Voltar

Atividades psicomotoras para crianças com autismo

Atividades psicomotoras desempenham um grande papel no desenvolvimento infantil e crianças autistas também se beneficiam muito com essas brincadeiras.

Aqui, essas atividades influenciam diretamente nas habilidades emocionais, cognitivas e motoras das crianças, por isso a importância de serem praticadas desde os primeiros anos de vida.

As atividades psicomotoras são uma ótima opção para quem deseja aprender a estimular essas habilidades de uma maneira muito simples, rápida e prática! Continue lendo para saber mais!

A psicomotricidade no Transtorno do Espectro Autista

Atividades psicomotoras devem fazer parte da rotina terapêutica da criança a partir da presença de alguns sinais que podem ser prejudiciais para o seu desenvolvimento, como por exemplo: desestruturação da linguagem, dos sentidos e motora. 

A falta de controle dos impulsos de crianças autistas também podem ser tratados por meio de atividades psicomotoras, auxiliando em suas habilidades de percepção de espaço e até do próprio corpo.

Quando trabalhamos essas atividades, ajudamos a criança a estar mais sintonizada com o ambiente em que ela frequenta, a ter uma percepção sobre o próprio corpo e também de terceiros, a depender do contexto.

Estratégias para realizar a estimulação da criança com TEA

Antes de apresentarmos as atividades para estimulação das coordenações fina e grossa, precisamos deixar claro que devemos realizá-las de acordo com um planejamento.

Este planejamento deve ser feito levando em conta as particularidades e necessidades de cada criança e fazer com que ele adquira consciência sobre seu esquema corporal e a sua relação com o ambiente externo.

Trabalhar a coordenação motora geral

Quando estamos falando de psicomotricidade, precisamos de um especialista que seja capaz de integrar a percepção interna da criança com seu ambiente externo, auxiliando o pequeno a entender os limites que compõem o interno e o externo. Isso pode acontecer pelo uso de técnicas que colocam o corpo da criança em movimento. Essas atividades podem ser muito simples como correr, pular e pular. 

Trabalhar a coordenação motora fina

Quando falamos sobre coordenação motora fina, estamos nos referindo a uma habilidade muito importante para o desenvolvimento da vida escolar da criança! Estimular a coordenação motora fina é preparar a criança para segurar o lápis para escrever, a tesoura que irá usar e muitas outras atividades em seu cotidiano! 

Atividades Psicomotoras para crianças com autismo

Coordenação motora Grossa

  • Dança: Os pais e terapeutas podem dançar com música para estimular a imitação. Aqui, a brincadeira ainda pode ser uma ótima maneira de ensinar habilidades para a vida diária!
  • Brincar de faz de conta:  Essa brincadeira pode ser um desafio considerável em muitos casos de autismo, mas com certeza podem se beneficiar movendo-se enquanto desenvolvem sua imaginação! 
  • Jogar Bola: Comece rolando a bola para a frente e para trás com seu filho. Essa tarefa simples desenvolve habilidades importantes de rastreamento ocular e pode estimular o planejamento motor à medida que a criança segue o movimento da bola. 

Coordenação motora fina

  • Desenho: Comece a desenhar com os dedos / mãos. Passe a tentar desenhar com objetos. Grandes pedaços de giz ou giz de cera precisam de menos habilidades motoras finas do que objetos menores como lápis ou canetinhas. Para começar, qualquer pegada é boa, pois segurar a pegada e também manter a pressão pode ser um grande desafio por si só.
  • Blocos de construção: Comece com objetos maiores para empilhar, como almofadas e travesseiros, livros ou rolos de papel higiênico. Isso funciona bem como uma atividade com as duas mãos. À medida que a criança for ganhando mais habilidade em empilhar os blocos, tente empilhar objetos menores, como moedas, lego e blocos.
  • Massinha de modelar: Amassar a massinha, enrolá-la com um rolo, esmagar bolinhas de massinha e espremê-la entre os dedos são ótimas maneiras de trabalhar a motricidade fina e as habilidades manuais da criança. Elas podem usar a mão inteira ou um dedo indicador. Você também pode colocar diferentes objetos na massinha para eles encontrarem e brincarem. Carros ou animais de plástico funcionam bem, ou você pode personalizá-los de acordo com um interesse especial.

O acompanhamento médico e profissional

Podemos realizar algumas dessas atividades em casa, mas isso não significa que elas devem ser feitas sem a consulta e opinião de um médico ou profissional que acompanhe o tratamento de seu filho ou aluno.

Esses profissionais podem ser psicopedagogos, fonoaudiólogos, analistas comportamentais, terapeutas ocupacionais e o próprio médico pediatra/neurologista que realizou o diagnóstico.

A psicomotricidade ajuda grandemente no desenvolvimento de habilidades essenciais para a criança, mas não deve ser utilizada sem supervisão e sem estar alinhada às outras terapias que o pequeno está fazendo.

Quer aprender mais sobre como a brincadeira pode ser uma ótima ferramenta para divertir e estimular a criança com autismo?

Clique aqui embaixo e assista ao vídeo da psicomotricista e fundadora do Instituto NeuroSaber, Luciana Brites, falando mais sobre o assunto! Clique no play!

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *