Voltar

As medicações são seguras para o cérebro com TDAH?

Após o diagnóstico de TDAH, é comum as medicações para as crianças, é nesse momento que começa umas das grandes preocupações: o medicamento é seguro?

É preciso saber como os medicamentos  estimulantes e os não estimulantes funcionam, se existem riscos e quais dosagens e frequências são normais. 

O medicamento não tem a capacidade de curar o TDAH. Porém, ajuda a aumentar a capacidade de prestar atenção, diminuir o ritmo e ter mais autocontrole. Continue lendo para saber mais sobre isso. 

O que é TDAH?

O TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade) é um dos transtornos de neurodesenvolvimentos mais comuns. Inclusive, é um transtorno que é diagnosticado já na infância. 

Entre os sintomas mais frequentes no TDAH estão a incapacidade de se concentrar, a impulsividade, e também a hiperatividade. Para que esses sintomas sejam diminuídos, é necessário um tratamento, que pode ser feito então com medicamentos. 

Então, o maior objetivo da medicação para o TDAH é a redução dos sintomas. Esses medicamentos podem ajudar a criança a ter mais concentração, diminuir a hiperatividade e até mesmo auxiliar em crises de irritação. 

Essa medicação pode ser acompanhada de terapia comportamental e também aconselhamento, para que assim todos os sintomas possam ser controlados. 

Todo TDAH precisa ser medicado?

Nem todo mundo com TDAH precisa de remédios. No entanto, os remédios podem ajudar a maioria das pessoas com TDAH a manter o foco por mais tempo, ouvir melhor e se inquietar menos.

Elas também se beneficiam da terapia comportamental para aprender e praticar habilidades como manter-se organizado, administrar o trabalho escolar ou lidar com o estresse. 

As medicações no TDAH não são um atalho para dominar essas habilidades, mas ajudam as pessoas a se concentrarem para aprendê-las. 

Os medicamentos para TDAH são seguros?

Os medicamentos para TDAH são considerados seguros e eficazes. Os riscos são pequenos e os benefícios estão bem documentados.

Porém, a supervisão médica adequada ainda é importante. Isso porque algumas crianças podem desenvolver efeitos colaterais mais incômodos do que outras. 

Entre esses efeitos colaterais, muitos deles podem ser controlados trabalhando com o médico do seu filho para alterar a dosagem ou mudar o tipo de medicamento usado. 

Os efeitos colaterais mais comuns são perda de apetite e dificuldade para dormir. Outros efeitos colaterais dos medicamentos para TDAH incluem nervosismo, irritabilidade, mau humor, dores de cabeça, dores de estômago, aumento da frequência cardíaca e pressão alta.

Os efeitos colaterais geralmente acontecem nos primeiros dias após o início de um novo medicamento ou após a ingestão de uma dose mais elevada. Freqüentemente, eles desaparecem por conta própria após alguns dias ou semanas, conforme o corpo se ajusta ao medicamento.

Se um efeito colateral não passar, o médico pode decidir diminuir a dose ou interromper o medicamento e tentar outro. Os medicamentos para o TDAH só permanecem no corpo por algumas horas, de modo que os efeitos colaterais desaparecem à medida que o medicamento deixa o corpo.

Muitas crianças se beneficiarão de uma combinação de medicamentos e terapia comportamental, treinamento ou aconselhamento.

Se você quiser saber mais sobre o assunto, é só clicar aqui embaixo e assistir ao vídeo onde o Dr. Clay explica melhor sobre esse assunto. 

Referências

FDA drug safety communication: Safety review update of medications used to treat attention-deficit/hyperactivity disorder (ADHD) in children and young adults. (2017).

fda.gov/Drugs/DrugSafety/ucm277770.htm

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *