Voltar

Sinais de prontidão para alfabetização. Como identificar?

Antes da alfabetização, a criança precisa desenvolver algumas habilidades fundamentais e os pais e responsáveis têm papel fundamental.

Qual a idade correta para iniciar a alfabetização do meu filho ou aluno? Será que ele está pronto? Com o avanço das pesquisas em neurodesenvolvimento e da aplicação das evidências científicas na educação, diversos métodos para ensinar as crianças a ler e escrever têm sido postos em prática. 

A conclusão a que se chega, analisando as estatísticas e aplicabilidade desses em sala de aula, é de que antes de entrar no ciclo formal de alfabetização, é necessário percorrer com a criança um caminho de neurodesenvolvimento que envolve a aquisição de habilidades primordiais – e também complexas.

A alfabetização é definida como “ensino das habilidades de leitura e escrita em um sistema alfabético” (segundo a PNA), que acontece ”em etapas graduais e sistemáticas” (UNESCO). Dentro da escola, o ensino formal para a alfabetização deveria, então, começar apenas aos seis anos de idade, no primeiro ano do Ensino Fundamental.

Mas a aquisição das habilidades necessárias para o posterior desenvolvimento da leitura e da escrita acontecem, sem exagero, desde que o bebê nasce – e até mesmo ainda no ventre. Isso porque, ao considerar a literacia – o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes relacionados à leitura e à escrita, bem como sua prática produtiva (PNA) – e, em especial, a literacia familiar, entende-se a importância da participação ativa de pais e responsáveis na construção do universo linguístico dos pequenos.

SAIBA MAIS SOBRE A RELAÇÃO ENTRE LITERACIA E ALFABETIZAÇÃO

Conheça três critérios importantes para garantir às crianças os sinas de prontidão necessários para a fase da alfabetização formal.

LITERACIA FAMILIAR

A literacia envolve desde os critérios mais básicos até os mais avançados de alfabetização. Ao pensarmos em literacia familiar, nos voltamos para o início da vida das crianças. Podemos incluir: as canções de ninar, histórias de tradição oral contadas pelos cuidadores, cantigas de roda e jogos tradicionais com rima, como partes fundadoras do contato com a língua materna e a preparação para a alfabetização lá na frente.

PSICOMOTRICIDADE

Outro requisito fundamental para o sucesso da alfabetização é o desenvolvimento das habilidades psicomotoras das crianças. A psicomotricidade trabalha com interações cognitivas, emocionais, simbólicas e sensório-motoras que operam na criança ao longo de seu desenvolvimento cognitivo, motor e emocional.

Brincar torna-se parte imprescindível desse aprendizado! Atividades lúdicas, que alinham tais aspectos, como empilhar blocos coloridos, montar quebra-cabeças, fazer pintura livre, manipular argila, recorte e colagem, ou mesmo o bom e velho lápis de colorir, alimentam o mundo interior da criança e seu contato com o entorno! Além disso, tais brincadeiras:

  • Desenvolvem a coordenação fina e grossa
  • Desenvolvem a coordenação olho-mão
  • Criam oportunidade para utilizar a linguagem expressando sensações, contando histórias ou o que desenhou
  • Fortalecem a habilidade de resolução de problemas
  • Auxiliam a concentração e estimulam a criatividade

LEITURA EM VOZ ALTA

Outro ponto-chave na introdução das crianças ao aprendizado da língua materna é a Leitura em Voz Alta, ou apenas LVA. Diversos estudos já demonstraram que crianças ainda não alfabetizadas, expostas diariamente à histórias lidas pelos pais ou educadores, ampliam seu vocabulário e ganham habilidades como: 

  1. Desenvolvimento da criatividade e estímulo à imaginação;
  2. Aproxima as crianças de quem lê para ela (pai, mãe, avós, professor etc)
  3. Amplia o vocabulário 
  4. Estimula a fala
  5. Desenvolve a capacidade de concentração
  6. Estimula a curiosidade
  7. Desenvolve a memória
  8. Estimula o raciocínio

REFERÊNCIAS:

BONI, Adalgisa Cristina Marques; MAIA, Halana Carolina; BARBOSA, Marina Peccinin. A importância da prontidão para ler e escrever. In: Revista Contemporânea de Educação, v:13, n: 18 (2018), Rio de Janeiro.

ALBUQUERQUE, Eliana Borges C. DE and FERREIRA, Andrea Tereza Brito. PRÁTICAS DE ENSINO DA LEITURA E DA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL E NA FRANÇA E OS CONHECIMENTOS DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCRITA ALFABÉTICA. Educ. rev. [online]. 2020, vol.36

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA: Política Nacional de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019b.

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *