Voltar

EMPATIA: O QUE NÃO FAZER COM CRIANÇAS AUTISTAS

Se você é ou não próximo de uma criança autista, é sempre bom saber quais comportamentos e condutas deve adotar. Saiba o que NÃO fazer com crianças autistas.

Apesar da maioria das vezes os pais de crianças com autismo tomarem condutas bem-intencionadas, existem algumas ações e comentários que não são benéficos para os infantes com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Algumas atitudes tomadas pelos pais ou até mesmo pelas pessoas próximas da criança podem desencadear problemas emocionais, mentais e de desenvolvimento. 

Ademais, a desinformação é o maior empecilho para que a criança com TEA se desenvolva da maneira mais saudável possível, pois as pessoas, que não compreendem suas particularidades ou desconhecem as questões sobre o autismo, acabam afetando negativamente a vida dela através de condutas equivocadas. Além disso, existem algumas intervenções que podem interferir no tratamento por divergirem da lógica terapêutica.

AUTISMO NÃO É DOENÇA

Primeiramente, é preciso ter em mente que o autismo não é uma doença, assim como nem sempre conseguimos identificar imediatamente as pessoas que são ou não são autistas. Dessa maneira, é importante salientar que tratar o autismo como doença pode ser uma ofensa para quem nasceu com TEA e também para seus familiares.

DICAS DO QUE NÃO FAZER COM CRIANÇAS AUTISTAS

– Não queira que a criança deixe de ser autista

É imprescindível que os pais saibam que o autismo não tem cura. Apesar de não ser uma doença, o autismo é um transtorno que apresenta alguns desafios que variam de pessoa para pessoa. Entretanto, o TEA possui um tratamento que visa a melhoria da qualidade de vida através da prática de hábitos positivos e da promoção do desenvolvimento da cognição infantil.

Logo, este tratamento traz vários benefícios para o infante, porém, ele não deixará de ser autista. Portanto, pressioná-lo só fará com que ele se sinta ameaçado, podendo, inclusive, causar estresse, medo, ansiedade e outros fatores que são negativos para o seu desenvolvimento.

– Evite rotinas estressantes e exageradas

As pessoas com TEA geralmente não possuem o mesmo limiar de tolerância em comparação com as que não são autistas. Além disso, em meio a tratamentos, intervenções terapêuticas e obrigações escolares, a rotina do pequeno tende a ficar estressante. Por esse motivo, os pais precisam compreender que seu filho é uma criança e precisa descansar, ter momentos de lazer e entretenimento, pois tudo isso está relacionado à saúde mental e bem-estar.

Portanto, organizar uma rotina bem estruturada e definida, que se adeque às necessidades biopsicossociais do infante, é de fundamental importância para evitar a sobrecarga emocional e sensorial, além de ser de grande valia para a saúde do indivíduo.

– Não desrespeite as sensibilidades da criança com TEA

É importante compreender as coisas que atingem o autista, uma vez que ele pode ser mais ou menos sensível a certas questões que outras pessoas normalmente não são. O autista pode apresentar hipersensibilidade ou hipossensibilidade a ruídos altos, luzes fortes, cheiros, sabores, texturas, dentre outros.

Além disso, quando for conversar ou explicar algo, evite usar ironias, expressões com duplo sentido e termos abstratos, pois muitos não entendem ou tendem a relacionar algumas expressões ou termos de forma literal. Sendo assim, opte por estabelecer um diálogo direto e objetivo.

– Não ignore o autismo

Comumente, o diagnóstico do autismo é muito impactante e assustador para os familiares, como também exige tempo para que as necessidades e demandas da criança sejam cumpridas. Entretanto, acima de tudo, o TEA não pode ser ignorado, o pequeno deve ter um acompanhamento realizado por profissionais capacitados a fim de solucionar ou diminuir os possíveis déficits.

Nesse sentido, familiares, escolas, professores e terapeutas devem estar alinhados e trabalhando em equipe com o objetivo de tratar os prejuízos causados ao infante, promovendo uma maior qualidade em sua rotina.

– Não deixe de se divertir com a criança

O autismo não faz com que seu filho deixe de ser criança, pelo contrário, ele também gosta de brincar e se divertir como qualquer outra. Dessa forma, é indispensável preencher o espaço de entretenimento e lazer na vida do pequeno: promova jogos, brincadeiras e momentos de diversão, estimule-o a participar dessas atividades de modo que elas sejam relaxantes. Essas ocasiões são grandes oportunidades para que você se aproxime do seu filho, saiba dos seus interesses e preferências.

Portanto, saber o que deve ou não ser feito com crianças autistas é de suma importância para que seja possível ofertar um ambiente saudável e agradável para elas, fazendo-as se sentirem seguras e confiantes.

Você também pode se interessar...

9 respostas em “EMPATIA: O QUE NÃO FAZER COM CRIANÇAS AUTISTAS”

.Muito obrigada por compartilhar tantos ensinamentos, Lu. Essas práticas nos ajudam e nos noteiam. Tanto a nós professores quanto aos pais e monitores que se relacionam conosco. Gratidão.

Olá Cleusa, tudo bem?

Legal, né? Fica ligada nas nossas redes sociais pra ver muito conteúdo útil e didático! 😉

Sol,
Equipe NeuroSaber 💙

Obrigada a equipe Neurosaber por compartilhar tantos conhecimentos que nos ajudam a lidar com as situações do dia a dia. E a empatia é essencial em qualquer ambiente . Principalmente para com as pessoas com transtornos do neuro desenvolvimento ou de aprendizagem. Gratidão

Olá Rosiane, tudo bem?

Legal, né? Fica ligada nas nossas redes sociais pra ver muito conteúdo útil e didático! 😉

Sol,
Equipe NeuroSaber 💙

Agradeço à equipe do NeuroSaber pelo conteúdo. São informações preciosas, bem claras, objetivas. Os artigos relacionados ao TEA estão me ajudando muito. Vou colocar as dicas em prática hoje mesmo, quando estiver na escola.

Olá Patricia, tudo bem?

Obrigada pelo carinho! Fica ligada nas nossas redes sociais pra ver muito conteúdo útil e didático! 😉

Sol,
Equipe NeuroSaber 💙

Agradeço à equipe do NeuroSaber pelo conteúdo. São informações preciosas, bem claras, objetivas. Os artigos relacionados ao TEA estão me ajudando muito. Vou colocar as dicas em prática hoje mesmo, quando estiver na escola. Bem como, continuar acompanhando o canal do Youtube.

E normal uma criança altista pegar as coisas e jogar?meu neto é deficiente visual e altista ele tem mania de pegar as cousas e jogar isso é consequência do TEA?

Olá Maria, tudo bem?

Sem avaliação não podemos dar uma orientação precisa sobre o caso. É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientação para uma intervenção. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e também em nosso blog que podem te ajudar em muitas questões.

Sol,
Equipe NeuroSaber 💙

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *