância de uma observação constante .Parabéns.

    • Entendendo Autismo
      Posted 30/01/2017 at 11:42 am

      Obrigada Antonia! voce poderá obter mais informaçoes em nosso site e no “Entendendo Autismo” na pagina da Neurosaber no you tube.

  • Maria Ireni Soares Farias
    Posted 01/02/2017 at 10:58 am

    Bom dia equipe da NeuroSaber.
    Tem sido de grande ajuda todas as lifes que tratam TEA, pois tenho um filho de adoção que tem embora leve,mas que na escola teve dificuldades´pois tem HDA.Tem acompanhamento com psicopedagoga e fonoaudióloga.Dr. Brites quero fazer uma pergunta e espero ansiosamente por uma resposta. Vocês nos mostram como identificar, como ajudar, a que médico recorrer,quando nossos filhos são pequenos,mas eles vão crescer, como continuar ajudando-os?
    Pergunto também se uma criança teve vários diagnósticos, sempre foi levado pelos pais a diversos médicos, mas nunca fecharam um diagnóstico. Hoje na idade adulta , muito inteligente, mas com varias comorbidades associadas, sofre terrivelmente,pois entende que é diferente. A mãe entrou em contato com vocês, mas ficou triste e decepcionada, porque não teve um retorno com alguma orientação. Ela mora em Santa Catarina estava disposta ir a cidade de vocês com esperança de ter uma consulta orientandoa pelo menos para onde procurar auxilio.O rapazé meu primo angustio-me com o sofrimento dele e da família. Se procurarem nos e-mails de vocês encontrarão o nome da mãe dele .R de C Veleda. Agradecida .

    • Entendendo Autismo
      Posted 01/02/2017 at 8:47 pm

      Ola Mari Ireni! pedimos desculpas se ainda não obeteve resposta mas voce pode ligar na clinica do Dr. Clay o numero é 043 30552324.Abraços

      • José Carlos
        Posted 31/10/2017 at 2:42 pm

        obrigado pelas informações, por tirarem as minhas dúvidas que acredito não é só minha.

  • GILCÉLIO DE PAULA DIAS
    Posted 03/10/2017 at 7:45 pm

    ESTOU FAZENDO UM TRABALHO, ONDE FIZERAM A SEGUINTE PERGUNTA : APRESENTE AS DIFERENÇAS ENTRE SINDROME DE ASPERGER E O TRANSTORNO INVASIVO ?
    PORÉM EU NÃO ENTENDI, PODEM ME AJUDAR ?

  • Lorenzo
    Posted 15/11/2017 at 11:55 pm

    bom dia!
    eu gostaria de saber se o transtorno invasivo do desenvolvimento e a síndrome de asperger são critérios para haver a interdição da pessoa? e caso houver a interdição por estes motivos, esta seria parcial ou absoluta?

    e a duvida que sempre paira no ar: a síndrome de asperger verdadeiramente incapacita o sujeito para o trabalho?

  • Paula
    Posted 08/01/2018 at 12:15 pm

    Deficiência auditiva é um transtorno invasivo do desenvolvimento? Porque?

  • Dirde L. Andrade
    Posted 01/02/2018 at 10:46 pm

    Me passarám que milha filha de 5 anos e autismo o CID F70 e F84
    Pode falar mais desse caso

  • ROBILENE RODRIGUES MENDONÇA DE MAGALHAES (589)
    Posted 11/07/2018 at 9:36 am

    Aprendi muito com tais informações. Parabéns equipe pelo testo claro e objetivo.

  • Silvia Maria
    Posted 12/11/2021 at 6:14 pm

    é possível diagnosticarem a criança com 13 anos? A minha filha tem muito em questão dá rotina, e quando mudada se frustra. e aos Domingo a domingo, desde bem pequenina aos 3 a 4 anos ela já tinha essa questão de acordar cedo pra fazer tarefas, tomar banho, se vestir sozinha muita das vezes peguei ela 7 da manha já fazendo as coisa só nessa fase ela tinha já uns 5 anos e sobre dor ela aos 15 dias de nascido caiu dos braços do pai quando dormia, não chorou, com o passado tempo quando caia não chorava dizia que não foi nada, mas não gosta de barulho, gritos som alto e escuta musica clássica pra estudar e como a calma ela. Gente e agora na adolescência esta mais destacados esses sentimentos e detalhe nada abala. Me ajudem eu estou sem saber o que fazer devo levar ao psiquiatra? psicólogo? aquém levo?

  • Trackback: 13 sintomas de problemas psicológicos em crianças - Instituto NeuroSaber

Leave a comment

0.0/5