Voltar

Como incluir o aluno com autismo nas aulas on-line?

A pandemia do coronavírus trouxe muitas mudanças na vida de todos nós e tivemos que nos adaptar com um “novo normal” temporário. Com as aulas presenciais suspensas, as crianças estão fazendo suas aulas on-line, o que gera desafios novos, principalmente para o aluno com autismo.

Não só as crianças enfrentam novos desafios para se adaptarem às aulas online, mas também os pais e professores. Dentre eles, surge uma importante questão: como incluir o aluno com autismo nessa nova realidade? Assim como na aula presencial, é preciso focar no apoio individualizado e usar recursos que facilitam a transmissão do conhecimento e a aprendizagem dos alunos com TEA.

As aulas em casa trazem mudanças significativas para toda a família, por isso é importante contar com o apoio dos professores e profissionais especializados para entender qual a melhor maneira de incluir o aluno com autismo nas aulas online. Neste artigo, vamos fornecer algumas orientações importantes para ajudar pais e professores com essa importante questão. 

Como incluir o aluno com autismo nas aulas online

Explique a situação

Em primeiro lugar, é muito importante explicar para a criança com autismo o porquê dessa transição para o aprendizado on-line. Converse com aluno sobre a necessidade desse novo formato e ajude-o a compreender que se trata de uma situação temporária, estando atenta aos sentimentos que ele possa manifestar. 

Evite criar expectativas 

Alguns alunos com autismo podem ter dificuldade com as aulas online, podem sentir falta dos amigos, dos professores e da antiga rotina. No entanto, pode ser que outros se adaptem muito bem, já que estudar pela tela do computador remove muitas pressões sociais que podem ser perturbadoras para a criança com autismo.

Crie uma rotina

Nas aulas presenciais, é comum que os professores construam uma rotina e uma programação consistente e previsível. O mesmo deve ocorrer com as aulas online, pois os alunos com autismo se sentem mais confortáveis ​​quando podem antecipar o que vai acontecer a seguir. 

É importante definir a hora do início do dia escolar, dos intervalos e do fim das atividades. Os pais podem conversar com os professores para que essa rotina fique clara para todos. Para ajudar a criança com autismo é interessante fazer uma programação visual ou escrita no local dos estudos em casa. 

Envolva toda a família

As aulas on-line afetam a rotina de toda a família, não apenas a da criança com autismo. Os irmãos também estão aprendendo remotamente, os pais podem estar trabalhando em casa ou podem ter menos tempo para lidar com as tarefas dos filhos. Uma abordagem centrada na família pode ajudar a todos a gerenciar melhor as programações e expectativas das aulas on-line.

Discuta as necessidades de todos e trabalhe em conjunto para definir limites e prazos para criar a melhor situação possível em casa. Isso pode incluir tempos de estudo, de trabalho, intervalos mutuamente acordados, horários de lazer e responsabilidades domésticas redistribuídas.

Adaptação dos suportes

Muitos dos apoios que a criança com autismo recebia podem estar suspensos, como o auxílio de um professor auxiliar na classe, que permitia ao professor dar mais atenção a ele quando necessário.

Os professores devem estar atentos a isso e realizar modificações no plano de estudo individualizado para o aluno com autismo. Sempre que possível, é bom que eles se reúnam com os pais e profissionais que atendam a criança para revisar as metas e estratégias utilizadas.

Faça um planejamento diário

Os professores devem criar um planejamento diário com tarefas e atividades para seus alunos. Para facilitar a compreensão do que deve ser feito, eles podem usar recursos visuais ou auditivos, como música e imagens que transmitam a mensagem que querem passar de forma clara e objetiva.

Insira momentos de relaxamento na rotina

É muito importante criar espaços entre as atividades para que os alunos possam descansar e relaxar. Existem várias formas de fazer isso, desde pequenos intervalos até atividades calmantes que envolvam respiração e relaxamento, vai depender do perfil de cada professor.

Atividades sensoriais

As atividades sensoriais trabalham habilidades motoras, perceptivas e são muito importantes para o aluno com autismo. É importante incluí-las no planejamento diário, proporcionando ao aluno se movimentar e desenvolver a percepção sensorial.

Atividades artísticas

As atividades artísticas favorecem a auto exploração, a criatividade e a expressão. Elas são um canal alternativo de comunicação e desempenham um papel valioso nas interações sociais, principalmente para as crianças com autismo, com dificuldades na linguagem e na comunicação verbal e não verbal.

Além disso, as atividades artísticas permitem que o aluno exerça a sua criatividade e trabalhe suas habilidades motoras finas. A música também é importante e pode ser incluída em exercícios de ritmo, com palmas e usando materiais reciclados para fazer instrumentos, por exemplo. 

Atividades de culinária

Este período em casa nos permite ter mais tempo para realizar atividades domésticas, como cozinhar, por exemplo. Uma ótima dica de tarefa em grupo é fazer uma receita com toda a turma. Cada um em sua casa, é claro, mas com momentos onde as experiências possam ser compartilhadas, assim como os resultados finais.

Aproveite os interesses dos alunos

As crianças com autismo podem ter interesses restritos e os professores podem incluí-los no planejamento das atividades, o que despertará o seu interesse pela tarefa e, consequentemente, potencializa sua aprendizagem. 

Se você tem mais dicas sobre como incluir o aluno com autismo nas aulas on-line, deixe nos comentários e contribua com a discussão!

Referências:

CAMARGO, SÍGLIA PIMENTEL HÖHER et al. DESAFIOS NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM AUTISMO NO CONTEXTO INCLUSIVO: DIRETRIZES PARA FORMAÇÃO CONTINUADA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES. Educ. rev. [online]. 2020, vol.36 [cited  2020-11-26], e214220.

Epub July 10, 2020. ISSN 1982-6621.  http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698214220.BARBERINI, Karize Younes. A escolarização do autista no ensino regular e as práticas pedagógicas. Cad. Pós-Grad. Distúrb. Desenvolv. [online]. 2016, vol.16, n.1 [citado  2020-11-26], pp. 46-55 .

Você também pode se interessar...

3 respostas em “Como incluir o aluno com autismo nas aulas on-line?”

Meu neto detestou , só quer fazer atividades escritas , aí pegamos impressas na escola .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *