Voltar

TDAH e Autismo: Transtornos diferentes que podem estar juntos

Quando uma criança em idade escolar não consegue se concentrar nas tarefas escolares, é preciso investigar as causas desse comportamento, que pode indicar a presença de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). 

Dificuldade em se concentrar no dever de casa, inquietação e incapacidade de fazer ou manter contato visual são sintomas de TDAH. Eles são os mais comuns dos transtornos do neurodesenvolvimento, no entanto podem indicar também a presença do TEA — Transtorno do Espectro Autista.

Antes de um diagnóstico de TDAH ser feito, vale a pena entender que TDAH e autismo podem ser confundidos, assim como podem estar juntos. Entenda melhor, neste artigo.

TDAH e autismo

O TDAH é um transtorno do neurodesenvolvimento e é dividido em três tipos: hiperativo-impulsivo; desatento ou a combinação dos dois. O tipo combinado é o mais comum, com sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade.

A idade média de diagnóstico é aos 7 anos e os meninos têm mais probabilidade de serem diagnosticados com TDAH do que as meninas. 

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição que afeta um número crescente de crianças. Os sintomas mais comuns afetam o comportamento, o desenvolvimento e a comunicação. 

Sintomas de TDAH e Autismo

Nos estágios iniciais, é comum que TDAH e TEA sejam confundidos um com o outro. Crianças com qualquer uma dessas condições podem ter problemas para se comunicar e se concentrar. Embora tenham algumas semelhanças, são duas condições distintas.

Quando eles ocorrem juntos

Uma das razões que faz com que os sintomas de TDAH e TEA sejam difíceis de distinguir um do outro é que podem ocorrer em simultâneo.

Nem todas as crianças podem ser diagnosticadas com clareza. O médico pode decidir que apenas um dos distúrbios é responsável pelos sintomas, mas em alguns casos, as crianças podem ter ambas as condições.

As crianças com TDAH e sintomas de TEA são mais propensas a ter dificuldades de aprendizagem e suas habilidades sociais são mais prejudicadas do que aquelas com apenas uma dessas condições.

Por muitos anos, os médicos hesitaram em diagnosticar uma criança com TDAH e TEA. Por essa razão, poucos estudos examinaram o impacto da combinação dessas doenças em crianças e adultos.

A American Psychiatric Association (APA) afirmou durante anos que as duas condições não podiam ser diagnosticadas na mesma pessoa. Em 2013, mudou o seu posicionamento na revisão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, (DSM-5), que afirma que as duas condições podem co-ocorrer.

Em uma revisão de 2014 de estudos que examinaram a co-ocorrência de TDAH e TEA, os pesquisadores descobriram que entre 30 a 50 por cento das pessoas com TEA também têm sintomas de TDAH. Os pesquisadores não entendem totalmente a causa de nenhuma das condições, nem porque eles ocorrem juntos, com tanta frequência.

Ambas as condições podem estar ligadas à genética, o que pode explicar porque essas condições costumam ocorrer na mesma pessoa. No entanto, mais pesquisas ainda são necessárias para entender melhor a conexão entre TDAH e TEA.

Recebendo o tratamento adequado

O primeiro passo para ajudar as crianças a receber o tratamento adequado é obter um diagnóstico correto. Pode ser necessário procurar um especialista em transtorno de comportamento infantil.

Muitos pediatras e clínicos gerais não têm treinamento especializado para entender a combinação dos sintomas e também podem deixar passar outra condição subjacente, o que complica o tratamento.

Gerenciar os sintomas do TDAH ajuda as crianças a controlar os sintomas do TEA. As técnicas comportamentais ajudam a diminuir os sintomas e é por isso que obter o diagnóstico e o tratamento adequados é tão vital.

A terapia comportamental é um possível tratamento para o TDAH e é recomendada como primeira linha de tratamento para crianças menores de 6 anos. Para as maiores de 6 anos, a terapia comportamental pode vir com o uso de medicamentos.

A terapia comportamental também é usada como um tratamento para TEA, assim como a medicação também pode ser prescrita para tratar os sintomas. Em pessoas que foram diagnosticadas com TEA e TDAH, medicamentos prescritos para sintomas de TDAH também podem reduzir alguns sintomas de TEA.

O médico pode precisar tentar vários tratamentos antes de encontrar um que gerencie os sintomas, ou pode haver vários métodos de tratamento usados simultaneamente.

TDAH e TEA são condições para a vida toda que podem ser gerenciadas com tratamentos adequados para cada caso. Muitas vezes será preciso experimentar vários tratamentos, e até mesmo incluir novos conforme a criança cresce e os sintomas evoluem.

Os cientistas continuam pesquisando a conexão entre essas duas condições. A pesquisa pode revelar mais informações sobre as causas e mais opções de tratamento. Um diagnóstico correto é essencial para receber um tratamento eficaz. Portanto, discuta todos os sintomas do seu filho com o seu médico para garantir um diagnóstico preciso. 

Se restou alguma dúvida sobre TDAH e autismo, deixe nos comentários.

Referências:

SEGENREICH, Daniel. Paulo Mattos. Atualização sobre comorbidade entre transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtornos invasivos do desenvolvimento (TID).

HAMAD, Ana Paula Andrade. Autismo e TDAH. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5045412/mod_resource/content/1/AUTISMO%20e%20TDAH%20aula%20Profa%20Ana%20Hamad.pdf

Você também pode se interessar...

2 respostas em “TDAH e Autismo: Transtornos diferentes que podem estar juntos”

Bom dia. Neste momento não tenho como ler com capricho e assimilar bem o conteúdo que, no primeiro momento sugere que se trata de material muito interessante. Lerei mais tarde, com tranquilidade. Grata Julia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *