Voltar

Como preparar crianças com Autismo para ler e escrever

A leitura e escrita no autismo é algo possível, embora muitos pais e mães acreditem que tal possibilidade seja distante da vida de seus filhos. É preciso reiterar que quanto antes a criança ser submetida a intervenções, maiores serão as chances de o pequeno conseguir desempenhar essa habilidade.
Interessante salientar que saber ler e escrever nos permite muita coisa, entre elas aprimorar o conhecimento. No caso de pessoas que vivem com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), vale lembrar que isso é possibilitado por meio de tratamentos que visam ao aprendizado de competências que farão toda a diferença na vida do indivíduo.
Sendo assim, podemos presenciar essas pessoas em diferentes ambientes, seja na escola, na universidade e em postos profissionais que demandam talento e prestígio. Sim, isso é possível. Mas para que tal situação ocorra, relembrem a seguir quais são os tratamentos mais usados a fim de proporcionar tal progresso.

Alfabetização: um estímulo mais que necessário

Vocês sabiam que é possível estimular a alfabetização no TEA? Esse aspecto é importante para a leitura e escrita no autismo. Por meio de técnicas, educadores possuem os parâmetros para possibilitar esse aprendizado. Vejam como a seguir
– Unindo as letras e formando palavras
Quando os educadores trabalham o som da letra, a criança com autismo passa a ter a percepção de unir as letras e formar as sílabas. Importante relembrar que o processo de alfabetização se torna mais simples e mais adequado. Além disso, alfabetizá-las passa também a ser algo mais efetivo para essas crianças, contribuindo para o aprendizado da leitura e da escrita no autismo.
– Utilizando o visual
Os professores podem trabalhar o aspecto da necessidade visual do aluno por meio de uma série de imagens enquanto eles ensinam o conteúdo. Vale ressaltar que tudo isso sem abrir mão de conduzir discussões e explicações. Confiram a situação abaixo, utilizada como exemplo.
Quando os alunos estão estudando sobre um filme, o professor pode fornecer às crianças com autismo (e talvez a toda a classe) uma linha de tempo dos eventos na história do filme. Essa tática ajuda não só no estabelecimento de um raciocínio, mas da comunicação oral também.

Metodologia fônica

Esse método visa a dar enfoque não só ao nome das letras, mas ao som que elas reproduzem também. Isso significa que os pedagogos que atuam junto a crianças com autismo ajudam a trabalhar a sonorização das letras, quando os pequenos estão em processo de alfabetização. Tal metodologia considera o fato de que o som é assimilado de maneira mais satisfatória no cérebro.

O funcionamento da metodologia fônica

As crianças com autismo precisam de um acompanhamento que seja efetivo no ensinamento da leitura e da escrita. Sendo assim, a metodologia fônica tem um papel fundamental no desenvolvimento de tais certas habilidades.
A técnica funciona da seguinte maneira: quando o professor vai apresentar o som das letras, peguemos como exemplo as vogais, o nome da letra já é o som que ela emite (a, e, i, o, u).
No caso das consoantes, precisamos fazer um pouco diferente e trabalhar não só o nome da letra, mas o som que ela faz. Por exemplo:
– Letra F
– Qual o som que ela faz? Mordemos levemente o lábio inferior e soltamos o ar entre os dentes (ffff…)
– Letra M
– Qual o som que ela faz? Juntamos o lábio superior e inferior, então soltamos a voz com a boca fechada (mmmm….)

Leitura e escrita no autismo: trabalho em equipe

Mais uma vez é preciso lembrar que o trabalho deve ser feito em equipe. Em se tratando de TEA, a multidisciplinaridade é o que pode garantir resultados satisfatórios, pois cada profissional trabalha uma habilidade, uma necessidade; e são esses quesitos que podem proporcionar o progresso da criança e do adolescente.
 

 
 

Você também pode se interessar...

5 respostas em “Como preparar crianças com Autismo para ler e escrever”

As orientações, que são repassadas, por vocês torna a minha prática, psicopedagógica, mais eficiente e eficaz.
Grata!

Boa noite, usei o artigo como referência em meu trabalho de conclusão de curso, mas, minha orientadora cobrou a data do artigo, poderiam me passar?

Olá Gisele ,
vamos levar como sugestão , mas no momento não tem data , faça citação usando link conforme as normas da Abnt.

Olá,
tenho uma enteada com TEA e na escola tradicional ela não está conseguindo aprender a ler e escrever, o ritmo está muito lento, mesmo com estímulo em casa. Está no segundo ano. Estou aproveitando o período sem escola pra estudar de forma diferente com ela e os irmãos (tem mais dois de 9 e 12 anos), mas também não estou conseguindo muita evolução com ela. Li sobre alguns exercícios que vcs sugerem e gostaria de saber se tem mais alguma dica pra crianças com dificuldade em entender os sons das letras e a formação das sílabas (ela conhece todas as letras já há mais de dois anos, mas parece não relacionar os sons). Se tiverem alguma dica mais específica pro caso dela, agradeço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *