Voltar

Autismo Infantil: proposições que visam minimizar impactos do transtorno

Os impactos do autismo infantil atingem não só as crianças afetadas pelo transtorno, mas o ambiente familiar e escolar. Entenda como minimizá-los.

O autismo é um transtorno cujas características causam comprometimentos nas habilidades sociais, de comunicação e nos comportamentos das pessoas por ele acometidas. A dificuldade de se relacionar e de comunicação, o pouco contato visual e comportamentos estereotipados e às vezes agressivo, causam impacto no ambiente familiar e escolar.

Existem diferentes graus de gravidade dos sintomas no espectro, podendo atingir a aprendizagem e o relacionamento com os outros. Tudo isso pode gerar um stress familiar, principalmente nos pais, que se sentem sobrecarregados com todos os cuidados que uma criança com autismo demanda.

Segundo pesquisas, as mães são as mais sobrecarregadas por acompanharem seus filhos mais diretamente. Como passam a maior parte com as crianças, sua vida social e profissional podem ficar comprometidas. Pensando nisso, neste texto vamos falar sobre como minimizar os impactos do autismo.

O autismo infantil

O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que pode ser leve, moderado ou severo. A dificuldade na comunicação e na interação social são suas principais características. Dessa forma, o convívio com as pessoas pode ser particularmente difícil, também devido aos comportamentos repetitivos e estereotipados.

Os primeiros sinais de autismo podem ser percebidos ainda nos dois primeiros anos de vida. Muitos pais relatam que observam manifestações precoces do transtorno em seus filhos, como pouco contato visual, falta de interesse por brinquedos e em partilhar objetos, pouca tolerância ao contato físico, distúrbios alimentares ou de sono, comportamentos estereotipados, atrasos na linguagem, entre outros.

Todos esses sintomas presentes no autismo, interferem no ambiente familiar e escolar da criança, o que pode se agravar pelo desconhecimento sobre o transtorno, suas características principais e como lidar com elas.

Impactos do autismo

Muito falamos sobre os impactos do autismo no desenvolvimento infantil e pouco se fala sobre os impactos na família e na escola. Em primeiro lugar, precisamos considerar que a presença do transtorno em uma família gera mudanças na rotina e na vida dos pais e irmãos. 

Isso porque os pais muitas vezes ficam sobrecarregados com tarefas, cuidados e preocupações que podem gerar estresse emocional. Sintomas físicos e psicológicos podem surgir nessas situações, como ansiedade, tensão, insônia, pânico, angústia, dificuldades na interação social, depressão, entre outros.

Dessa forma, é essencial criar estratégias que visam minimizar os impactos do autismo.

Como minimizar os impactos do autismo

Sabemos que não existe uma receita pronta para resolver os problemas gerados pelo impacto do autismo. No entanto, o diagnóstico precoce é o primeiro passo, pois a chance do tratamento ser mais eficaz é muito maior. Isso significa preparar a criança para o convívio social e desenvolver habilidades fundamentais para o seu desenvolvimento.

Segundo pesquisas e relatos de pais de crianças com autismo, elas apresentam melhoras significativas quando recebem tratamento precoce. Da mesma forma, os pais podem se informar melhor e se preparar para lidar com o desafio que se apresenta, quando há uma identificação precoce do transtorno.

Os pais precisam conhecer as possibilidades e limites de seus filhos com autismo, por isso o contato com outros pais que vivem a mesma experiência é fundamental para minimizar os impactos do autismo. 

A psicoterapia é indicada para as crianças com TEA, mas também para seus pais, que podem receber treinamento de pais focado no ensinamento de respostas de motivação para situações de interação com seu filhos. Dessa forma, os pais tornam-se capazes de interagir melhor com a criança com autismo, o que torna o dia a dia familiar menos estressante.

Outra forma de minimizar os impactos do autismo é o uso de medicamentos em crianças com o transtorno. Em muitos casos, eles proporcionam grande melhora nos aspectos motores e nos comportamentos, podem ajudar na comunicação e, consequentemente, melhoram as interações sociais.

Nesses casos, o tratamento para a criança com autismo melhora o desenvolvimento dela e reflete de forma positiva em suas relações familiares e escolares.

O suporte deve ser para as crianças com autismo e também para seus pais e irmãos, pois assim evita-se o estresse e desgaste desnecessários. Da mesma forma, a ajuda de outros profissionais que atendam a criança, como terapeutas ocupacionais, psicopedagogas e fonoaudiólogas auxiliam na redução de sintomas, o que causa um impacto positivo em suas relações.

Podemos concluir que a identificação precoce do autismo é o que vai minimizar os impactos do transtorno. Isso porque quanto antes ele for diagnosticado, mais cedo a criança recebe o tratamento adequado e as famílias se preparam para saber como lidar com o transtorno.

A partir disso, o suporte para os pais, o uso de medicamentos e o apoio dos profissionais envolvidos se tornam essenciais para minimizar os impactos do autismo. Portanto, quanto antes o transtorno for detectado, mais eficazes serão as estratégias e tratamentos.

Restou alguma dúvida? Deixe nos comentários.

Referências:

BOSA, Cleonice Alves. Autismo: intervenções psicoeducacionais. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2006, vol.28, suppl.1 [cited  2020-11-03], pp.s47-s53.

GAIA, Carlos. AUTISMO INFANTIL: PROPOSIÇÕES PARA MINIMIZAR IMPACTOS DO TRANSTORNO ENFRENTADO PELOS PAIS. Revista Margens Interdisciplinar, [S.l.], v. 8, n. 10, p. 319-330, maio 2016. ISSN 1982-5374.

Você também pode se interessar...

2 respostas em “Autismo Infantil: proposições que visam minimizar impactos do transtorno”

Puxa que legal esse artigo, a forma que vocês incluem a família e os cuidados são fundamentais. A probabilidade para desenvolvimento da criança é fundamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *