Voltar

Instrução explícita: a chave do sucesso no processo de alfabetização.

Evidências científicas no campo da educação indicam que o caminho percorrido com essa metodologia é o mais eficaz no ensino de leitura e escrita.

Quem busca realizar a alfabetização baseada nas evidências científicas atuais e na neurociência não pode deixar de lado a importância da instrução explícita na aplicação dos métodos adequados para que as crianças aprendam a ler e a escrever.

Para que as crianças atinjam os marcos de desenvolvimento necessários para a alfabetização plena, é preciso passar por alguns estágios de conhecimento, passando pela Consciência Fonológica, Princípio Alfabético, Decodificação e reconhecimento automático de palavras familiares. 

A instrução sistemática e explícita de cada passo é uma ferramenta que vai garantir a compreensão e domínio do aluno em relação ao que está sendo ensinado, de maneira que a cada etapa seja possível incluir novos conhecimentos sem perder o que já foi aprendido. Esse processo possibilita o avanço da criança em sua evolução acadêmica, na alfabetização primeiro, e depois em todas as outras áreas.

“O plano de instrução que é sistemático é cuidadosamente pensado, baseia-se no aprendizado anterior, é uma construção estratégica do simples ao complexo e é projetado antes do planejamento das atividades e aulas. A instrução abrange os cinco componentes: consciência fonêmica, fonética, fluência, vocabulário e compreensão.” (BRITES).

O ensino por meio da instrução explícita solicita do educador o preparo prévio das atividades e utilização de material multissensorial. 

Para auxiliar na compreensão de um projeto de instrução explícita, ela pode ser entendida conforme as seguintes etapas:

  1. Identificar um objetivo claro e específico.
  2. Dividir as informações em blocos.
  3. Fornecer um modelo com explicações claras.
  4. Verbalizar o processo de pensamento.
  5. Oferecer oportunidades para praticar.
  6. Dar retorno (feedback) aos alunos.

Melhores resultados na alfabetização

As evidências científicas no campo do neurodesenvolvimento e educação demonstram que a base dos programas atuais de alfabetização deve ser composta pelo desenvolvimento da consciência fonêmica e o domínio do princípio alfabético, já demonstrados por meio da ciência como fundamentais para o posterior domínio da leitura e da escrita. 

A maior parte dos estudantes irá se beneficiar da instrução explícita e sistemática. Essa metodologia oferece também às crianças com transtornos específicos de aprendizagem o desenvolvimento das informações e habilidades necessárias ao seu progresso.

Os autores do National Reading Panel, de 2000, compilaram um conjunto de competências e habilidades fundamentais para o processo de alfabetização, unindo os resultados de pesquisas realizadas em países diferentes, com crianças de culturas e classes sociais diversas. São eles:

• Consciência fonológica, ou seja, a habilidade de manipular sons, sílabas e palavras de maneira eficiente e autônoma;

• Familiaridade com textos impressos, incluindo a capacidade de identificar as partes de um livro, a direção da leitura (esquerda para direita, de cima para baixo), entre outras;

• Metalinguagem, sendo a consciência metafonológica um dos tipos de conhecimento metalingüístico;

• Consciência fonêmica, ou seja, conhecimento sobre um fonema e a capacidade de identificar, misturar, segmentar e manipular sons isolados em palavras. 

• Conhecimento do princípio alfabético;

• Decodificação, ou seja, o processo de converter seqüências de letras em sons, com base no conhecimento da correspondência grafemas-fonemas;

• Fluência na leitura;

• Vocabulário – conhecer e compreender o significado das palavras.

No contexto da alfabetização, a instrução fônica explícita e sistemática ajuda as crianças a aprender as relações entre as letras da linguagem escrita e os sons da linguagem falada. Elas também aprendem as relações permanentes entre sons e letras e como aplicar essa relação a novas palavras, desenvolvendo a fluência. 

“Uma instrução fônica eficaz deve ser explícita. O professor deve esclarecer sistematicamente os pontos-chave e os princípios a partir dos quais os alunos deverão aprender os padrões mais sutis e complexos de relação letra-som” (CAPOVILLA et al).

Assim, os profissionais de educação que utilizam a instrução explícita (instruções precisas para ensinar relações entre letras e sons) e sistemática (a relação letra-som é ensinada em uma sequência organizada e lógica) favorecem a aprendizagem dos alunos e tendem a obter melhores resultados.

REFERÊNCIAS:

BRITES, Luciana: Jornada da Alfabetização, aula 3. Disponível em: https://proleia.com/wp-content/uploads/2022/03/Jornada-Alfabetizacao-Aula-3-1.pdf

CAPOVILLA, Fernando; et al. GRUPO DE TRABALHO – ALFABETIZAÇÃO INFANTIL: OS NOVOS CAMINHOS – RELATÓRIO FINAL. 2003 Relatório apresentado no Seminário O Poder Legislativo e a Alfabetização Infantil: os Novos Caminhos, realizado em 15 de setembro de 2003. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/images/pdf/alfabetizacao_infanti_novos_caminhos_gastao_vieira.pdf

Você também pode se interessar...

1 resposta em “Instrução explícita: a chave do sucesso no processo de alfabetização.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *