Voltar

Como flexibilizar a aprendizagem durante a quarentena

É um desafio para os professores o ensino online, uma vez que foram pegos de surpresa pela pandemia e têm que elaborar um planejamento pedagógico atrativo e ao mesmo tempo eficaz para seus alunos. A flexibilidade na aprendizagem sempre foi importante, principalmente agora.

As atividades colaborativas, alinhadas aos interesses dos alunos e que podem ser compartilhadas são a melhor opção para flexibilizar a aprendizagem na quarentena. Os professores têm a oportunidade de criar formas e estratégias de ensino que sejam significativas para os alunos.

A flexibilidade na quarentena é importante, pois os recursos estão limitados e é preciso acompanhar o desenvolvimento das crianças. Dessa forma, criar uma comunidade, considerar o interesse dos alunos e encontrar vias de estimular a interação e o compartilhamento dos resultados, são estratégias fundamentais na quarentena.

Estratégias para flexibilidade na aprendizagem na quarentena

As práticas pedagógicas requerem estratégias flexíveis, mesmo no ensino presencial. No entanto, passamos por um momento único, onde elas se tornam ainda mais importantes. Confira algumas estratégias para flexibilizar a aprendizagem na quarentena.

Construa uma comunidade online

O distanciamento social privou as crianças do convívio com os colegas, tão importante para o aprendizado. Dessa forma, os professores podem resgatar esse laço no ensino à distância. Para isso, é importante criar uma rotina que prioriza a autonomia nos estudos e a conexão entre os alunos nos encontros online.

As interações online ajudam a criar a comunidade e as aulas podem começar com esses encontros, com dinâmicas e jogos que envolvam os alunos. O professor pode, por exemplo, pedir a cada criança que compartilhe algo importante do seu dia ou mostrar aos colegas um trabalho que tenha realizado.

Priorize as atividades em grupo

Ainda que as tarefas individuais tenham seu valor, no ensino à distância o trabalho em grupo deve ser priorizado. Os professores podem oferecer atividades onde os alunos precisem interagir e complementar o que foi feito pelo colega.

Os projetos em grupo e colaborativos ajudam as crianças a se manterem motivadas para a aprendizagem. Os colegas podem se reunir para um projeto em comum, como criar um vídeo sobre um determinado tema que estejam estudando, por exemplo.

Considere o interesse dos alunos

Ao elaborar as tarefas pedagógicas, considere o interesse e as habilidades dos seus alunos. As crianças se engajam mais e aprendem melhor quando encontram sentido e motivação no que fazem.

A abordagem centrada no aluno é muito importante no ensino à distância, por isso é importante que os professores consigam atrair seu interesse nas atividades propostas. Quanto mais considerar as curiosidades das crianças em seu planejamento, melhor será o aprendizado.

Crie oportunidades de compartilhamento

Compartilhar tarefas é importante, mas também a aprendizagem. Para manter os alunos motivados a participar das atividades, é preciso que eles sintam que seu trabalho tem valor. Por isso, os professores precisam criar oportunidades onde eles possam compartilhar seus aprendizados com os colegas.

Isso pode ser feito nas aulas online, onde os alunos mostram aos colegas os seus trabalhos, enquanto os professores compartilham as imagens nas videoconferências. No entanto, os alunos podem fazer apresentações em casa, para a sua família e depois compartilhar a experiência com os colegas.

Avalie os estratégias adotadas

Avaliar o desenvolvimento do aluno faz parte do processo de ensino aprendizagem, mas avaliar as estratégias adotadas também é importante. Após adotar essas estratégias de flexibilidade da aprendizagem, como avaliar seus impactos?

Dependendo da idade dos alunos, os professores podem criar momentos de conversa ou questionários com perguntas sobre como os alunos se sentiram em relação às estratégias adotadas. Outro índice avaliativo e a participação deles, nas atividades propostas.

Pergunte aos seus alunos o que foi mais importante para eles durante esse processo, pois assim poderá avaliar o que fez sentido. Dessa forma, poderá entender o que precisa ser revisto e o que pode ser aprofundado em relação às estratégias adotadas.

O mais importante é encontrar as atividades e estratégias que sejam significativas para seus alunos, ou seja, que levem ao aprendizado. A flexibilidade na aprendizagem na quarentena é fundamental para manter os alunos motivados a aprender e participativos nas aulas à distância.

Vale lembrar, que todas essas ações só serão possíveis se os professores contarem com o apoio das escolas, com equipamentos e ferramentas que favoreçam a aprendizagem. Da mesma forma, o envolvimento com a família é essencial para manter a criança motivada e engajada nas tarefas escolares.

Se você tem mais dicas e orientações para flexibilizar a aprendizagem na quarentena deixe nos comentários e contribua com a discussão!

Referências:

PESSOA, Teresa, Fernanda Nogueira. Flexibilidade cognitiva nas vivências e práticas educativas — e-book para a formação de professores. Disponível em:http://books.scielo.org/id/jc8w4/pdf/nascimento-9788523208721-06.pdf 

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *