Voltar

Autocuidado e habilidades sociais no ABA

O autocuidado e as habilidades sociais no autismo precisam de atenção e estímulos adequados para se desenvolverem. Conheça o método ABA.

As crianças com autismo precisam desenvolver habilidades sociais e de auto cuidado para que possam alcançar mais autonomia. As limitações impostas pelo transtorno devem ser superadas para que as crianças possam melhorar suas relações, consigo, com o outro e com o meio ambiente.

O método ABA — Análise do Comportamento Aplicada — é uma área de conhecimento que parte da análise do comportamento para desenvolver pesquisas e aplicações. As habilidades sociais podem ser desenvolvidas no autismo a partir de tarefas e intervenções baseadas na ABA. Saiba mais, neste artigo.

O Método ABA

Como dissemos, ABA é um campo de investigação que promove pesquisas e aplicações de acordo com a análise do comportamento. Terapeutas que embasam suas intervenções na ABA, têm resultados significativos no desenvolvimento de habilidades sociais e de autocuidado no autismo.

Isso porque, as estratégias visam ensinar comportamentos essenciais para a criança, por partes, respeitando o tempo de aprendizagem de cada etapa. As crianças com autismo se beneficiam dessa prática, pois precisam adquirir habilidades sociais e de autocuidado para aumentar sua independência.

Alguns exemplos comuns de habilidades de autocuidado que a abordagem ABA trabalha são: ir ao banheiro, lavar as mãos, escovar os dentes, fazer refeições, tomar banho, entre outras. 

Conheça algumas estratégias de ensino essenciais que terapeutas e pais podem implementar para trabalhar o autocuidado e as habilidades sociais no autismo.

Estratégias para desenvolver habilidades sociais e autocuidado no autismo

Avalie as habilidades prévias

Antes de esperar que a criança escove os dentes ou faça uma refeição sozinha, é importante avaliar se ela possui habilidades anteriores. Por exemplo, se consegue segurar uma escova de dentes ou se sabe onde encontrar alimentos na cozinha para fazer uma refeição. Caso contrário, é preciso trabalhar essas habilidades primeiro. 

Desenvolva habilidades fundamentais

Se a criança com autismo ainda não desenvolveu algumas habilidades prévias, isso não significa que ela não será capaz de completar uma tarefa de autocuidado com independência. 

No entanto, antes de começar a trabalhar essas habilidades, primeiro é preciso fortalecer os déficits. O aprendizado de habilidades básicas prepara a criança para a próxima etapa. 

Divida as tarefas em etapas menores

Tomar um banho, por mais que pareça uma tarefa simples, requer alguns conhecimentos prévios! A criança precisa saber abrir o chuveiro e colocá-lo em uma temperatura confortável, saber a diferença entre xampu e condicionador, quanto sabonete usar, etc. 

As crianças com autismo precisam de instruções claras e explícitas sobre o que se espera delas. Dessa forma, as tarefas de autocuidado que requerem várias etapas precisam ser divididas e apresentadas de forma direta. 

É importante dar um passo por vez e quando a criança concluir uma etapa, passar para a próxima, até que ela consiga dar todos os passos com independência. 

Comemore suas conquistas

Comemorar cada pequena vitória ao longo do caminho motiva a criança a dar o próximo passo na conquista de habilidades sociais e de autocuidado. As crianças precisam se sentir motivadas para aprender e o incentivo de pais e professores é fundamental.

Os incentivos são uma ótima maneira de motivá-la a querer concluir as tarefas de forma independente. Eles podem ser simbólicos, como ganhar adesivos ou pequenos agrados, acompanhados de elogios e entusiasmo! 

Use suporte visual

Os recursos visuais são muito úteis para mostrar para as crianças com autismo as etapas necessárias para concluir uma tarefa de autocuidado. Ajudam a promover a independência, pois ela não precisa de um adulto que a oriente em cada passo e serve como um estímulo. 

O suporte visual deve ser usado de acordo com a idade da criança e com o seu nível de habilidade de comunicação. Se ela sabe ler, pode ser uma programação escrita, uma lista de tarefas. Se não, horários com fotos são uma ótima opção. 

À medida que a criança com autismo aprende as habilidades sociais e de autocuidado, as intervenções se modificam e passam a exigir menos recursos visuais e apoio dos adultos. O método ABA é eficaz para a aprendizagem dessas habilidades tão essenciais, por isso tão utilizado por profissionais que trabalham com crianças com TEA.

Espero que este artigo tenha te ajudado a conhecer um pouco melhor esse campo de conhecimento e a aprender a aplicá-lo no dia a dia, seja com seu filho ou aluno. Se você gostou, compartilhe este texto em suas redes e ajude outras pessoas!

Referências:

FERNADES, Fernanda Dreux Miranda e Cibelle Albuquerque de la Higuera Amato. Análise de Comportamento Aplicada e Distúrbios do Espectro do Autismo: revisão de literatura. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/codas/v25n3/16.pdf

CAMARGO, Síglia Pimentel Höher, Mandy Rispoli. Análise do comportamento aplicada como intervenção para o autismo: definição, características e pressupostos filosóficos. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/index.php/educacaoespecial/article/view/9694

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *