Voltar

Aspectos do desenvolvimento na idade escolar e na adolescência

Entender os aspectos do desenvolvimento infantil é fundamental para a aprendizagem de crianças e adolescentes em idade escolar.

Compreender o desenvolvimento dos alunos, ajuda o professor a encontrar as melhores estratégias de ensino para cada etapa. Atribuímos os comportamentos das crianças à herança genética, mas é importante conhecer o que dizem as teorias do desenvolvimento sobre o comportamento.

Segundo essas teorias, o comportamento humano é fruto sim de características hereditárias, mas não só, pois também são fruto do ambiente que somos expostos. Isso quer dizer que o comportamento das crianças e dos adolescentes são influenciados, pela família, pela escola e pela cultura. Saiba mais, neste artigo.

Aspectos do desenvolvimento infantil na idade escolar

Desenvolvimento cognitivo 

Segundo Jean Piaget (1896-1980), grande pesquisador sobre o desenvolvimento cognitivo, este se dá em paralelo ao desenvolvimento físico da criança. A medida que a criança se desenvolve, a sua inteligência se modifica, partindo de reflexos e movimentos espontâneos, quando bebe, até a conquista de habilidades para realizar operações abstratas, no final da adolescência.

Para Piaget, o desenvolvimento cognitivo se divide em quatro estágios, de forma que cada um deles é condição necessária para o próximo. São eles:

  1. Estágio sensório motor (de 0 a 2 anos): fase onde o bebê compreende o mundo a partir dos sentidos e ações motoras.
  2. Estágio pré-operatório (de 2 a 6 anos): fase onde a criança começa a usar símbolos, lógica simples e classificar objetos.
  3. Estágio operatório concreto (de 7 a 11 anos): fase onde inicia o desenvolvimento de operações mentais como adição, subtração e inclusão de classes. 
  4. Estágio operatório formal (de 12 anos em diante): fase onde o adolescente organiza ideias, eventos e objetos, imaginando e pensando dedutivamente sobre eles.

Os estágios do desenvolvimento cognitivo propostos por Piaget, embora sigam uma ordem, são vivenciados pelas crianças em diferentes velocidades. Na idade escolar, a criança aprende habilidades como a capacidade de pensar sobre o mundo, a partir de experiências concretas.

Para Piaget, ao final do período de desenvolvimento cognitivo, alguns comportamentos devem ter sido aprendidos pela maioria das crianças, como: pensamento espacial; noção de causa e efeito; classificação e seriação; raciocínio indutivo; noção de conservação e habilidade para lidar com números, solucionando problemas matemáticos envolvendo as quatro operações.

A criança em idade escolar adquire essas habilidades à medida que se desenvolve cognitivamente e se torna capaz de compreender e aprender os conteúdos trabalhados em sala de aula. Ainda que esse seja um processo gradual, é fundamental dar oportunidades para as crianças de sistematizar e organizar a aprendizagem.

O desenvolvimento na idade escolar ocorre à medida que as crianças aprendem habilidades que a permitem processar e reter informações. O desenvolvimento cognitivo se dá à medida que as crianças aprendem a usar a memória, a ter atenção concentrada e aprendem a ler e escrever.

Para que isso ocorra, o professor precisa oferecer possibilidades de leituras, para aperfeiçoar a compreensão das crianças. É papel do professor monitorar e incentivar seu aluno a compreender o que lê assim como a desenvolver estratégias para solucionar problemas e dificuldades na leitura.

Da mesma forma, o papel da família exerce uma grande influência na aprendizagem. Quando há defasagens no ambiente familiar, o papel da escola se torna ainda mais fundamental. Uma comunicação constante entre escola e família é essencial para o desenvolvimento das crianças.

Vale lembrar que algumas crianças apresentam necessidades especiais e um olhar individualizado. As dificuldades de aprendizagem na idade escolar podem ter origem em transtornos como dislexia, TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), autismo, assim como em deficiências visuais, auditivas, motoras ou intelectuais.

Nesses casos, é preciso oferecer condições de ensino que visem superar essas dificuldades de aprendizagem. Em muitos caso, será preciso uma reorganização curricular para suprir as necessidades educacionais de alguns alunos.

Desenvolvimento emocional e social 

Ao mesmo tempo em que as crianças em idade escolar se desenvolvem cognitivamente, aprendem mais sobre elas mesmas assim como a ter mais controle emocional. Podemos definir emoção como uma resposta a um estímulo externo ou interno, como medo, alegria, tristeza ou raiva.

As emoções podem ser negativas ou positivas e nos preparam para reagir diante situações de desconforto ou prazerosas. Quando as crianças começam a tomar consciência de suas emoções, se tornam capazes de reconhecer sentimentos e lidar com eles.

As crianças em idade escolar aprendem a se conscientizar não só de suas emoções, mas as dos outros. Esse aspecto é fundamental para a interação social e a medida que se desenvolvem, aprendem a controlar suas emoções. 

Ainda que inicialmente reajam de forma inadequada a emoções como tristeza e medo, aprendem a identificá-las e expressá-las de formas mais adequadas, com a mediação dos adultos.

Por exemplo, quando a criança é contrariada pode reagir com agressividade, mas professores e familiares podem ajudá-la a entender a situação, a perceber o outro e identificar outras formas de expressar quando se sentir dessa forma. 

Tanto a escola quanto a família ajudam a criança a desenvolver o controle de suas emoções, assim como a sua autoestima. A medida que a criança percebe seus sentimentos e as possibilidades de reagir a eles, ela adquire mais autoconfiança e a capacidade de lidar com desafios.

Assim com as crianças que reagem agressivamente, aquelas mais quietas e retraídas, também devem receber a atenção dos adultos. Ainda que pareça um comportamento adequado, pode ser um motivo de preocupação, por isso essa criança deve ser orientada e, se preciso, encaminhada para um atendimento psicológico.

Se gostou deste artigo, compartilhe-o em suas redes sociais e ajude outras pessoas a conhecer os aspectos do desenvolvimento infantil.

Referências:

https://acervodigital.unesp.br/bitstream/unesp/155338/3/unesp-nead_reei1_ee_d06_s01_texto01.pdf

http://www2.unirio.br/unirio/cchs/educacao/graduacao/pedagogia-presencial/AlineLavanlledeMedonaSilva.PDF

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *