Voltar

Autismo e bullying: como ajudar a criança a lidar?

Pesquisas recentes apontam para uma alta prevalência de bullying entre pessoas com autismo. A vulnerabilidade das crianças com autismo ao bullying está intimamente relacionada à falta de habilidades sociais. 

Eles têm dificuldade em interpretar pistas sociais e compreender as intenções dos outros; isso pode fazer com que muitas vezes se tornem vítimas de bullying. 

Neste artigo, você vai entender como pode apoiar as crianças da maneira ideal para que elas se tornem mais fortes, e vamos explicar quando se fala de bullying, quais os sinais indicam que a criança  pode estar sofrendo bullying.

O que é o bullying

O bullying pode ser definido como a violência repetida, podendo ser ela verbal, física ou psicológica. 

Essa violência também é encontrada dentro da escola. É o ato de um ou mais alunos contra uma vítima que não consegue se defender. Quando uma criança é insultada, ameaçada, empurrada ou recebe mensagens abusivas repetidamente, pode ser considerado bullying.

Alguns exemplos de bullying 

  • Zombar de alguém ou fazer piada sobre eles às custas deles
  • Ignore alguém ou deixe-o para trás
  • Empurrar, puxar, bater, chutar ou qualquer outro ato físico
  • Vendendo rumores sobre uma pessoa
  • Ameaçar alguém
  • Forçar uma pessoa a participar de jogos degradantes ou humilhantes contra seu consentimento ou sem garantir seu consentimento

Sinais de alerta 

Você acha que seu filho está sofrendo bullying? Aqui estão os sinais de alerta a serem observados:

  • Se ele costuma voltar da escola com roupas sujas e estragadas, se sente falta de roupas, livros e itens pessoais regularmente
  • Encontra desculpas para não ir para a aula ou seus resultados escolares caem drasticamente
  • Fica  mais ansioso do que o normal ou não estava ansioso e está se tornando 
  • Está deprimido ou menos feliz do que o normal, ele parece preocupado ou triste
  • Tem mais dificuldade de concentração
  • Aparece com contusões, arranhões, feridas mais ou menos importantes e não explica como fez isso
  • Você observa mais intensidade em seus comportamentos repetitivos
  • Está mais irritado, tem comportamentos mais desafiadores sem que você encontre a causa

Não importa quais ações usem, a vítima dos ataques de bullying sofre e geralmente não sabe como se defender deles. Os valentões se aproveitam disso e a situação piora a cada dia. 

Como combater o bullying em crianças com autismo

Os adultos devem facilitar relacionamentos saudáveis ​​entre as crianças. Pais e professores, bem como todos os outros adultos envolvidos com crianças, devem trabalhar para criar ambientes positivos para promover interações positivas com colegas e minimizar o potencial de interações negativas com colegas, como bullying e assédio.

As atividades sociais em crianças podem configurar uma dinâmica de grupo positiva ou uma dinâmica de grupo negativa. 

É importante que os adultos estruturem a vida das crianças de tal forma que o comportamento agressivo e intimidador não possa se desenvolver ou florescer.

Por exemplo, quando as equipes são escolhidas para esportes, é melhor designar as crianças às equipes em vez de escolher os capitães das equipes e permitir que eles escolham outras crianças, pois isso pode favorecer a situação em que algumas crianças acabam sendo excluídas.

Quando os colegas se reúnem para assistir a um episódio de bullying, o episódio tende a durar mais, pois o agressor é reforçado pela atenção de outras pessoas.

Se os colegas intervirem, no entanto, o episódio de bullying pode parar imediatamente.

Como os pais podem ajudar 

Como pai, existem algumas maneiras de ajudar uma criança com autismo que sofre bullying.

  • Informe os funcionários da escola se você souber de seu próprio filho ou de outra criança sofrendo bullying.
  • Ajude o seu filho a falar sobre o problema 
  • Estimule a fazer amigos, incentivando momentos de brincadeira fora da sala de aula com outras pessoas.
  • Converse com seu filho sobre o bullying e por que é errado maltratar os outros. Ofereça exemplos de interação boa e aceitável com outras pessoas.

Como os professores podem ajudar 

Os professores geralmente estão na linha de frente quando o bullying ocorre durante o dia escolar. Existem alguns passos que você pode tomar se você for um professor para ajudar uma criança autista a evitar ser intimidada ou escapar de uma situação de intimidação.

  • Sempre siga os procedimentos da escola para relatar e abordar o comportamento de bullying.
  • Incentive o aluno vítima de bullying a falar sobre o que aconteceu. Isso ajuda o aluno a saber que você acredita nele e está preocupado.
  • Se o aluno não puder verbalizar o que aconteceu, use métodos de escrita, registro no diário ou desenho.
  • Tranquilize o aluno que relatar a situação não é uma “fofoca” de outro aluno.

Todas as estratégias mencionadas aqui têm um objetivo comum: fortalecer a autoconfiança e a autoestima de seu filho.

Porque somente quando ele se sente forte e autoconfiante por dentro ele pode mostrar essa força para o mundo exterior. O melhor curso de autodefesa ou prevenção é inútil se seu filho permanecer ansioso e inseguro por dentro.

Portanto, tudo o que fortalece seu filho internamente também é a melhor proteção contra o bullying.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Então deixe aqui nos comentários!

Referências

VALLEJO AYUSO, Cristina et al. Bullying en las personas con trastorno del espectro autista. Programa de intervención. 2021. Disponível em <https://uvadoc.uva.es/handle/10324/49133> Acesso em 27 out. 2021.

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *