Voltar

Quais são os transtornos psicológicos mais comuns?

Os transtornos psicológicos ou transtornos mentais afetam os pensamentos, o humor e o comportamento das pessoas. Embora sejam muito comuns, a maioria das pessoas considera difícil reconhecê-los e encontrar tratamento adequado.

Dessa forma, deixam de atender às suas necessidades de saúde mental, o que agrava o problema. Por isso, é importante falar sobre os transtornos psicológicos para que cada vez mais pessoas tenham conhecimento adequado e possam buscar as melhores formas de tratá-los para ter uma boa qualidade de vida.

Os transtornos psicológicos podem afetar a capacidade da pessoa de se relacionar e realizar atividades do dia a dia. Existem diferentes níveis de gravidade desses transtornos, mas em todos os casos é necessário acompanhamento médico e psicológico para tratá-los e melhorar a saúde mental do indivíduo.

Conheça, neste artigo, quais são os transtornos psicológicos mais comuns e seus principais sintomas. Boa leitura!

Transtornos Psicológicos mais comuns

Transtorno de ansiedade

A ansiedade é o transtorno psicológico mais comum, que afeta milhões de pessoas no Brasil e no mundo contemporâneo. Os sintomas podem incluir preocupação excessiva, agitação, inquietação, fadiga, músculos tensos, dificuldade para dormir e ataques de pânico. 

O diagnóstico de ansiedade só pode ser feito por um médico ou psiquiatra. As crises de ansiedade podem durar até seis meses ou mais. O transtorno de ansiedade é um termo genérico que inclui distúrbios específicos, como:

  • Transtorno de ansiedade generalizada 
  • Transtorno obsessivo-compulsivo
  • Síndrome do pânico
  • Transtorno de estresse pós-traumático 
  • Transtorno de ansiedade social (fobia)

O tratamento pode ser feito com psicoterapia e, em casos mais graves, com acompanhamento de um psiquiatra, que irá prescrever medicamentos para aliviar os sintomas, como antidepressivos ou ansiolíticos. Além disso, atividade física é recomendada, assim como atividades relaxantes, como meditação ou yoga.

Transtornos de Humor

Estima-se que 1 em cada 10 adultos sofre de algum tipo de transtorno de humor. Embora seja normal ter mudanças de humor de vez em quando, pessoas com transtornos de humor têm sintomas mais persistentes e graves que atrapalham a vida diária. 

Dependendo do transtorno, as pessoas podem sentir tristeza, ansiedade ou “vazio”; sentimentos de desesperança; baixa auto-estima; culpa excessiva; diminuição da energia entre outros. Terapia, antidepressivos e autocuidado ajudam a tratar transtornos de humor. 

Os transtornos de humor mais comuns são:

  • depressão — os sintomas incluem humor deprimido, diminuição do interesse ou prazer, mudança no peso, apetite e padrões de sono, fadiga e uma sensação de inutilidade.
  • transtorno bipolar — as pessoas com transtorno bipolar podem experimentar episódios maníacos em que seu humor e comportamento são drasticamente diferentes do normal. Essas mudanças podem incluir padrões incomuns de energia, atividade ou sono.

O tratamento dos transtornos de humor é feito pelo psiquiatra, com medicamentos nos casos mais graves — e com acompanhamento psicológico, fundamental para investigar as causas dos sintomas.

Transtornos Psicóticos

As pessoas que sofrem com transtornos psicóticos podem se sentir incapazes de diferenciar o que é real e o que não é. Os transtornos psicóticos mais comuns são a esquizofrenia, cujo tratamento exige acompanhamento psiquiátrico, com uso de medicamentos antipsicóticos como Risperidona, por exemplo.

A família deve ser orientada pelo profissional de saúde, psicólogos, para que o tratamento possa ser eficaz por completo.

Distúrbios alimentares

Os transtornos alimentares são complexos e, geralmente, têm causas mais profundas do que simplesmente a relação do indivíduo com a comida. São transtornos psicológicos que requerem intervenção de especialistas médicos e psicológicos. 

Os distúrbios alimentares causam o desenvolvimento de hábitos alimentares pouco saudáveis, como a obsessão por comida, peso ou forma corporal. Em casos graves, podem afetar seriamente a saúde do indivíduo e até mesmo resultar em morte, se não forem tratados. 

Os sintomas comuns dos transtornos alimentares incluem restrição severa de alimentos, compulsões alimentares ou comportamentos purgativos, como vômitos ou excesso de exercícios. Os tipos mais comuns de transtornos alimentares são bulimia e anorexia.

O tratamento para os distúrbios alimentares requer acompanhamento psiquiátrico, psicológico e nutricional. Pode ser que outros transtornos ocorram em comorbidade, principalmente ansiedade e depressão, o que geralmente exige tratamento com medicação.

Demência

Embora considerada erroneamente como um único transtorno, a demência é um termo que abrange uma ampla gama de condições mentais específicas. Aqueles que sofrem de transtornos relacionados à demência podem experimentar um declínio em suas habilidades cognitivas — muitas vezes, grave o suficiente para prejudicar a vida diária e as funções independentes. 

Embora esta categoria inclua uma série de condições, a doença de Alzheimer é responsável por 60 a 80% dos casos de demência. Ela destrói lentamente a memória e as habilidades de pensamento e, eventualmente, tira a capacidade de realizar as tarefas mais simples. 

Embora não tenha cura para a demência, a pessoa precisa de acompanhamento médico onde muitas vezes será necessário o uso de medicamentos.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre os transtornos psicológicos mais comuns, compartilhe este artigo em suas redes e ajude outras pessoas!

Referências:

Quadros, Lenice de Castro Muniz de et al. Common Mental Disorders and Contemporary Factors: 1982 Birth Cohort. Revista Brasileira de Enfermagem [online]. 2020, v. 73, n. 1 [Acessado 23 Julho 2021] , e20180162. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0162>. Epub 10 Fev 2020. ISSN 1984-0446. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0162.

CANDIDO, Maria Rosilene et al. Conceitos e preconceitos sobre transtornos mentais: um debate necessário. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.) [online]. 2012, vol.8, n.3 [citado  2021-07-23], pp. 110-117 . Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762012000300002&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1806-6976.

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *