Voltar

Sintomas do Autismo na infância do 1 aos 5 anos de vida

Muitas crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresentam sintomas quando ainda são muito pequenas, especialmente dificuldades nas interações sociais e na linguagem. Saiba mais sobre os sintomas do autismo na infância.

Muitos bebês com autismo podem apresentar marcos do desenvolvimento na idade esperada, como sentar, engatinhar e andar. No entanto, os pais podem perceber diferenças no desenvolvimento de gestos corporais, nas brincadeiras de faz de conta e na comunicação. 

Além de atrasos na linguagem e diferenças comportamentais, a dificuldade na interação social também é um dos primeiros sintomas do autismo na infância. Ainda que os sinais possam ser sutis, eles podem estar presentes antes mesmo do primeiro ano de vida.

Transtorno do Espectro Autista — TEA

O autismo se expressa através de um espectro de sintomas que surgem na primeira infância, causando atrasos em áreas básicas do desenvolvimento, como aprender a falar, brincar e interagir com outras pessoas.

Os sinais e sintomas do autismo variam, assim como seus efeitos. Algumas crianças têm apenas deficiências leves, enquanto outras têm mais dificuldades. No entanto, toda criança no espectro do autismo têm problemas, pelo menos em algum grau, nas três áreas a seguir:

  • Comunicação verbal e não verbal.
  • Relacionamento e interação social.
  • Comportamentos restritos e repetitivos.

Existem opiniões diferentes entre médicos e especialistas sobre a causa do autismo e a melhor forma de tratá-lo. Entretanto, há um fato com o qual todos concordam: a importância da intervenção precoce. Por isso, é fundamental estar atento aos primeiros sinais de autismo na infância.

Sinais do autismo 

Alguns sinais de autismo relacionados à interação social, comunicação e comportamento podem surgir nos primeiros anos de vida. Ainda que existam sintomas comuns, é importante lembrar que cada criança é única. Dessa forma, os sintomas e sua gravidade variam muito. 

Sintomas relacionados à interação social:

  • Ausência de contato visual.
  • Não reage ao sorriso dos pais ou a outras expressões faciais.
  • Não olha para objetos quando os pais apontam.
  • Não aponta para objetos.
  • Não traz objetos de interesse pessoal para mostrar aos pais.
  • Dificuldade de perceber o que os outros estão pensando ou sentindo através das expressões faciais.
  • Não demonstra preocupação (empatia) pelos outros.
  • Incapacidade ou desinteresse em fazer amigos.

Sintomas relacionados à comunicação:

  • Não aponta para objetos quando quer algo ou para compartilhar com outras pessoas.
  • Não fala palavras soltas aos 16 meses.
  • Repete o que os outros falam sem entender o significado (ecolalia).
  • Não responde quando o chamam pelo nome, mas pode reagir a outros sons (como a buzina de um carro).
  • Refere-se a si mesmo como “você” ou “ele”.
  • Muitas vezes, parece não querer se comunicar.
  • Não inicia ou dá continuidade a uma conversa.
  • Não usa brinquedos ou outros objetos para representar pessoas ou a realidade em brincadeiras que usam a imaginação.
  • Pode ter uma boa memória, especialmente para números, letras, músicas ou um assunto específico.
  • Pode perder a linguagem ou outros marcos sociais, geralmente entre os 15 e 24 meses (regressão).

Sintomas relacionados ao comportamento (comportamentos repetitivos e restritos):

  • Balança ou gira o corpo, anda na ponta dos pés por muito tempo ou agita as mãos.
  • Gosta de rotinas, ordem e rituais; tem dificuldade com a mudança ou transição de atividades.
  • Grande interesse por determinados assuntos.
  • Brinca com parte dos brinquedos (por exemplo, gira as rodas de um carrinho).
  • Não parece sentir dor.
  • Pode ser muito sensível a cheiros, sons, luzes, texturas e toque.

É muito importante que os pais estejam atentos a esses sinais e, em caso de suspeita de autismo, busquem a avaliação de um médico especialista. Quanto antes for realizado o diagnóstico, melhores serão os resultados dos tratamentos e intervenções.

Sintomas do autismo na infância

Aqui estão alguns exemplos que podem ajudar os pais a perceber alterações importantes no comportamento dos seus filhos e os primeiros sinais de TEA. 

Aos 12 meses

Nessa idade, uma criança com autismo pode não responder ao ouvir seu nome, mesmo que ele seja repetido várias vezes, mas pode responder a outros sons.

Aos 18 meses

Uma criança com autismo pode não fazer nenhuma tentativa de compensar o atraso na fala, como usar expressões faciais, ou pode apresentar ecolalia que dura mais que o esperado, repetindo frases e palavras que ouve, seja das pessoas ou na TV.

Aos 24 meses

Uma criança com autismo não costuma levar objetos aos pais na tentativa de interagir com eles e, quando o faz, não mantém contato visual.

Os sinais de autismo na infância são geralmente evidentes até os 5 anos. Dessa forma, pais e cuidadores devem conhecer quais são os marcos de desenvolvimento e os sintomas mais comuns do TEA para identificá-los precocemente.

Um profissional especializado irá realizar uma avaliação cuidadosa para fazer o diagnóstico do autismo ou destacar essa possibilidade. Caso a criança seja diagnosticada com TEA, um tratamento multidisciplinar será necessário, considerando as demandas de cada criança.

Uma equipe multidisciplinar é composta por pediatra, psicólogo, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, psicopedagogo, entre outros. O ideal é que o tratamento se inicie logo após o diagnóstico de autismo se confirmar.

Se você gostou deste artigo, compartilhe em suas redes para que mais pessoas conheçam os sintomas do autismo da infância!

Referências:

SILVA, Micheline  and  MULICK, James A.. Diagnosticando o transtorno autista: aspectos fundamentais e considerações práticas. Psicol. cienc. prof. [online]. 2009, vol.29, n.1 [cited  2021-01-11], pp.116-131.

ZANON, Regina Basso Zanon. Bárbara Backes. Cleonice Alves Bosa. Identificação dos Primeiros Sintomas do Autismo pelos Pais.

Você também pode se interessar...

14 respostas em “Sintomas do Autismo na infância do 1 aos 5 anos de vida”

Esse artigo é muito importante para pais e professores, médicos de unidade básica de saúde para ficarem atentos aos sinais do espectro autista.

Agradeço o conhecimento disponibilizado pela sua equipe, fiz pós em neurociência mas, realmente tenho aprendido muito com suas lives, curso do DI e materiais que vc disponibiliza.Eu atendi um caso de autismo e me encantei pelo assunto e as respostas positivas que obtive com a prática aplicada e quero me aprofundar cada vez mais para ajudar muitas crianças e suas famílias.

Olá Micheline,
Para nós é um prazer poder contribuir para auxiliar você nessa questão:)
Atenciosamente,
Equipe NeuroSaber

Já trabalhei com criança Autista, é difícil lidar com ela.
Também encontrei resistência nos pais, muitos não aceitam o problema é acabam atrapalhando na intervenção

Muito obrigada,por tudo foi muito esclarecedor. Eu só apenas uma tia preocupada. Tenho um sobrinho que tem muitos sintomas do autismo e os pais dele não admitem e não o leva para uma avaliação.

Meu filho tem 18 meses, ele só balbucia, fala papa, faz som dos animais as vezes, mas tenta falar me imitando mexendo os lábios enquanto converso com ele. É super social, gosta de abraço, contato com pessoas e brincar com outras crianças. Oque me preocupa nele é ele ainda não falar nenhuma palavra, alguns comportamentos na hora de brincar, é repetitivo em algumas brincadeiras e se desafia pouco com quebra cabeças e brincadeiras de encaixar peças. Minha dúvida é, é possível uma criança sem problemas sociais, mas com atraso na fala e um possível problema comportamental ser autista?
Levei no neuropediatra e ele descartou o autismo. Pediu um exame para vermos a questão do seu sistema auditivo. Obrigado pelo conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *