Voltar

Como são os efeitos da hiperatividade no TEA

O Transtorno do Espectro Autista, ou TEA, afeta as habilidades sociais, emocionais e a comunicação. Apesar de ter muitas semelhanças com o TDAH — Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade — são duas condições distintas, mas que podem coexistir.

Mais da metade das pessoas diagnosticadas com TEA também apresentam sinais de TDAH. Na verdade, essa é a condição coexistente mais comum em crianças com autismo. 

Por outro lado, algumas crianças com TDAH apresentam sintomas semelhantes aos do  TEA, como dificuldade nas habilidades sociais ou hipersensibilidade à texturas, por exemplo.

Saiba mais sobre essas duas condições — TDAH e TEA — e os efeitos dessa comorbidades, neste artigo.

Semelhanças entre TDAH e TEA 

Tanto o TDAH quanto o TEA são transtornos do neurodesenvolvimento que afetam o sistema nervoso central, responsável pelo movimento, linguagem, memória e habilidades sociais. 

Estudos mostram que as duas condições costumam coexistir, mas os pesquisadores ainda não descobriram por que isso ocorre.

Seja no TDAH ou no TEA, o desenvolvimento cognitivo é afetado de alguma forma, inclusive o funcionamento executivo, responsável pela tomada de decisões, controle de impulso, gerenciamento de tempo, foco e habilidades de organização. 

Na maioria das crianças com uma dessas duas condições, as habilidades sociais também são afetadas. 

Diferenças entre TDAH e TEA

Muitas crianças são diagnosticadas pela primeira vez com TDAH quando entram na escola, ainda na educação infantil. Isso acontece, pois o seu comportamento pode contrastar com o dos seus colegas de classe. 

Os sintomas mais comuns de TDAH são: inquietação, impulsividade, dificuldade em prestar atenção, por isso tornam-se mais evidentes quando entram na escola. Mas algumas crianças com TDAH podem apresentar outros sinais, como concentrar toda a atenção em um brinquedo, por exemplo, e não querer brincar com mais nada.

Em algumas crianças, os sinais de TEA são perceptíveis antes de completarem dois anos. Para outras, os sinais podem não ser claros até que atinjam a idade escolar e seus comportamentos também passem a destoar dos seus colegas.

As crianças com TEA geralmente evitam o contato visual e não parecem interessadas em brincar ou se envolver com outras crianças. Sua fala pode se desenvolver lentamente ou até mesmo não existir. As crianças com autismo costumam ser hipersensíveis a texturas de alimentos, ruídos e outros estímulos, assim como podem apresentar movimentos repetitivos.

Comportamentos específicos de TDAH e TEA

Geralmente, as crianças com TDAH apresentam dificuldade para se concentrar em uma tarefa na escola ou se distraem facilmente em suas atividades diárias. Também podem ter dificuldade em concluir uma tarefa antes de passar para outra e ficarem constantemente inquietas. 

No entanto, algumas crianças com TDAH podem ficar tão interessadas em uma atividade que se fixam nela. Embora focar possa ser positivo, elas podem ter dificuldade de desviar sua atenção para outras atividades quando são solicitadas a fazê-lo.

As crianças com TEA são mais propensas a ter esse super foco, tendo dificuldade de desviar sua atenção para a próxima tarefa. Podem ser inflexíveis em suas rotinas, apresentando baixa tolerância a mudanças, o que pode levá-las a fazer o mesmo caminho ou comer as mesmas coisas todos os dias. 

Muitas crianças com autismo são hiper ou hipo sensíveis à luz, ruído, toque, dor, cheiro ou sabor, levando-as a definir preferências alimentares com base na cor ou textura dos alimentos. Por outro lado, esse foco intenso pode se manifestar em grandes habilidades de memória, matemática, ciências, arte e música.

Efeitos da hiperatividade no autismo

A hiperatividade no autismo traz alguns efeitos importantes, principalmente no diagnóstico e nas intervenções. Isso porque os sintomas podem levar a um diagnóstico equivocado, assim como afetar o tratamento.

As intervenções ineficazes oriundas de um erro de diagnóstico prejudica o engajamento da criança nas terapias, assim como interfere na sua capacidade de atenção e concentração nas tarefas escolares.

Os efeitos da hiperatividade no TEA são mais perceptíveis na escola, já que a comorbidade afeta a capacidade de memorização, as habilidades de interação social e a capacidade de lidar com mudanças na rotina.

Dessa forma é muito importante um diagnóstico preciso para que se elabore estratégias de intervenção eficazes para cada criança. Pais, escola e uma equipe multidisciplinar precisam trabalhar juntos para minimizar os efeitos da hiperatividade no TEA.

Tratamento para hiperatividade no TEA

O melhor tratamento para a hiperatividade no TEA é com uma equipe multidisciplinar, composta por médico, terapeuta ocupacional, psicólogo, fonoaudiólogo, entre outros. O tratamento para o TDAH pode incluir medicamentos, embora as opções de medicamentos para o TEA ainda sejam limitadas.

As crianças com TEA respondem melhor a alternativas não medicamentosas, com terapias que trabalhem o desenvolvimento de suas habilidades, como terapia comportamental para ajudar a controlar os sintomas e a lidar com as tarefas da vida diária. 

De qualquer forma, é preciso analisar cada criança para entender suas dificuldades e necessidades específicas. O melhor tratamento sempre será aquele elaborado de acordo com as características de cada criança.

Se restou alguma dúvida, deixe nos comentários.

Referências:

PONDE, Milena Pereira; NOVAES, Camila Marinho  and  LOSAPIO, Mirella Fiuza. Frequency of symptoms of attention deficit and hyperactivity disorder in autistic children. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2010, vol.68, n.1 [cited  2021-02-15], pp.103-106.

NIKOLOV, Roumen; JONKER, Jacob  and  SCAHILL, Lawrence. Autismo: tratamentos psicofarmacológicos e áreas de interesse para desenvolvimentos futuros. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2006, vol.28, suppl.1 [cited  2021-02-15], pp.s39-s46.

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *