Voltar

Como é realizado o diagnóstico de Síndrome de Asperger?

Para falar sobre como é feito o diagnóstico a fim de detectar a Síndrome de Asperger, torna-se necessário saber o que é essa condição. Afinal, ainda existem muitas incertezas e dúvidas acerca dela. Sendo assim, relembrem abaixo alguns dos principais pontos que se referem a esse quadro.

O que é a Síndrome de Asperger?

Podemos definir a Síndrome de Asperger como um transtorno de origem neurobiológica que foi descrito pela primeira vez em 1944 pelo pediatra austríaco Hans Asperger. Uma de suas particularidades é o fato de ser majoritariamente notada em pessoas do sexo masculino. Além disso, outra característica é que os pacientes geralmente demonstram certa dificuldade para se relacionar com pessoas que não façam parte de seu contexto. Eles também costumam se interessar bastante por áreas/ disciplinas bem específicas.
Frequentemente, a linguagem não é afetada. Isso significa que a situação das crianças e dos adolescentes que convivem com a Síndrome de Asperger tende a passar pelo ambiente escolar sem muitos sobressaltos que os impeçam de concluir os estudos e, inclusive, seguir para a vida acadêmica e ter vida profissional regular.

Se a pessoa consegue realizar etapas importantes da vida, então qual o problema?

É importante salientar que uma pessoa com Síndrome de Asperger convive com um transtorno. Este fato em si já suscitaria um acompanhamento terapêutico para providenciar seu bem-estar. No entanto, a necessidade de tratamento está na busca pelo desenvolvimento de competências sociais.
Este aspecto é de total importância para nossa vida em sociedade e, a partir disso, a criança pode estabelecer meios que sejam fundamentais para que ela consiga ter autonomia suficiente diante dos desafios na vida coletiva.
Vale dizer que embora a inteligência e a linguagem não sejam afetadas, a Síndrome de Asperger vem acompanhada de sintomas; não tão graves, mas capazes de causar prejuízos no que diz respeito a habilidades sociais.

Como realizar o diagnóstico?

Não é uma tarefa fácil diagnosticar a Síndrome de Asperger, pois os sinais que indicam sua existência podem variar bastante; ou seja, o que um paciente demonstra pode ser diferente da manifestação apresentada por outro.
Sendo assim, a observação é sempre o passo inicial na busca pela comprovação do transtorno. Desde muito nova a criança tende a mostrar algum traço que levante suspeitas de que seja preciso um acompanhamento.
Especialistas (médicos e psicólogos) são os principais profissionais que possibilitam a aplicação de testes na busca por uma resposta. Uma das maneiras mais recorrentes na realização do diagnóstico é por meio de testes neuropsicológicos. Através deles, os terapeutas costumam propor algumas tarefas capazes de demonstrar a existência de alguns traços característicos da Síndrome de Asperger.
Outra maneira de se chegar ao diagnóstico é com a aplicação de testes que lidam com o reconhecimento de emoções e colocam as crianças em situações onde elas precisam entender o que seu interlocutor está pensando, por exemplo.

Quais são os sintomas?

Os sinais da Síndrome de Asperger costumam variar, mas vale elencar os principais. Pelo menos aqueles que têm fácil percepção. Vejam abaixo:
– Dificuldade de interação social (manter conversas, começar um diálogo);
– Interesse restrito a determinado tema ou objeto;
– Apresentação de determinado padrão repetitivo,
– Incapacidade de demonstrar empatia pelo interesse das pessoas;
– Costumam mostrar movimentos descoordenados;
– Uso de voz monótona e rápida, etc.

Como ocorre o tratamento da Síndrome de Asperger?

As intervenções são terapêuticas. As pessoas que convivem com o transtorno geralmente são acompanhadas por terapias cujo foco é estimular os aspectos relacionados à interação social e suas competências.
O uso de medicamento não é propriamente em função da síndrome em si, mas pela existência de algum quadro relacionado de ansiedade ou depressão. Por isso é necessário que a criança/adolescente seja assistida por especialistas, pois o trabalho em conjunto tende a proporcionar resultados satisfatórios.
 
Dr Clay Brites

Você também pode se interessar...

18 respostas em “Como é realizado o diagnóstico de Síndrome de Asperger?”

Acho importante aprender cada vez mais . Precisamos estar sempre em busca de aprendizados e novas experiências.
Gosto muito dos vídeos da Neurosaber.

Precisamos nos informar para poder lidar com eles. Tenho uma filha com 17 anos diagnosticada à 4 anos. Passou no vestibular da UFSC para RI super inteligente e determinada.
Mas o que é mais difícil pra mim como mãe é a falta de demonstração afetiva estou me tratando para lidar com isso para poder dar o suporte que ela precisa.

Olá Francieli os especialistas orienta os pais a buscar uma avaliação o quanto antes para um melhor desenvolvimento da criança .

Olá Francieli , o quanto antes a criança ser avaliada por um especialista melhor para seu desenvolvimento .

Olá Dr. Gostei do que escrever porém acho que falou muito pouco das características da síndrome de Asperger como nomeiam.
O barulho incomoda devido a intensidade de todos os sons juntos oq atrapalha na concentração e promove irritação.
A interação social é difícil por que não conseguimos verbalizar de forma adequada por ex participar do interesse do outro ou compreender oq o outro espera, expressar sentimentos por ex é difícil, e muitas vezes nos tornamos desagradáveis e controle emocionais frente a frustrações.
Sensibilidade ao toque..
É desconfortável abraçar, comprimentar com aperto de mão por ex, mas quando esperado ou já previsto não é impossível.
Não a uma dificuldade na fala, só um jeito diferente de agir para falar ex; na maioria as pessoas falam sem pensar já nos pensamos muito e organizamos oq fazer, mesmo assim é difícil a verbalização pq enquanto falam sobre vários assuntos estamos organizando ainda o primeiro.
Obrigada Dr pela página.
Jaqueline Mesquita.

boa noite ,tenho uma filha maravilhosa inteligente ,amável,mas recentemente tentou suicídio,nunca passou pela minha cabeça isso acontecer..uma avaliação de psicologa da unidade hospitalar a classificou com síndrome de asperger..para mim isso é algo desconheci.tenho medo
não tenho um parâmetro, nenhum ponto de partida ..por favor me digam o que posso estar fazendo,
minha filha do nada se recusa me ver ,falar comigo ou sequer ouvir falar em meu nome..isso esta me destruindo por dentro já que ela é uma de minhas razão de vida..por favor me ajudem ,preciso de mais informação sobre isso,é comum? ela tem 23 anos..há algum tempo se trancou de uma forma ,já não conversava mais como antes..
meu nome é Helena ,esse é meu zap +55 71 997361229,este é meu e-mail: sgv.helena@gmail.com
toda informação e ajuda é bem vinda
estou desesperada

Olá Helena , esses caso orientamos procurar um profissional pessoalmente para acompanhar o caso e passar o melhor tratamento e forma de agir .De qualquer forma , temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e também em nosso
blog que podem te ajudar em muitas questões

Bom dia, minha irmã tem uma filha, com comportamento diferente das outras crianças, não sei como falar pra ela que o comportamento da filha é diferente, pq a pediatra falou que a filha não tem autismo pq olha nos olhos, mas encaminhou aí neuro pediatra.
Vou te falar uns sinais que ela tem, gostaria de uma opinião se pode ser síndrome de Asperger.

Ela tem 2anos e meio.
Ela as vezes olha nos olhos mas bem rápido, retornando o olhar para outro lado.
Não mostra sentimentos bem afeto .
Não fala frases, as vezes fala mãe ou repete as algumas palavras não claras, que do a mãe entende.
Gosta de alinhas os brinquedos mas em seguida joga tudo no chão, joga no sentido para traz sem olhar onde os brinquedos estão caindo.
Gosta de assistir desenhos da Luna e outros , quando termina, sobe em tudo, janelas tem que ficar totalmente fechadas mesmo assim sobe pra ficar encostada no vidro , não tem medo e noção do perigo, mexe em gavetas, sobe na mesa e em qualquer móvel, puxa papel higiênico, enfim , minha irmã fica como uma sombra enquanto ela está acordada, só descansa quando ela dorme.
Conta de 1 até 20 e o alfabeto todo, com som não claros mas dá pra entender .
Ela não percebe o comportamento da filha ou não quer acreditar, fico preocupada com ela, pq se a filha tiver alguma síndrome sei que é melhor para as duas e para quem tiver aí redor, lidar melhor com a situação, mas ela diz que a filha é só brava.
Não come come sozinha , minha irmã tem que ficar correndo pela casa colocando a comida da boca.
Ao sair na rua, gosta de sair correndo, quando e segurada grita e chora, locais tipo mercado não para, quer pegar tudo não aceitando ( não, não pode).
Quando é chamada atenção olha de canto do olho e saí correndo, se joga no chão e grita, as vezes sai lágrimas.
Quando a chamamos pelo nome não responde e nem te olha.
A palavra não pode, fica brava e quer morder, trava os dentinhos fazendo barulho de brava, as vezes vai pra cima da pessoa querendo morder.
Não gosta de abraço.

Olá Lourane,Sem avaliação não podemos dar uma orientação precisa sobre caso.
Esse comportamento pode ser por muitos motivos diferentes. Temos muitos conteúdos que podem te ajudar a entender melhor isso. Acesse youtube.com/neurosabervideos .
Orientamos que sua irmã procure um especialista pessoalmente(Neurologista Infantil)para lhe dar melhores informações e orientação assertiva sobre caso da sua sobrinha.
Atenciosamente,
Equipe NeuroSaber

Meu neto é autista, ele ao falar tem um movimento no olhar, como se estivesse arregalando os olhos. Esse movimento seria uma esteriotipia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *