Voltar

Meu filho tem TOD. E agora?

Quando você pensa “meu filho tem TOD”, a pergunta que paira depois é: e agora? Isso é normal! E mais comum do que você pode imaginar.

A partir daí começa a busca por respostas e por profissionais que possam ajudar na determinada questão. Nesse artigo traremos algumas respostas sobre o que fazer quando a frase “meu filho tem TOD” surge. Além disso, vamos falar sobre a importância do tratamento.

Meu filho tem TOD, mas o que é isso?

TOD se trata de um transtorno opositivo-desafiador, que basicamente faz com que a criança tenha comportamentos como:

  • Agressividade;
  • Não saber lidar com ordens e regras;
  • Desobediência;
  • Agitação.

Esses são somente alguns exemplos de sintomas causados pelo transtorno. Entenda melhor o que é o TOD com nosso artigo: Entenda o que é o
Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD)
.

A partir disso, quando entendemos as consequências geradas a essa criança, entendemos também a necessidade de um tratamento adequado e efetivo.

O tratamento necessário para TOD

Quando você pensa “meu filho tem TOD”, automaticamente deve se lembrar que há tratamento!

O tratamento para o TOD se baseia em trabalhar e desenvolver os comportamentos adequados, para que assim a criança consiga ter uma vida social, familiar e escolar mais tranquila.

Assim, o primeiro passo deve ser a procura de um neurologista ou psiquiatra infantil, para que seja realizado um diagnóstico preciso. Dessa maneira, será possível entender qual o nível do transtorno e quais medidas tomar.

Em segundo lugar, o tratamento se dá através de medicação e abordagens que dão um direcionamento para o controle de comportamentos inadequados. Ou seja, tanto a criança quanto os pais recebem auxílio. Dessa forma, a questão do “meu filho tem TOD, e agora” começa a ser sanada.

Meu filho tem TOD, devo usar medicação?

O uso de medicação no TOD se torna indispensável em alguns casos. Principalmente se a criança tiver outros tipos de transtorno.

O uso desses medicamentos deve ser contínuo e com um acompanhamento médico. Assim, chegará a um controle das alterações repentinas de humor e ajudará no desenvolvimento educacional.

Controle de comportamento

Como já foi citada, a questão educacional afeta consideravelmente a criança portadora de TOD. Não só pela questão dos conteúdos, mas também pela interação social com professores e colegas.

Crianças com TOD tem grandes dificuldades de interagir por conta da irritabilidade e agressividade. Portanto, para aqueles pais que se deparam com a questão “meu filho tem TOD”, recomenda-se que procurem a escola e comunique sobre o diagnóstico. Dessa maneira, juntos, podem procurar uma
melhor saída para o dia a dia escolar dessa criança.

Família e o TOD

“Meu filho tem TOD, mas vai conseguir conviver normalmente com a família?”. Essa é uma pergunta frequente. Assim, outro ponto importante no tratamento é o acompanhamento familiar.

Através de sessões de psicoterapia os pais receberam um treinamento para que saibam lidar com os sintomas. Isso porque se tratam de um grande espelho para os filhos.

Terapias familiares nesses momentos são de extrema importância. Apesar de o foco ser dado a criança, os adultos que o acompanham devem estar bem
preparados e tranquilos para ajudar no desenvolvimento.

Procure bons profissionais

O TOD afeta não só a criança, mas também a todos aqueles do seu convívio. Por isso não hesite em realizar um acompanhamento com bons profissionais que os ouçam e auxiliem da melhor maneira. A interação entre profissional e família deve estar com os propósitos alinhados.

Com isso compreendemos a necessidade da paciência, respeito e carinho. Além disso, com o conjunto de reforço positivos, bons exemplos, diálogo e um acompanhamento profissional, a criança conseguirá viver de uma forma mais leve e tranquila


Referências:
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872011000200005

chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/viewer.html?pdfurl=https%3A%2F%2Fwww.avm.edu.br%2Fdocpdf%2Fmonografias_publicadas%2Fposdistancia%2F53309.pdf&clen=357861&chunk=true

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *