Voltar

Dislexia na escola: como identificar e ajudar o aluno?

Os transtornos de aprendizagem afetam uma porcentagem significativa da população e a dislexia é um deles. No entanto, os professores, muitas vezes, têm dificuldades para identificar o aluno com dislexia e para ajudá-lo.

Quando uma criança apresenta dificuldades para ler, escrever e soletrar palavras, ela pode ser mal interpretada, como se estivesse desmotivada ou até mesmo preguiçosa para aprender. É muito importante avaliar as causas dessas dificuldades, que podem ser inúmeras, como problemas familiares e de relacionamento com os colegas ou transtornos.

Pensando nisso, escrevemos este artigo para ajudar os professores a reconhecer e a lidar com a dislexia na escola. Confira!

Dislexia na escola: como reconhecer?

Uma criança com dislexia pode ser inteligente, articulada, criativa e com consciência espacial, mas ter dificuldades na leitura, ortografia e escrita, a ponto de se sentir desconfortável quando solicitada a ler em voz alta, por exemplo.

O aluno com dislexia pode ter medo de que os colegas riam dele ao descobrirem o quanto ele tem dificuldade para ler. Além disso, os professores podem pensar que ele não está se esforçando o suficiente, insistindo em pedir que copiem do quadro, leiam em voz alta e punindo sua grafia incorreta.

Dessa forma, o reconhecimento e a intervenção precoces são fundamentais para a adoção de estratégias de ensino adequadas ​​à dislexia. Vale lembrar que a inteligência dos alunos com transtornos de aprendizagem e sua capacidade de aprender não estão em questão. O seu desempenho pode ser afetado por uma incapacidade de aprender com um processo de aprendizagem tradicional. 

Dislexia na escola: como ajudar o aluno

Muitas crianças com transtornos de aprendizagem têm dificuldade em aprender com métodos tradicionais de ensino. No entanto, uma abordagem que considere a dislexia funciona para todos.

Essa abordagem inclui o ensino multissensorial: pequenos passos fornecidos um de cada vez, com oportunidades de repetição, para que os alunos prossigam em seu próprio ritmo e recebam reforço positivo à medida que aprendem. 

Tomada de notas

Copiar do quadro pode ser muito difícil para os alunos com transtornos de aprendizagem. O aluno com dislexia tem dificuldade para ler um texto, decifrar a caligrafia de alguém e a cópia se torna um grande desafio para ele.

Além disso, ele pode ter dificuldade com a escrita, muito comum em alunos com dislexia e dispraxia. Depois de decodificar a palavra, ele precisa se concentrar na forma e na direção de cada letra individualmente, desviando sua atenção do que está sendo dito pelo professor.

O aluno com problemas de memória de curto prazo pode ser capaz de lidar apenas com uma palavra ou pequenas partes de uma frase por vez, o que torna o seu tempo mais lento para realizar cópias, por exemplo. 

Ao revisar o que escreveu, o aluno com dislexia provavelmente terá um texto incompleto e pode até ter dificuldade em ler sua própria escrita. Dessa forma, o professor deve ajudá-lo nessas anotações, considerando suas dificuldades e a diferença de tempo para produção.

Material escrito acessível à dislexia

Uma das estratégias de ensino para ajudar os alunos com transtornos de aprendizagem, inclui o fornecimento de notas escritas para cada tarefa, para que o aluno com dislexia não precise fazer cópias do quadro.

Os alunos com dislexia podem ter dificuldade com material impresso preto e branco. Se possível, use um tom pastel para apostilas e atividades em papel. Além disso, é recomendável não justificar a margem direita, usar uma fonte clara que facilite a leitura, como Arial tamanho 12.

Apresentando informações aos alunos

Dê uma visão geral das atividades apresentando as informações e, em seguida, resuma o que você abordou. Peça aos alunos para resumirem verbalmente o que aprenderam.

Estude habilidades e estratégias

Para ajudar o aluno com dislexia a ler informações no papel, mapas mentais e diagramas são recomendados. Incentive o aluno a usar canetas marca-texto para conceitos-chave e uma régua sob a linha de texto durante a leitura.

Tecnologia em sala de aula

É cada vez mais comum permitir que os alunos usem laptops na sala de aula. O envio de tarefas e atividades por e-mail pode ajudar o aluno com dislexia.

Uma habilidade útil para ele dominar é a digitação. Embora tenha dificuldades com a escrita, a digitação pode se tornar automática e fluida. Ele trabalha mais rápido e pode lidar com mais informações. Além disso, a digitação com corretores ortográficos melhora as habilidades de compreensão de leitura.

Ler e soletrar com toque visa melhorar a leitura, a escrita, a ortografia, as habilidades com o teclado do computador e a auto-estima, ensinando a digitação como uma solução para a dislexia.

Essas foram algumas orientações para identificar e ajudar o aluno com dislexia. Se você conhece mais dicas, deixe nos comentários e contribua com a discussão!

Referências:

https://www.readingrockets.org/article/dyslexia-schools-assessment-and-identification

Você também pode se interessar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *