Voltar

TDAH e transtornos alimentares

O TDAH pode contribuir para a gravidade dos transtornos alimentares quando aparecem juntos.

E isso porque  para os que sofrem de TDAH e transtornos alimentares, eles acabam  lidando com o tédio, o estresse e os sentimentos intensos comendo em excesso para se acalmar. 

Então, pessoas com TDAH podem ser mais propensas a se esquecer de comer e acabar exagerando mais tarde. Ou podem ter problemas para planejar e fazer compras, o que pode resultar em uma alimentação descontrolada e repentina. Para saber mais sobre os transtornos alimentares no TDAH, continue lendo o artigo. 

O que é um transtorno alimentar?

Os transtornos alimentares são condições comportamentais caracterizadas por distúrbios graves e persistentes nos comportamentos alimentares e pensamentos e emoções angustiantes associados. 

Podem ser condições muito graves que afetam a função física, psicológica e social. Os tipos de transtornos alimentares incluem anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno da compulsão alimentar periódica, transtorno da ingestão alimentar restritiva evitativa, outro transtorno alimentar e alimentar específico, e transtorno de ruminação.

Vários, especialmente a anorexia nervosa e a bulimia nervosa, são mais comuns em mulheres, mas podem ocorrer em qualquer idade e afetar qualquer sexo. 

Os transtornos alimentares estão frequentemente associados a preocupações com a comida, peso ou forma ou com ansiedade sobre comer ou as consequências de comer certos alimentos. 

Comportamentos associados a distúrbios alimentares, incluindo alimentação restritiva ou evitação de certos alimentos, compulsão alimentar, purgação por vômito ou uso indevido de laxantes ou exercícios compulsivos. 

Esses comportamentos podem ser direcionados de maneiras que parecem semelhantes a um vício.

TDAH e Transtorno Alimentar

Muitos indivíduos que lutam com TDAH geralmente exibem irregularidade com o sentido interoceptivo, que é como o cérebro interpreta os sinais e dicas do resto do corpo. 

Por exemplo, pistas transmitidas ao cérebro sobre sede, fome, dor e fadiga podem ser distorcidas em uma pessoa que sofre de TDAH. 

Quando uma criança ou adolescente interpreta mal os sinais sobre as necessidades básicas de seu corpo, eles podem desenvolver comportamentos anormais, especificamente se houver uma interrupção em seus sinais de fome. 

Um indivíduo que é incapaz de reconhecer quando está com fome ou saciado pode comer de forma anormal, comer pouco ou demais, ou desenvolver aversões alimentares em resposta a um mau funcionamento de seus sinais interoceptivos.

Sensibilidades alimentares 

Indivíduos com TDAH podem ser mais sensíveis a estímulos, cheiros, texturas, sabores e alimentos. 

Como resultado, uma pessoa com TDAH pode não aceitar tão prontamente certos alimentos, e esses comportamentos podem se manifestar como restringir ou evitar certos tipos de alimentos.

Desatenção e impulsividade

Essas características associadas ao TDAH podem tornar difícil para uma criança manter uma dieta saudável ou comer adequadamente. 

Por exemplo, uma criança que está inquieta à mesa do jantar pode evitar comer por ansiedade ou inquietação. A impulsividade pode resultar em comportamentos alimentares impulsivos, como compulsão alimentar, restrição e até mesmo purgação.

Ter horários de refeição estruturados e planejar com antecedência pode ser uma maneira útil de reforçar a alimentação e hábitos saudáveis ​​à mesa.

O TDAH pode muitas vezes ser a raiz do problema para os comportamentos de transtorno alimentar, e o tratamento para o TDAH pode ajudar a aliviar os sintomas relacionados ao transtorno alimentar. 

Para os indivíduos que lutam contra o TDAH, a comida pode se tornar uma forma de se automedicar ou de exercer o controle em um ambiente que parece caótico ou desequilibrado. 

Os transtornos alimentares não se referem apenas à comida, mas estão fortemente associados a um gatilho ou transtorno alternativo, como o TDAH, e o tratamento do transtorno pode ajudar a tratar o transtorno alimentar em questão.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe nos comentários!

Referências 

PTÁČEK, R. et al. Attention deficit hyperactivity disorder and eating disorders. Prague medical report, v. 111, n. 3, p. 175-181, 2010. Disponível em <http://fyziologie.lf1.cuni.cz/Data/Files/PragueMedicalReport/pmr_111_2010_3/pmr2010a0019.pdf> Acesso em 26 out. 2021.

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *