Voltar

Quais orientações para lidar com a deficiência intelectual em casa?

Criar um filho com deficiência intelectual pode parecer uma tarefa árdua para os pais. No entanto, mesmo com muitos desafios, o mais importante é dar amor e as orientações necessárias. O primeiro passo é aprender a aceitá-lo como ele é. 

Com o apoio e preparação adequados, essa tarefa se torna menos difícil do que parece. Pensando nisso, escrevemos este artigo para fornecer orientações aos pais de crianças com deficiência intelectual. 

Aprenda como administrar comportamentos difíceis, lidar com seu estresse e viver uma vida longa e gratificante com seu filho!

Orientações para pais de crianças com deficiência intelectual

Compreenda a doença

Ao compreender o espectro da deficiência intelectual da criança, os pais sabem o que esperar e o que precisa ser feito para a educação e o futuro do seu filho.

Os pais de crianças com deficiência intelectual (DI) precisam lidar com o estresse diário de ver seus filhos tendo dificuldades até mesmo nas tarefas cotidianas. É uma condição que dura a vida toda, o que pode levar os pais a sentirem tristeza, ressentimento, decepção e frustração. 

É preciso cuidar para que esses sentimentos não levem à culpa, desesperança ou depressão. Apesar deles, é preciso lembrar do profundo amor e desejo de ver seu filho atingir seu potencial máximo e da esperança de que ele se torne independente.

O que é deficiência intelectual?

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) publicado pela American Psychiatric Association define DI como uma condição de desenvolvimento que começa na infância e é caracterizada por déficits significativos no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo.

O diagnóstico de DI deve ser realizado por um psiquiatra, pediatra ou psicólogo clínico, considerando três critérios principais:

  1. Déficits no funcionamento intelectual confirmados por avaliação clínica e testes de inteligência padronizados individualizados (por exemplo, raciocínio, resolução de problemas, planejamento, pensamento abstrato, julgamento, aprendizagem acadêmica e aprendizagem com a experiência).
  2. Déficits no funcionamento adaptativo (capacidade de navegar pelas demandas ou desafios da vida cotidiana de forma eficaz) que não é normal para a idade de desenvolvimento de uma criança.
  3. O início desses déficits durante a infância.

A DI não é um transtorno mental, ainda que exista o risco de haver um transtorno em comorbidade, como dificuldades de aprendizagem, paralisia cerebral, epilepsia, esquizofrenia, depressão e Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Causas e sintomas de Deficiência Intelectual

A deficiência intelectual pode ser causada por qualquer condição que prejudique o desenvolvimento do cérebro antes ou durante o nascimento, ou na infância. As causas mais comuns são:

  • Condições genéticas — síndrome de Down ou síndrome do X frágil.
  • Problemas de gravidez — uso de álcool ou drogas, desnutrição ou pré-eclâmpsia.
  • Problemas no parto — privação de oxigênio, parto prematuro ou baixo peso ao nascer.
  • Doença ou lesão — infecções como meningite, traumatismo craniano, exposição a substâncias tóxicas como chumbo e negligência ou abuso grave.

Os sinais de DI podem aparecer durante a infância ou não serem perceptíveis até a criança atingir a idade escolar. Os sintomas mais comuns incluem:

  • Desenvolvimento lento da linguagem.
  • Atraso para sentar, engatinhar ou andar.
  • Dificuldade na memória.
  • Incapacidade de conectar ações com consequências.
  • Problemas comportamentais, como acessos de raiva.
  • Dificuldade em resolver problemas ou pensamento lógico.

Como cuidar do seu filho com DI

Não existe cura para a DI, mas, como todos os pais, vocês podem orientar seus filhos e ensinar-lhes as habilidades e o conhecimento que eles precisam para viver com independência. Confira nossas orientações!

Esqueça o que os outros dizem

O estigma pode aumentar o sofrimento psicológico e reduzir a qualidade de vida do seu filho. Por isso, é importante incentivar a socialização da criança, apoiando-a e a capacitando para interagir socialmente.

Envolva-se ativamente

A família deve participar das decisões sobre quais as intervenções adequadas para a criança. Quanto mais se envolvem ativamente, menos desamparadas se sentem. Quanto maior o envolvimento dos pais, melhor o desenvolvimento das crianças.

Peça ajuda

Não tenha medo de pedir o apoio dos seus familiares. Alguns pais têm vergonha de pedir ajuda, pois temem ser rejeitados ou que as pessoas não entendam a situação. No entanto, uma rede de apoio familiar oferece um suporte fundamental para os pais.

Comece o tratamento precocemente

A intervenção precoce ajuda a maximizar o potencial da criança, pois as experiências iniciais desempenham um papel crítico no desenvolvimento. 

Reserve um tempo para você

Cuidar de uma criança com DI é trabalhoso, por isso é muito importante não negligenciar suas próprias necessidades. Descanse; coma bem; reserve um tempo para você e peça ajuda.

Como qualquer outra criança, as crianças com DI se desenvolvem e aprendem em ritmos e de maneiras diferentes. O importante é que você seja paciente e apoie seu filho, para que ele aprimore suas capacidades adaptativas e atinja seu pleno potencial. 

Se você gostou das nossas orientações, compartilhe este artigo e ajude outros pais de crianças com deficiência intelectual!

Referências:

CERQUEIRA, Mércia Mascarenhas Fernandes; ALVES, Rafanielly de Oliveira  and  AGUIAR, Maria Geralda Gomes. Experiências vividas por mães de crianças com deficiência intelectual nos itinerários terapêuticos. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2016, vol.21, n.10 [cited  2021-03-22], pp.3223-3232.

BRANCO, Ana Paula Silva Cantarelli. Ana Paula Camilo Ciantelli. Interações Familiares e Deficiência Intelectual: Uma Revisão de Literatura.

Você também pode se interessar...

7 respostas em “Quais orientações para lidar com a deficiência intelectual em casa?”

Muito obrigado pela ajuda sou mãe de um autista, por fator genético tanto do pai quanto meu. Desde a infância lidando com transtornos de ansiedade e agora entendo o que faltou p nós lidarmos com isso, estou mais focada e prestativa as dificuldades que meu irá passar.

Excelente artigo.
Agora, como ajudar um adolescente DI a encontrar seu campo de atuação profissional?

Olá Claudia,
Ainda não temos um conteúdo sobre este tema,
Mas vamos colocar em nossa pauta abordar sobre este assunto também.
Obrigada pelo contato!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *