Voltar

O que é Transtorno do processamento sensorial no TEA?

O Transtorno de Processamento Sensorial descreve as dificuldades que as crianças enfrentam por não serem capazes de interpretar de forma eficaz as mensagens sensoriais que recebem do seu corpo e do ambiente. 

Isso acontece porque algumas entradas sensoriais podem ser opressoras ou não percebidas pelo cérebro. Neste artigo, vamos falar sobre o transtorno do processamento sensorial no TEA.

O que é Transtorno do Espectro Autista — TEA?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), ou autismo, é um distúrbio de desenvolvimento que afeta a forma como a pessoa se comunica e vivencia o mundo ao seu redor. Crianças com autismo terão dificuldades de comunicação e interação social, comportamentos restritos e repetitivos, assim como atividades ou interesses restritos. 

As diferenças nas respostas sensoriais no TEA foram incluídas na atualização de 2013 do DSM-V — Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Embora fosse conhecido antes disso que o TEA e os desafios de processamento sensorial ocorriam juntos, com frequência, esta é a primeira vez que foi formalmente reconhecido. 

O DSM-V afirma que os padrões de comportamento, atividades ou interesses podem ser devido a hiper, ou hipo reatividade à entrada sensorial, interesses incomuns em aspectos sensoriais do ambiente (indiferença aparente à dor / temperatura, resposta adversa a sons específicos ou texturas, cheirar ou tocar excessivamente em objetos, fascinação visual por luzes ou movimento). 

Isso significa que uma criança com Transtorno do Espectro Autista provavelmente processará informações sensoriais no ambiente de uma maneira diferente.

TEA e o Transtorno do processamento sensorial

Em uma pesquisa com adultos com autismo, 83% dos entrevistados disseram ter dificuldades com o processamento sensorial. Na mesma pesquisa, os entrevistados também listaram essas dificuldades de processamento sensorial como causas do aumento dos níveis de estresse. 

Em outros estudos, o percentual de crianças com TEA e problemas de processamento sensorial foi relatado entre 69% a 95%. Também ocorre com frequência suficiente para ser incluído como parte dos critérios de diagnóstico na atualização do DSM-V em 2013.

Dificuldades com o processamento sensorial podem afetar todas as partes da vida de uma criança ou adulto com autismo. Isso ocorre porque nossos corpos estão constantemente recebendo mensagens sensoriais.

Feche os olhos por um minuto e pense em todas as informações sensoriais que você está experimentando. Você ouve sons ou cheiros? Você pode sentir que está sentado? Seu corpo sabe se você está sentado ou deitado?

E quanto às micro sensações? Como é a sensação de suas roupas contra sua pele? Você consegue sentir as costuras de suas meias? Como o som do relógio ou o piscar de uma luz está afetando você?

Percebendo as micro sensações

Alguns de vocês podem nunca ter notado essas micro sensações antes, porque o cérebro os filtra. No entanto, para as pessoas com Transtorno do Espectro Autista essas micro sensações podem ser sentidas com maior intensidade, causando distração ou evasão. 

Com o tempo, se essas sensações se tornarem excessivas, podem levar a uma sobrecarga sensorial, resultar em um colapso ou mesmo desligamento. As crianças que sofrem esse colapso geralmente mostram sua sobrecarga sensorial de maneiras mais óbvias do que aqueles que se fecham. 

Durante um colapso, o comportamento de uma criança provavelmente será bastante intenso, como um acesso de raiva. No entanto, o gatilho para essa resposta é muita informação sensorial.

É importante também ficar atento ao desligamento, pois essas crianças podem ser esquecidas. Em geral, elas se fecham, podem se retrair, ficar quietas ou tentar se esconder. Muitas vezes esse comportamento não é considerado como importante pelos pais ou educadores.

Apesar de haver muita atenção sobre a sensibilidade sensorial no autismo, a pesquisa relata uma mistura de padrões sensoriais. Os resultados mostram que não há um padrão claro de respostas no autismo às informações sensoriais. Diferentes estudos forneceram resultados diferentes, mas a maioria descobriu que existe um perfil sensorial misto no autismo.

Isso nos faz lembrar como cada pessoa com autismo é um indivíduo único. Enquanto alguns são mais sensíveis, outros podem ser mais lentos para responder às entradas sensoriais ou buscar mais entradas sensoriais. Um achado comum em todos os estudos é a sensibilidade auditiva, aos sons e ao toque.

No geral, entretanto, a pesquisa não identifica um padrão específico de respostas. Cada criança ou adulto com autismo terá seu próprio perfil sensorial único e precisará de seus próprios suportes individualizados.

Restou alguma dúvida sobre o transtorno do processamento sensorial no TEA? Deixe nos comentários.

Referências:

POSAR, Annio  e  VISCONTI, Paola. Sensory abnormalities in children with autism spectrum disorder. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2018, vol.94, n.4 [citado  2020-12-16], pp.342-350.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3086654/

Você também pode se interessar...

3 respostas em “O que é Transtorno do processamento sensorial no TEA?”

Gostaria de saber mais sobre o transtorno do processamento sensorial no asperger e o aparecimento em outros transtornos como, por exemplo, no TAG (transtorno de ansiedade generalizada)?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *