Voltar

Quais são os transtornos que podem acompanhar o TEA?

Todos vocês que acompanham nossos artigos e neurolives já devem ter lido algum conteúdo falando sobre as comorbidades do autismo. Pois saibam que essa situação é muito comum em pacientes que convivem com a condição autística. Os transtornos no TEA (Transtorno do Espectro Autista) podem ser bastante variados.
No entanto, é importante salientar que o acompanhamento médico é a única maneira de indicar a existência dessa relação de patologias associada ao distúrbio da criança. No artigo de hoje, vocês ficarão por dentro desse assunto e saberão todos os procedimentos para amenizar seus efeitos.

Quais são os transtornos no TEA mais comuns?

Antes de tudo, é preciso esclarecer o que são comorbidades. Podemos defini-las como condições que se associam a outras condições e que, porventura, estão clinicamente juntas.
No autismo, existem várias comorbidades neurológicas: o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), enxaquecas e cefaléias; os distúrbios do sono; os transtornos genéticos sindrômicos; as encefalopatias crônicas e as paralisias cerebrais. Sendo assim, todas elas (uma ou mais) podem coexistir em uma criança com TEA.

Por que é fundamental identificar quais são elas?

É importante que haja essa identificação, pois um transtorno no TEA ou comorbidade pode ser muito mais sério que o próprio autismo. Muitas vezes, essa relação é o que está realmente atrapalhando a criança a ter um maior engajamento social e cumprir tarefas e atividades escolares. Além disso, essa associação é responsável por intensificar os sintomas autísticos e fazem com que os pequenos tenham prejuízos muito maiores de seus processos sociais.
Outra comorbidade que afeta a criança é a deficiência intelectual, porque ela faz com que o menor não consiga atingir situações ou patamares básicos da aprendizagem básica na escola. A presença da deficiência intelectual fará com que a instituição estabeleça um regime curricular bem diferenciado, o que implica em mais dependência, pois a criança terá dificuldade considerável de entender e abstrair os conteúdos.

Relembrando mais sobre os transtornos no autismo

TDAH 

Estudos revelaram que crianças diagnosticadas com TDAH podem apresentar traços de autismo. O resultado da pesquisa mostrou que essa ligação entre o TDAH e o TEA compartilha uma mesma herança ou origem, comprovando a sua comorbidade ou coexistência.
É importante salientar que quando ambas as condições existem, alguns sintomas podem se mostrar, sobretudo, nas funções executivas; ou seja, elas se apresentam bem aquém das expectativas, prejudicando até mesmo a autonomia do pequeno.

Deficiência intelectual 

Importante chamar atenção para o fato de o TEA e a Deficiência Intelectual (DI) apresentarem sintomas distintos quando eles se manifestam de forma independente.
No entanto, a DI como comorbidade do autismo pode ser notado em aspectos cognitivos, uma vez que a dependência da criança aumenta em atividades que ela já teria determinada autonomia. Além disso, essa relação é responsável por diminuir as chances de inserção na escola e no ambiente profissional.
Pesquisas revelam que o paciente diagnosticado com TEA e DI associados costumam apresentar um desempenho adaptativo aquém do esperado, além de sintomas mais graves do transtorno.

Outras comorbidades

A criança que convive com TEA também pode ser diagnosticada com distúrbios diversos dos que foram mencionados acima, a saber: Transtorno Opositivo-Desafiador, Transtorno de Ansiedade, Epilepsia, doenças genéticas diversas, etc. Portanto, é necessário que o tratamento adote uma linha multidisciplinar para a solução de problemas que visem amenizar os efeitos do autismo e suas comorbidades.
 
Dr Clay Brites
 

Você também pode se interessar...

20 respostas em “Quais são os transtornos que podem acompanhar o TEA?”

Oi, gostaria de saber meu filho tem 16 anos faço o tratamento com ele desde do pré escolar, com TDAH transtorno compulsivo desafiador e é imperativo, então oq quero saber ele não se abre para conversarmos é muito difícil ele falar do que aconteceu na escola ou se ficar perguntando muito ele ja fica inritado.

Oi, eu me chamo Evelyn e tenho 15 anos, bom, eu nunca procurei auxílio psicológico nem nada, mas um tempo atrás eu vi na internet sobre essas situações que algumas pessoas se encontram e eu achei que alguns sintomas batem com o meu comportamento, de agora, e de quando eu era mais nova.
Como falta de atenção, timidez, dificuldade em socializar com outras pessoas, dificuldade em ter contato físico com outras pessoas e até mesmo contato visual.
É como se eu fosse diferentes dos outros, sempre tenho a sensação de agir de forma estranha em relação aos demais, eu costumo inventar na minha cabeça outras versões de mim, sejam melhores ou piores, qualquer coisa diferente do que eu sou no momento, é horrível se sentir desconhecido e intruso na sua própria mente.
Gostaria de ter uma luz, de saber se os meus problemas são realmente sérios e se eu preciso procurar algum auxílio médico, é normal se sentir assim?

Olá Evelyn , Sem avaliação não podemos dar uma orientação precisa sobre caso .É importante buscar um especialista (Psicólogo ou Neurologista) para lhe dar melhores informações e orientação para uma intervenção.De qualquer forma , temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e também em nosso blog que podem te ajudar em muitas questões.

Bom dia , cuido de um menino que 5 anos e 11 meses , não fala é usa falda ,não come com sua mão , ele é muito agitado está indo na fono e psicológica mas tá dificel ver resultado. Ele vai na cheche público.

Boa noite! Meu filho está autista leve. Cid 84.0. Ele tem 8 anos. É verbal. Conversa bastante. Mas eu estou um pouco assustada pois ele ultimamente tem estado muito agressivo e desafiador. Fala palavrões que eu nem sei onde aprendeu, fala de morte de bater. Eu estou muito preocupada. Ele faz uso somente do risperidona 1mg. Às vezes fico pensando se ele tem TOD. Mas o pediatra dele disse que pode ser que ele tenha esquizofrenia será que seria isso. Estou muito preocupada. Só vou no médico neuro dele na semana que vem. Gostaria de uma opinião. Desde já agradeço !

Olá Paula tudo bem? Sem avaliação não podemos dar uma orientação precisa sobre caso .
É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientação para uma intervenção.De qualquer forma , temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e também em nosso blog que podem te ajudar em muitas questões.

Olá, os conteúdos publicados tem me ajudado muito, tenho um lindo menino que vai completar 7 anos. Aos 4 anos apresentou um comportamento irritado, agressivo, frustado e opositor desde fui ao neuropediatra que percebeu dislalia, e atraso na coordenação motora fina, desde então minha rotina é fazer acompanhamento com psicologo.
Ele não consegue se concentrar foge da sala o tempo todo, tem um amor extremo por formigas se preocupa com elas como se fossem da família ate divide o lanche com elas deixando de estar com os coleguinhas. Foi prescrito neuleptil agora em 2019 ele esta sendo encaminhado para um psiquiatra pois ela percebeu a possivel presença de TOD e TDAH.
Com os esclarecimentos da Neuro Saber sei que são comorbidades é realmente possível que ele possa ter TEA!

Ola bom dia, me chama Aurea Stela ,tenho um filho de 4 anos diagnosticado com TDAH e TOD, os medicos descartaram a possibilidade de um TEA por ele ser muito inteligente, falante, tem uma falsa timidez, mas tem certa dificuldade de se relacilnar com outras pessoas que estão fora de seu conviveu. Estou tentando uma 2 opinião mas está muito difícil conseguir uma consulta pelo SUS.

Olá Aurea , tudo bem ? Sem avaliação não podemos dar uma orientação precisa sobre caso .
É importante aguarda a segunda avaliação do especialista para lhe dar melhores informações e orientação para uma intervenção.De qualquer forma , temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e também em nosso blog que podem te ajudar em muitas questões.

Novos metodos de avaliação para um diagnostico mais precoce tornaria as tomadas de decisões mais coerentes, auxiliando o desenvolvimento do educando.

Olá! Gostaria de saber se a dislexia pode vir como comorbidade do TEA. Pois pelo que entendi a dislexia não é proveniente de algum déficit cognitivo (ou estou enganada?) então se alguém que está no espectro tiver algum comprometimento não dever ser diagnosticado com dislexia? …

Olá Juliana,tudo bem? Ainda não temos um conteúdo sobre este tema, mas vamos colocar em nossa pauta abordar sobre este assunto também. Obrigada pelo contato .

Meu nome e Alana aos 12 anos foi diagnosticada com autismo leve aos 16 anos passei por avaliação neuropsicologica recebir o diagnóstico de TDAH e autismo moderado e o QI 65 abaixo da media que desconfiava que eu além do autismo eu tinha comorbidades isso foi muito complicado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *