Voltar

Ferramentas para alfabetização de crianças com TEA

A alfabetização no TEA é um desafio para pais e professores. No entanto, é possível criar estratégias e propor atividades que considerem as características do espectro. Saiba mais, neste artigo. 

É importante ressaltar que não existe uma metodologia específica para alfabetizar crianças com autismo. Os professores devem criar estratégias que envolvam toda a classe, ainda que algumas atividades possam ser adaptadas para o aluno com TEA.

As crianças com autismo não devem ser excluídas de experiências ricas e significativas de alfabetização, como ler e escrever histórias, clubes de livros, teatro, discussões em grupos, entre outras. 

Para fornecer oportunidades de alfabetização para todos os alunos, os professores precisam deixar de lado suposições sobre o espectro e ver todos os alunos como aprendizes. 

Veja, neste artigo, algumas ideias de ferramentas para alfabetização no TEA, dentro do ponto de vista inclusivo.

Ideias de atividades para alfabetização no TEA

As ideias de ferramentas para alfabetização no TEA propostas a seguir, podem ser um ponto de partida para a criação de aulas atraentes e desafiadoras para todos os alunos em uma sala de aula inclusiva. Confira!

Use recursos visuais

Embora os alunos com autismo possam se beneficiar da instrução verbal, o uso de recursos visuais ajuda na compreensão das atividades. Os professores podem usá-los ao transmitir um novo conteúdo, informar a rotina do dia e ao explicar o que os alunos devem fazer nas atividades propostas. 

As imagens não são a única forma de recurso visual, embora sejam muito eficazes para se comunicar com os alunos com autismo. A palavra escrita também pode ser usada como suporte visual. Por exemplo, quando o professor der uma instrução verbal, pode anotá-la no quadro, com letras grandes.

Muitos alunos com autismo compreendem melhor o texto escrito do que a fala.

Planeje as formas de instrução 

Ao planejar o conteúdo que será trabalhado em sala de aula, o professor deve pensar como vai dar as instruções para o aluno com autismo. É muito importante também buscar oportunidades no dia-a-dia que possam contribuir com o processo de alfabetização de seus alunos. 

Criar estratégias para que o aluno com autismo compreenda o que precisa fazer é mais eficaz do que criar atividades específicas para ele, distanciando-o da turma. É claro, que isso pode ser necessário em algum momento, mas é muito importante que a criança com autismo seja integrada nas atividades com a turma.

Leia em voz alta

A leitura faz parte do dia-a-dia na escola, principalmente no processo de alfabetização. Incluir alunos com autismo nesta atividade é promover a sua aprendizagem. Ler em voz alta, alternando o tom de voz e expressando as emoções dos personagens ajuda a criança com autismo a compreender o contexto.

Ler em voz alta para os alunos ajuda no processo de alfabetização e as crianças com autismo têm a oportunidade de aprender mais sobre linguagem e interação social. Isso porque elas têm dificuldade para decifrar emoções e compreender o contexto global.

Ofereça vários textos

Ter uma variedade de textos disponíveis e investigar quais os alunos com autismo mais se identificam, ajuda o professor a conhecer seus interesses. Por isso é importante oferecer diferentes formatos de textos — livros, jornais, revistas — que podem ficar disponíveis em sala de aula, em um canto da leitura, por exemplo.

Use jogos e brincadeiras

Nada melhor do que aprender brincando, não é mesmo? Existe uma variedade de jogos educativos que podem e devem ser usados no processo de alfabetização. Além de promover a interação social eles ajudam a criança com autismo a manter o foco e a atenção.

Promova a estimulação sensorial

Atividades que envolvem música, rimas são excelentes para desenvolver a consciência fonológica no processo de alfabetização. Da mesma forma, faça atividades com tintas e objetos reciclados, massinha, areia, entre outros materiais que podem ser usados para incentivar a escrita.

Considerar as dificuldades, mas também as habilidades dos alunos com autismo em sala de aula, é promover uma alfabetização inclusiva. Quando os professores conhecem as características comuns no espectro e conhecem seu aluno, fica muito mais fácil planejar atividades para alfabetização no TEA.

Dessa forma, as crianças com autismo têm a oportunidade de desenvolver suas habilidades, a partir de experiências de aprendizagem que atendam às suas necessidades.

Conhece mais dicas de ferramentas para alfabetização no TEA? Deixe nos comentários e contribua com a discussão!

Referências:

BARBERINI, Karize Younes. A escolarização do autista no ensino regular e as práticas pedagógicas. Cad. Pós-Grad. Distúrb. Desenvolv. [online]. 2016, vol.16, n.1 [citado  2020-08-19], pp. 46-55 . Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-03072016000100006&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1519-0307.

http://naescola.eduqa.me/wp-content/uploads/2015/09/atividade-autismo.pdf

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *