Voltar

Entenda a diferença entre TOD e transtorno de conduta

O Transtorno Opositivo Desafiador — TOD —  e o Transtorno de Conduta são classificados como Transtornos de Comportamento Disruptivo, cujas características são comportamentos desafiantes e desobedientes. Entenda a diferença entre eles, neste artigo.

Todas as crianças apresentam comportamentos desafiadores de vez em quando, especialmente com seus pais e familiares. No entanto, se esse comportamento se tornar repetitivo ou durar mais de seis meses, é preciso buscar ajuda profissional para avaliar o quadro.

O transtorno de conduta e o TOD são dois tipos diferentes de transtornos, ainda que com características em comum. Vale lembrar que ainda que existam muitas semelhanças entre os dois, são condições distintas. 

Transtorno Opositivo Desafiador

O DSM-V classifica o TOD como uma condição que envolve padrões comportamentais desafiadores, agitação, agressividade, desde que perdurem por pelo menos seis meses.

Além disso, para o diagnóstico de TOD, a criança deve apresentar pelo menos quatro dos oito sintomas listados nos critérios diagnósticos do DSM-V. 

Sinais e sintomas de TOD

Geralmente, os sintomas surgem antes dos oito anos. Embora as causas exatas do transtorno sejam desconhecidas, vários fatores podem influenciar, como predisposição genética, falta de estrutura em casa e danos cerebrais.

Os sinais e sintomas do TOD incluem:

  • perder a paciência com frequência;
  • agitação constante;
  • expressar raiva e ressentimento;
  • argumentar com qualquer pessoa com autoridade (adultos, professores, estranhos);
  • desafiar regras; 
  • desobediência;
  • comportamentos perturbadores; irritabilidade; agressividade;
  • colocar a culpa dos seus erros nos outros;
  • discutir com adultos frequentemente;
  • incomodar os outros deliberadamente;
  • ser cruel e vingativo.

Os sintomas do TOD costumam se manifestar na infância, mas podem aparecer na adolescência.

Diagnóstico de TOD

Para realizar o diagnóstico de TOD é preciso buscar a ajuda de um profissional de saúde para uma avaliação da saúde mental, física e emocional; da frequência dos comportamentos desafiadores e da interação social da criança.

Mesmo que a criança manifestar quatro dos oito sinais e sintomas descritos DSM-V, há critérios adicionais para fechar o diagnóstico de TOD, como:

  1. Crianças menores de cinco anos devem apresentar sinais e sintomas na maioria dos dias da semana durante seis meses.
  2. Crianças de cinco anos ou mais devem apresentar sintomas pelo menos uma vez por semana durante seis meses.
  3. O comportamento da criança deve ter um impacto negativo em sua própria vida ou nas interações sociais com a família, amigos, conhecidos e professores.
  4. Comportamentos desafiadores não atenderem aos critérios para outras condições de saúde mental.

Em alguns casos, o  TOD pode desencadear um transtorno de conduta, um quadro mais grave, com a presença de comportamentos como: violação da lei; destruição de propriedade e até crueldade com animais e pessoas.

Uma criança com diagnóstico de TOD que recebe a atenção e o tratamento adequado possivelmente não irá desenvolver o transtorno de conduta. 

Transtorno de conduta

O transtorno de conduta é definido como um padrão contínuo de agressividade com o outro e um comportamento intencional de quebra de regras. O DSM-V caracteriza um transtorno de conduta como uma condição em que uma criança viola intencionalmente as regras e os direitos de outras pessoas.

Sinais e sintomas do transtorno de conduta

A idade de início de um transtorno de conduta é por volta dos 11 anos, mas pode se desenvolver mais tarde, na adolescência. Os sintomas envolvem agressividade, violação de propriedade, roubos e mentiras, entre outros, como:

  • comportamentos agressivos, incluindo bullying ou táticas de intimidação;
  • brigas;
  • violência e crueldade com pessoas e animais.

Diagnóstico do transtorno de conduta

De acordo com o DSM-V, existem vários critérios adicionais para o diagnóstico de transtorno de conduta. Uma criança ou adolescente deve atender a pelo menos três dos 15 critérios em um período de um ano e ter um desses presente nos últimos seis meses para um diagnóstico preciso.

A gravidade de um transtorno de conduta varia de leve a grave. Os pais ou responsáveis pela criança devem observar suas emoções nos últimos meses; se demonstra sentir culpa pelo mau comportamento ou ações; se expressa empatia ou se fica chateada com seu mau desempenho na escola.

Diferenças e semelhanças entre TOD e transtorno de conduta

Existem semelhanças entre TOD e transtorno de conduta, que podem confundir pais e especialistas. A gravidade de cada transtorno varia muito, mas os sintomas podem ser semelhantes, como:

  • as crianças podem ser desafiadoras e não obedecer às regras;
  • ambos podem ocorrer com outras condições, como TDAH, transtornos de humor, ansiedade ou depressão;
  • ambos podem ser tratadas por profissionais especialistas;
  • ambos são provavelmente causadas por uma mistura de fatores genéticos, ambientais e psicológicos.

As principais diferenças entre o TOD e o transtorno de conduta têm a ver com o controle. O comportamento de uma criança diagnosticada com TOD diz de um incômodo com o se sentir controlado pelo outro, seja pela sociedade, pais ou professores. 

A diferença é que ainda que esse sentimento esteja presente no transtorno de conduta, nesse caso, a resposta da criança a isso será tentar controlar os outros, seja consciente ou inconscientemente.

Tratamento 

Existem muitos tratamentos eficazes para ambos os transtornos, como treinamento de pais, terapia individual e familiar.

É importante que os pais usem algumas estratégias para ajudar no tratamento dos filhos, como enfatizar e reforçar comportamentos positivos; praticar técnicas de relaxamento e respiração quando surgem conflitos; oferecer uma vida doméstica estruturada; reforçar as regras com consistência, além de perceber que nem todo problema vale a pena lutar.

Se restou alguma dúvida sobre a diferença entre TOD e transtorno de conduta, deixe nos comentários.

Referências:

BARLETTA, Janaína Bianca. Avaliação e intervenção psicoterapêutica nos transtornos disruptivos: algumas reflexões. Rev. bras.ter. cogn. [online]. 2011, vol.7, n.2 [citado  2021-06-01], pp. 25-31 .

Isabel AS Bordina e David R Offord. Transtorno da conduta e comportamento anti-social.

Você também pode se interessar...

7 respostas em “Entenda a diferença entre TOD e transtorno de conduta”

Gostaria de saber mais sobre como pais e professores devem manejar essas situações de convivência com crianças diagnosticadas. Como agir e lidar com essa criança para ajudá-la.

Olá! Se podesse dar dicas ou algum material para eu ler sobre TOD, pois tenho dois alunos na Inf. um de 3 e um de 4 anos, e muitas vezes não sei o que fazer nós momentos de oposições.
Obrigada

Olá sou Psicóloga, Psicopedagoga, Pedagoga e Palestrante. Sou aluna de vocês, amo e super indico os cursos da Neuro Saber. Gostaria de saber quais medicamentos podem ser ministrados a crianças com TOD.
Quando tiver curso presencial, venham para Cascavel. Adoraria conhecê-los.
Obrigada.

Lendo este artigo lembrei que tive um aluno do segundo ano com esse transtorno. Foi bem difícil naquela época para trabalhar com ele quando tinha as crises. Eu ainda não tinha terminado minha graduação e um dia por causa de um desentendimento no recreio com um aluno de outra turma, ele ficou descontrolado e foi bem difícil acalmá-lo. Este artigo é maravilhoso, eu sempre leio pois quando tem suspeita desse transtorno eu posso ajudar os colegas e pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *