Voltar

Como trabalhar a consciência fonológica no autismo

A habilidade de perceber e reconhecer padrões do som dentro da própria fala, é uma das principais precursoras de um processo de alfabetização bem sucedido, principalmente para crianças dentro do Espectro Autista. Além de sua grande importância para a alfabetização, a estimulação da consciência fonológica no autismo pode ser feita dentro de casa com o auxílio dos pais e cuidadores.

É importante ressaltar a relevância de um olhar individualizado para cada criança, pois cada caso dentro do espectro pode conter um grau de comprometimento diferente, desde autistas não verbais até hiperléxicos (aqueles com obsessão por letras e números). Continue lendo para saber mais sobre a consciência fonológica no autismo!

O que é consciência fonológica? 

A Consciência Fonológica no Autismo é uma das habilidades que irão abrir caminho para o processo de alfabetização, permitindo que a criança consiga pensar e refletir ativamente sobre as estruturas de som da língua que irá aprender. 

Nos diferentes níveis da Consciência Fonológica, a criança consegue identificar, discriminar, lembrar e o mais importante: manipular diferentes sílabas, palavras e fonemas.

A estruturação desta habilidade permite que a criança consiga fazer a conexão entre sons e letras, garantindo um processo de alfabetização seguro, sólido e bem sucedido.

Trabalhar a Consciência Fonológica no autismo significa estimular a percepção sonora e linguística da criança por meio de atividades com rimas, aliterações, consciência de palavras, consciência silábica e consciência fonêmica.

Quais são as habilidades da Consciência Fonológica?

Para que o processo de desenvolvimento da Consciência Fonológica no autismo seja realizado de maneira contínua e consistente, é importante seguir a seguinte progressão de aprendizagem:

Rima: 

Para estimular a rima, escolha uma música ou historinha que a criança goste muito e leia em voz alta as palavras que aparecem, pedindo para que ela repita palavras que rimem com o que foi lido. Ex: “O que rima com PATO?” “SAPATO”. 

Aliteração: 

Esta é a capacidade de saber identificar sílabas iguais no início das palavras. Tente apresentar palavras que comecem com a mesma sílaba em meio a palavras com sílabas diferentes e peça para que a criança identifique as que têm o mesmo som. Ex: “Qual dessas palavras são parecidas? LEÃO, LEQUE, BOLO e LENHA?”. A criança deverá ser capaz de identificar que a primeira sílaba de “bolo” não é a mesma das outras.

Consciência de Palavras: 

Aqui, é importante que a criança consiga entender  e diferenciar as palavras dentro das frases. Diga uma frase qualquer como por exemplo: “Eu cheguei em casa” e pergunte à criança quantas palavras estão nessa frase.

Sílabas: 

Para exercitar a habilidade de reconhecimento das sílabas, escolha nomes de animais, por exemplo, e os repita em voz alta, batendo palmas e enfatizando as diferentes sílabas que compõem a palavra.

Consciência Fonêmica: 

No último estágio do desenvolvimento da Consciência Fonológica, é importante que a criança consiga categorizar, isolar, identificar e manipular os diferentes fonemas de sua língua para conseguirem formar palavras e praticarem satisfatoriamente suas habilidades de leitura e escrita.

Como trabalhar a Consciência Fonológica no Autismo?

Pesquisas comprovam que uma rotina constante de apenas 15 minutos por dia já é o suficiente para desenvolver um nível satisfatório de evolução dessa habilidade.

Com a criança autista, a combinação de alguns fatores faz-se necessária durante o período de estudos:

  1. Poucos estímulos: Evite escolher um material extenso, com muitas cores e cheio de imagens, isso pode sobrecarregar e estressar a criança. Também tenha preferência por um local calmo e silencioso para realizar as atividades.
  1. Estímulos bem direcionados: Faça o uso da instrução explícita e acompanhe ativamente todas as etapas da realização dos exercícios.
  1. Reforço positivo: Parabenize a criança sempre que ela realizar um acerto ou terminar uma atividade. Isso a deixará mais motivada e com mais interesse em continuar estudando.

Autistas não-verbais também podem ser estimulados por esses fatores por meio da verbalização repetida dos sons, sílabas e palavras aliada à instrução explícita do cuidador, pai, mãe ou professor.

Agora, entre brincar e explicar, qual é o método mais efetivo para estimular a Consciência Fonológica? Veja aqui embaixo o vídeo da Lu Brites sobre o assunto e deixe um comentário falando se este artigo te ajudou! 

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *