Voltar

Autismo: como é a dificuldade no contato visual

O contato visual tem um lugar significativo na comunicação não verbal, pois por ele é possível captar e responder às pistas sociais das outras pessoas. 

Geralmente, não fazer contato visual é considerado um ato de desatenção, falta de empatia, de interesse ou grosseria. No entanto, um dos sinais e sintomas característicos do Transtorno do Espectro Autista é a dificuldade de fazer contato visual. 

Esse comportamento se apresenta desde o primeiro ano de vida em muitas crianças com autismo, sendo essa característica amplamente debatida e pesquisada em busca de suas possíveis causas.

O que parece sinal de desinteresse é realmente uma dificuldade no autismo. Entenda melhor, neste artigo.

O contato visual no autismo

A princípio, a falta de contato visual no autismo parecia falta de interesse, já que em indivíduos com desenvolvimento típico evitar esse contato é um sinal de indiferença social. No entanto, muitas pessoas com TEA relatam que o contato visual causa desconforto e estresse.

Segundo pesquisadores, isso acontece pois uma parte do cérebro ativada pelo contato visual — o sistema subcortical —  é ativada de forma incomum nas pessoas no espectro do autismo.

Esta área do cérebro é responsável por desencadear a atração natural dos bebês por rostos que consideram familiares. O sistema subcortical também ajuda as pessoas a perceberem as emoções. 

A dificuldade de contato visual no autismo, portanto, é uma resposta a uma sensação de desconforto, que visa diminuir a excitação excessiva e desagradável causada por essa parte do cérebro.

Além disso, as crianças com autismo podem se sentir desconfortáveis quando expostas a muitos estímulos sociais e sentem dificuldade de se concentrar na fala e nos olhos das pessoas ao mesmo tempo. Também podem não entender as pistas sociais do contato visual, ou seja, que os olhos também fornecem informações em uma interação.

Dessa forma, o contato visual pode ser muito intenso e opressor em termos de experiência sensorial para as crianças com autismo, a ponto de se sentirem oprimidas, estressadas ​​e o evitarem.

Dificuldade no contato visual 

Como as crianças com autismo têm dificuldade para transmitir o que querem ou sentem por meio do contato visual, é preciso descobrir qual a melhor forma para interagir com elas. Muitas vezes, são forçadas a olhar nos olhos de alguém, seja para completar uma tarefa ou iniciar uma conversa. 

No entanto, forçar crianças com TEA a fazer contato visual pode gerar muita ansiedade para elas. Em vez disso, é preciso entender qual a maneira mais apropriada de ajudá-las a lidar com o contato visual sem estresse.

É importante que as pessoas que convivem com crianças com autismo compreendam suas razões para evitar o contato visual, já que este cria desconforto nelas. Precisamos entender que a falta de contato visual não significa indiferença, mas uma dificuldade devido ao desconforto que provoca.

Formas alternativas para interagir com as crianças com autismo

Muitos adultos com autismo descreveram o estresse que sentiram quando foram forçados a fazer contato visual em suas interações. Afirmam que se distraíam com essas tentativas e, às vezes, a insistência os fazia perder o foco.

Para saber como abordar a questão do contato visual, a primeira coisa a ser feita é observar como cada criança reage. Para algumas, pode ser tão estressante a ponto de fazê-las prestar menos atenção à atividade ou interação.

Procure formas de interação não-verbais, dando sugestões para as crianças sobre como podem demonstrar interesse ou interagir, sem o contato visual. Os pais podem ensinar seus filhos expressões que indicam que estão prestando atenção, como dizer “sim” ou mesmo “aham” durante uma interação social, por exemplo.

Além disso, o contato visual nem sempre tem um impacto negativo nas crianças com autismo. Em alguns casos, quando observar que elas prestam mais atenção fazendo contato visual, é possível convidá-las a fazê-lo.

Essa habilidade pode ser importante para a aprendizagem. Terapias comportamentais ajudam a apoiar as atividades feitas em casa que visam estimular o contato visual. 

Como estimular o contato visual no autismo

Como vimos, forçar o contato visual tem um impacto negativo, por isso, o reforço positivo natural e espontâneo pode ser um dos métodos a serem usados no ensino dessa prática.

Ainda que o contato visual possa ser estimulado nas conversas, é muito importante observar o conforto da criança para não forçá-la. Se a experiência não trouxer nenhuma melhoria, não faz sentido continuar com esse estímulo.

Uma dica para ajudar a criança a se acostumar gradualmente com o contato visual, é fazer uma pausa antes de responder aos seus pedidos ou perguntas. Isso pode fazer com que ela olhe em sua direção para checar se foi ouvida. Nesse momento, responda imediatamente e a elogie por fazer contato visual. 

Vale lembrar que a falta de contato visual não é suficiente para ser considerada sintoma de autismo. Alguns bebês não conseguem fazer contato visual, mas reagem aos rostos familiares e se viram em direção a eles.

No entanto, a intervenção precoce é muito importante no autismo, por isso pais e cuidadores devem investigar quando seus filhos com menos de 3 anos, não fizerem contato visual e apresentarem atrasos na comunicação social.

Se restou alguma dúvida, deixe nos comentários.

Referências:

FERNANDES, Fabiana. S.. O corpo no autismo. Psic [online]. 2008, vol.9, n.1 [citado  2021-02-12], pp. 109-114 .

GADIA, Carlos A.; TUCHMAN, Roberto  and  ROTTA, Newra T.. Autismo e doenças invasivas de desenvolvimento. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2004, vol.80, n.2, suppl. [cited  2021-02-12], pp.83-94.

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *