Voltar

Quais são as opções de tratamento para a Síndrome de Asperger?

Embora a sociedade discuta com mais frequência a Síndrome de Asperger, é comum que pais de crianças e adolescentes ainda tenham muitas dúvidas acerca do transtorno. No entanto, se podemos utilizar uma informação para tranquilizá-los, essa ‘carta na manga’ é o fato de o Asperger ser bem mais brando que outros distúrbios que pertençam ao mesmo grupo TEA (Transtorno do Espectro Autista).

[thrive_lead_lock id=’2767′][/thrive_lead_lock]

Como os pais querem solução para seus filhos, porém, temos algumas opções de tratamento que podem ser muito proveitosas para todos eles. Lembrando que o diagnóstico da Síndrome de Asperger é geralmente dado a partir dos 3 anos de idade. É comum, no entanto, que outros casos sejam descobertos quando a pessoa já estiver na pré-adolescência. O aconselhável é que a procura por profissionais comecem de forma precoce.

Os tratamentos mais utilizados

Como a Síndrome de Asperger é um transtorno mais ameno, as formas de tratamento também costumam ser proporcionais. No entanto, isso significa que os pais jamais devem negligenciar a situação de seus filhos adotando a automedicação e o uso de procedimentos alternativos como forma de promover a intervenção demandada. O acompanhamento profissional deve ser priorizado. Somente desta maneira haverá a solução desejada. Vamos, então, aos tratamentos mais utilizados:

– Quando a síndrome é diagnosticada desde a primeira infância, é aconselhável que os pais levem a criança ao atendimento psicológico. Esse contato é importante, pois o profissional pode ajudar o pequeno a lidar com seus sentimentos e impulsionar a relação interpessoal;

– A consulta com um psiquiatra também pode ser eficaz, dependendo da característica apresentada. Vale ressaltar que o profissional tem a prerrogativa para receitar medicamentos que podem diminuir algumas características normais para quem tem a Síndrome de Asperger, como a irritabilidade, a agitação e a hiperatividade;

– A psicoterapia é indicada em praticamente todos os casos que envolvam a Síndrome de Asperger, independente dos sintomas, pois o terapeuta saberá como lidar com o transtorno. Além disso, ele indicará outros remédios responsáveis por atenuar as características manifestadas.

Conhecendo a Síndrome de Asperger

A Síndrome de Asperger é um distúrbio psicológico que se assemelha ao autismo. Um dos principais sinais é a dificuldade de interação do paciente com outras pessoas, sobretudo aquelas que não convivem com ele.

Uma curiosidade é fato de a síndrome ser mais frequente em meninos. Estima-se que o distúrbio afete de 3 a 7 em cada mil crianças. Embora os pequenos sejam inteligentes e não apresentem nenhuma característica física fora do normal, é sabido que eles se comportam de maneira inadequada em determinadas situações.

Outra informação importante divulgar é que a Síndrome de Asperger tem origem genética. Isso significa que alguém da família pode ter o mesmo distúrbio. Geralmente, o pai apresenta o quadro de Asperger de maneira completa. No entanto, não existe uma causa apenas que seja a responsável pelo surgimento da síndrome.

A melhor maneira de lidar com o diagnóstico é procurar ajuda assim que a Síndrome de Asperger for detectada. Somente com o acompanhamento de profissionais, a qualidade de vida de seu filho tende a ficar melhor.

 

Você também pode se interessar...

15 respostas em “Quais são as opções de tratamento para a Síndrome de Asperger?”

O meu filho é Asperg toma o ritalina é o respiridoma. Não dou todos os dias. Ele tem muita dor de cabeça será do medicamento então fico com medo de dar o rispiridona todos os dia.

Fico triste de ver crianças tomando remédio tarja Preta que causaram maus futuros. Tenho asperge e já sou adulta. Só saber que sou assim já me ajuda a ter paciência comigo e com outros. Não tomo remédios.

Cada vez que leio um artigo da Neurosaber fico maravilhada e desejo ardentemente ter mais conhecimentos Para que EU possa ajudar aos meus alunos com disturbios.

Olá boa noite querida Luciana Brites , dr. Clay Brites e equipe Neuro Saber! Muito bom esse artigo pois serve de alerta para que os pais ou responsáveis pela criança com Asperger não faça uso de medicamentos sem o devido cuidado pois sabemos o quanto é perigosa essa atitude , podendo causar desequilíbrios mais intensos para a criança e prejudicar​ sua qualidade de vida.Parabéns e muito obrigada abraços e fiquem com Deus 😘

Meu filho tem 15 anos, é Asperger, fez terapia por 7 anos, demos uma pausa esse ano. Vai na psicopedagoga e agora vou voltar com ele na fonoaudióloga. Ele está numa fase boa , suas crises de irritação tem diminuído muito. Toma um medicamento por conta da ausência infantil, que esta controlada. Trato ele com a homeopatia e acreditem, o resultado tem sido fantástico. Tem melhorado dia a dia. Leio todos os artigos sobre esse transtorno e tenho aprendido muito com esse neurologista, Dr. Clay. Parabéns a toda equipe.

Olá. Estou viitando o canal pela primeira vez, pois acabei de descobrir que o meu filho de 6 anos tem a síndrome. Me sinto insegura sobre medicá-lo e com poucas informações. Mas preciso muito de mais informações. Poderíamos criar um grupo mães/pais pra trocar informações e tirar dúvidas. Por favor!

Olá, tenho síndrome de asperger , descobri aos 30 anos de idade. Toda minha vida foi muito difícil. Eu achei esqueceu realmente tinha um.defeito mas não sabia o que era, hoje que sei tento ter uma vida melhor mas não é fácil. Ainda mais sem um acompanhamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *