Voltar

Princípio alfabético e consciência fonológica no processo de Alfabetização

O princípio alfabético é a representação dos fonemas por grafemas, ou seja dos sons da fala pelas letras. A consciência fonológica é a consciência dos diferentes sons da fala.

Para que o processo de alfabetização ocorra, as crianças precisam se conscientizar dos sons das palavras, ou seja, compreender que as palavras são compostas de sons (fonemas). Por esse motivo, a consciência fonológica é fundamental na alfabetização.

Por outro lado, é necessário compreender que a aprendizagem do princípio alfabético também é fundamental, já que a alfabetização é um processo de aquisição e apropriação de um sistema de escrita. 

A aprendizagem da leitura e da escrita requer que, além do conhecimento do princípio alfabético, a criança também conheça as diferenças que há entre o sistema oral e o escrito. Entenda melhor a importância do princípio alfabético e da consciência fonológica no processo de alfabetização, neste artigo.

A consciência fonológica no processo de alfabetização

A consciência fonológica auxilia no aprendizado da escrita, da mesma forma que o aprendizado da escrita desenvolve os níveis de consciência fonológica. 

O processo de alfabetização, ou seja, aprender a ler e a escrever, vai além de conhecer o princípio alfabético. Como ele é baseado nos fonemas, a consciência dos sons que compõem a fala é fundamental para aprender a escrita e a leitura. 

O princípio alfabético possibilita o conhecimento da segmentação da fala em fonemas, mas aprender a ler implica desenvolver habilidades de manipulação dos sons da fala.

A consciência fonológica ajuda as crianças a reconhecer e manipular os sons das palavras, através de atividades com rimas, contando o número de sílabas em um nome, reconhecendo aliteração, segmentando uma frase em palavras e identificando as sílabas de uma palavra. 

A consciência fonológica e fonêmica referem-se ao entendimento de que os sons da fala formam as palavras. Fônica se refere ao princípio alfabético, ou seja, o conceito de que as letras representam os sons da linguagem falada.

As crianças que não conseguem ouvir e manipular os fonemas terão dificuldade em aprender como relacioná-los com as letras escritas. 

Princípio alfabético no processo de alfabetização

O conhecimento dos nomes e formas das letras é fundamental na alfabetização e está relacionado com a capacidade de lembrar as formas das palavras escritas e de compreendê-las como sequências de letras.

A dificuldade em aprender os sons das letras e reconhecer palavras leva à dificuldade de aprender o nome das letras. As crianças só podem compreender o princípio alfabético (compreensão que existem relações sistemáticas e previsíveis entre letras escritas e sons) quando são capazes de reconhecer e nomear as letras.

Se o princípio alfabético não for bem desenvolvido no processo de alfabetização, as crianças precisarão de uma instrução organizada para identificar, nomear e escrever as letras. Uma vez que elas sejam capazes de identificar e nomear letras, podem começar a aprender os sons e a grafia das mesmas.

No processo de alfabetização, as crianças aprendem os nomes, o formato e os sons das letras. Aprendem através de atividades como canções, rimas e brincadeiras com blocos, letras de plástico e livros alfabéticos. 

A aprendizagem da leitura depende da compreensão do princípio alfabético, ou seja, o conhecimento de que as letras e seus padrões representam os sons da língua falada. Aprender que existem relações entre sons e letras permite que as crianças apliquem essas relações em palavras familiares e desconhecidas e comecem a ler com fluência.

O objetivo da instrução fonética é ajudar a criança a aprender e ser capaz de usar o princípio alfabético, ou seja, a aprender as relações entre as letras da língua escrita e os sons da língua falada.

Como trabalhar o princípio alfabético no processo de alfabetização

O princípio alfabético é trabalhado no processo de alfabetização através do ensino das relações entre letras e sons de forma explícita e isolada. O professor pode oferecer oportunidades para que seus alunos pratiquem as relações entre letras e sons nas aulas.

Da mesma forma, pode oferecer oportunidades de prática que incluem novas relações de letras sonoras, bem como uma revisão das relações ensinadas anteriormente. Além disso, deve dar aos alunos oportunidades de aplicar seu conhecimento das relações entre as letras sonoras e a leitura de palavras soletradas foneticamente que tenham um significado familiar.

Muitos professores usam uma combinação de métodos de ensino, outros, apenas um. O importante é lembrar que a instrução explícita é mais eficaz no ensino do princípio alfabético.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o princípio alfabético e a consciência fonológica no processo de alfabetização, compartilhe este artigo em suas redes e ajude outros profissionais.

Referências:

LOPES, Flavia. O desenvolvimento da consciência fonológica e sua importância para o processo de alfabetização. Psicol. Esc. Educ. (Impr.) [online]. 2004, vol.8, n.2 [cited  2021-05-10], pp.241-243.

OLIVEIRA, João Batista Araujo e. Cartilhas de alfabetização: a redescoberta do Código Alfabético. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. 2010, vol.18, n.69 [cited  2021-05-10], pp.669-709.

Você também pode se interessar...

17 respostas em “Princípio alfabético e consciência fonológica no processo de Alfabetização”

Artigo excelente , estou no último ano do curso de pedagogia e este artigo me agregou conhecimento.

Muito bom e proveitoso ampliar meus conhecimentos e enriquecer meu potencial na hora de transferir meus conhecimentos, na minha prática diária.

É muito importante ter acesso aos conteúdos, saber que estamos no caminho certo por em prática fará toda diferença.

Muito bom esse artigo. Sou apaixonada pela alfabetização e adora me atualizar sobre esse assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *