Voltar

Concepções Psicológicas na construção da Personalidade infantil

O desenvolvimento da criança é um processo complexo que depende de diversos fatores: físicos, ambientais, genéticos, entre outros. Neste artigo vamos falar sobre as principais concepções psicológicas na construção da personalidade infantil. 
A criança já nasce em uma rede de relações, a sua família. Desde o seu nascimento interage com as pessoas que a cuidam e a estimulam, pelo olhar, fala e afeto. As primeiras impressões do bebê — visuais, auditivas e sensoriais — vão moldando a sua maneira de interagir com o mundo.
A criança vai se desenvolvendo física e emocionalmente, em constante interação com o outro e com o ambiente que a cerca. Neste artigo, vamos citar os três principais autores da Psicologia do Desenvolvimento para compreender um pouco mais sobre a construção da personalidade infantil. São eles: Jean Piaget, Henry Wallon e Vygotsky.

Principais Teorias Psicológicas do Desenvolvimento da Personalidade Infantil 

Teoria do Desenvolvimento — Jean Piaget

Jean Piaget era biólogo, mas se especializou no estudo do desenvolvimento humano. A evolução do sujeito está ligada ao seu meio e o aspecto cognitivo se sobrepõe ao social e afetivo, em sua teoria. Segundo ele, a personalidade da criança se forma a partir das suas experiências no ambiente. 
O conhecimento se inicia na relação da criança com os objetos, ou seja, na interação homem-ambiente. Essa interação é o que leva a criança compreender a realidade e o mundo que a cerca e ir se adaptando a ele. A personalidade vai se moldando à medida que a criança discrimina estímulos e sensações e os organiza em uma estrutura.
Para Piaget, ao assimilar os estímulos auditivos, visuais e sensoriais do ambiente, a criança vai transformando tudo isso em conhecimento. A medida que ocorre essa acomodação, ela pode assimilar novos elementos e aprender habilidades, como falar, por exemplo.
Os esquemas que a criança vai construindo — afetivos e cognitivos — constroem sua personalidade e a sua capacidade de aprender. Segundo Piaget, os fatores responsáveis pelo desenvolvimento da personalidade infantil são:

  • maturação;
  • experiência física e lógico-matemática;
  • transmissão ou experiência social;
  • equilibração;
  • motivação;
  • interesses e valores;
  • valores e sentimentos.

Teoria do Desenvolvimento — Henry Wallon

Diferente de Piaget, Wallon via a criança como essencialmente emocional que, gradualmente, se desenvolve social e cognitivamente. Segundo ele, as relações com o outro é o aspecto mais relevante para o seu desenvolvimento. Nos primeiros três anos, a criança vive em um mundo simbólico, subjetivo, onde não diferencia si mesmo e o ambiente que a cerca.
Antes de falar, a criança se expressa e se comunica pela ação e interpretação do meio e vai construindo suas emoções. Esse processo ocorre nas interações com o outro e na imitação — forma como aprende a se expressar — e começa a se diferenciar, constituindo sua personalidade.
Como Piaget, Wallon propõe estágios de desenvolvimento, mas que não são lineares. Isso porque a criança se desenvolve com conflitos, internos e externos, com momentos de crise. Cada estágio vai estabelecendo uma possibilidade de interação com outro. No início o biológico é mais forte, depois o social. 
Para Wallon o social — cultura e linguagem — é fundamental para a formação da personalidade infantil. Os estágios de desenvolvimento propostos por Wallon são:

  • Impulsivo emocional: primeiro ano de vida, a criança interage pelo afeto.
  • Sensório motor: até os 3 anos. Relações cognitivas com o meio: investigação e exploração do mundo. 
  • Personalístico: 3 a 6 anos. A criança está voltada para si própria, sua tarefa é formar sua personalidade, construindo significado para a própria ação.
  • Categorial: 6 anos. Avanços na inteligência.

Teoria do Desenvolvimento — Vygotsky

Para Vygotsky, a criança estabelece a linguagem na interação com o outro, pois nasce inserida em um meio social. Sua teoria concebe o sujeito como interativo, que se desenvolve na interação com o outro. A formação de sua personalidade se dá através das relações sociais.
A criança se desenvolve pela linguagem e se constrói pela apropriação do mundo em que vive. Essa relação é mediada por instrumentos e signos. A criança usa objetos para interagir com o ambiente e as palavras, ou signos, são a forma como se comunica e interage com o outro.
A internalização das palavras faz com que a criança se aproprie da fala do outro e construa a sua própria. Os signos internalizados irão possibilitar a interação social e a comunicação. Da mesma forma, a criança vai aprendendo a usar instrumentos, objetos do cotidiano, para alcançar objetivos.
Para Vygotsky, a cultura é muito importante para o desenvolvimento da personalidade infantil, pois é ela que fornece à criança um ambiente estruturado e repleto de significados. A fala e o pensamento se unem pelo significado da palavra. Para ele, à medida que a criança se apropria da fala, ela se torna capaz de atuar sobre suas próprias ações.
Restou alguma dúvida sobre as concepções psicológicas na construção da personalidade infantil? Deixe nos comentários.
 
Referências:
MOTA, Márcia Elia da. Psicologia do desenvolvimento: uma perspectiva histórica. Temas psicol. [online]. 2005, vol.13, n.2 [citado  2020-05-21], pp. 105-111 .
BISSOLI. Michelle de Freitas. DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE DA CRIANÇA: O PAPEL DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM, Brasil. 

Você também pode se interessar...

4 respostas em “Concepções Psicológicas na construção da Personalidade infantil”

Tenho o prazer de ler algo destes autores, os quais para mim demonstram opiniões com um pouco divergente um do outro mas tem algumas definições que se assemelham , eu tenho muitos anos de sala de aula gosto muito de Piaget e Vygotsky, são os mais conhecidos embora tenho lido bastante conteúdo de Wallon. São três formidáveis pesquisadores, gostei muito do material.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *