Skip to content Skip to footer

Como diminuir a sensibilidade auditiva no Autista?

Como diminuir a sensibilidade auditiva no Autista?

O autismo é um espectro repleto de singularidades sensoriais que tornam cada indivíduo único, mas há algumas características que incomodam as nossas crianças, e por isso precisamos fazer algo a respeito, como diminuir a sensibilidade auditiva.

Para pais e profissionais que cuidam de pessoas com autismo, é fundamental entender e lidar com essas particularidades em busca do bem-estar da criança, do adolescente ou do adulto que não teve intervenção durante a infância. 

Neste artigo, focaremos na hipersensibilidade auditiva e exploraremos técnicas e exercícios que podem ajudar a diminuir essa sensibilidade em crianças autistas.

A Sensibilidade Auditiva no Autismo: Um Desafio Real

Para muitas crianças autistas, a sensibilidade auditiva pode transformar o ambiente em um desafio constante. Ruídos cotidianos, como liquidificadores, campainhas, barulhos na escola ou em ambientes públicos, podem ser extremamente perturbadores. Vamos explorar uma série de estratégias e abordagens para lidar com esse desafio.

1. Construindo Confiança:

A confiança desempenha um papel crucial na redução da sensibilidade auditiva, pois quando uma criança com autismo é exposta a ruídos que a incomodam, é essencial explicar o propósito por trás desses ruídos. 

Por exemplo, o liquidificador é usado para preparar o suco favorito da criança, o aspirador de pó ajuda a manter o quarto limpo, e a campainha anuncia a chegada de visitas. Associar esses ruídos a algo positivo pode ajudar a diminuir a aversão.

2. Lidando com Ambientes Externos:

Sair de casa pode ser um desafio, especialmente em ambientes barulhentos, como shoppings, parques ou eventos públicos. 

Por isso, mostrar à criança que você está presente e que não há motivo para temer os sons é fundamental, ou seja, construir essa confiança ajuda a tornar as saídas mais agradáveis e menos estressantes.

3. Conhecendo os Próprios Sons:

Familiarizar a criança com os sons que ela mesma produz pode ser uma estratégia eficaz. Explique que todos nós fazemos ruídos inevitáveis, como a voz, o batimento cardíaco, a respiração e o estômago quando está vazio, pois isso ajuda a criança a se acostumar gradualmente com os sons inerentes ao próprio corpo.

Para você saber mais, que tal conferir o vídeo: “Por que existe o distúrbio sensorial no autismo?”

Sensibilidade auditiva

Sensibilidade auditiva e a adaptação no Ambiente Escolar

A escola é um local diverso, e os educadores desempenham um papel crucial na adaptação do ambiente para atender às necessidades do aluno autista, onde terapeutas ocupacionais, psicopedagogos, psicólogos e pedagogos podem fornecer suporte interdisciplinar para criar um ambiente escolar mais inclusivo. 

Vamos explorar a importância dessa colaboração e como ela pode ser implementada:

  • Avaliação Individualizada: Cada criança é única, e avaliações personalizadas ajudam a adaptar as estratégias de acordo com o nível de sensibilidade auditiva.
  • Modificações Físicas e Ambientais: Algumas escolas podem considerar adaptações físicas, como salas com isolamento acústico, para minimizar ruídos perturbadores.
  • Comunicação Clara: Professores devem ser treinados para se comunicar de forma clara e eficaz, usando linguagem simples e instruções visuais.

Quando a Escola Não Oferece Recursos Suficientes?

Infelizmente, muitas escolas brasileiras não possuem a estrutura necessária para atender plenamente às necessidades de crianças com autismo. 

Nesses casos, os pais podem procurar profissionais isoladamente e buscar intervenções que se adaptem melhor à criança. Aqui estão alguns exemplos do que é possível fazer:

  • Defender os Direitos da Criança: Garantir que as leis de inclusão sejam respeitadas e, se necessário, buscar apoio legal.
  • Rede de Apoio: Participar de grupos de pais e buscar apoio em organizações de autismo.
  • Advocacia pela Conscientização: Aumentar a conscientização sobre o autismo e a importância de adaptações escolares adequadas.

A sensibilidade auditiva no autismo é um desafio real, mas com estratégias adequadas e o apoio de pais, educadores e profissionais de saúde, as crianças autistas podem aprender a lidar com essas questões e desfrutar de uma vida mais tranquila.

Portanto, não se esqueça de que cada criança é única, e que a resposta ao tratamento varia, ou seja, é essencial adotar uma abordagem personalizada, respeitando as particularidades de cada indivíduo autista. 

Gostou desse artigo e quer saber mais? Cadastre-se na nossa newsletter no final da página.


Referências:

https://www.scielo.br/j/pfono/a/Sdgb8F9HJXp8yNjVsNgp5Qh/

https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1088357613475810

47 Comments

  • Patricia de fatima pereira
    Posted 07/09/2017 at 9:59 pm

    Meu filho tem 5 anos..ele tem atraso na fala…ainda faz coco na roupa..mas xixi vai ao banheiro..tem medo de foguete..bombinha..gosta de contar numeros..escreve.adora brincar com seu trenzi nho.na berada da janela..a vista o som de longe.quando o trem de minerio passa por aki.desenvolveu a fala assistindo thomas e seus amigos..bob o trem que carrega letras numeros etc..e possivel descobrir qual grau do autismo dele.obrigada

    • Danielle
      Posted 31/08/2021 at 9:30 pm

      olá é necessário procurar um bom neuropediatra. o neuro que pode dar laudo

  • Sandra Mara becker
    Posted 07/09/2017 at 10:41 pm

    A criança que começa o tratamento assim que aparece os sintomas tem mas chances de levar uma vida normal.?

    • Danielle
      Posted 31/08/2021 at 9:31 pm

      sim, todos tem

    • Renata
      Posted 03/02/2022 at 2:48 am

      Sandra, os sintomas do autismo não começam, já se nasce autistas. Por sorte, alguns pais descobrem na infância. E, nós não temos sintomas, são características, únicas, porque autismo não é doença, é jeito de ser diferente. A nossa neurologia funciona diferente. Vemos e sentimos o mundo de outra forma. Vida normal, como a do neurotípico, nunca um autista terá. São tantas hipersensibilidades e comorbidades, sem contar que o mundo neurotípico é muito cruel pra nós. Porém, sim, a criança, cresce, se desenvolve e vira um adulto saudável e estranho aos outros. Somos capazes e independentes sim. Uns estudam e tem profissão, outros não. Uns trabalham e outros não. Não existe um autista igual ao outro. cada um é de um jeito com uma série de características peculiares. Depende de uma série de fatores, como incentivo e compreensão dos pais, que sim, eles tem um filho diferente, mas ainda é um ser humano capaz. Respeito é o essencial aqui. Aceitação também. Eu vejo o autismo, mais como uma prova para os pais do que pros filhos. É um teste de paciência, compreensão, respeito e amor, todos os dias, sem descuido.

      • Barbara Miranda
        Posted 25/03/2022 at 12:02 am

        Que resposta linda, verdadeira e muito bem colocada. Agradeço muito a sabedoria da Renata. Meu filho tem 7 anos, é um autista. Eu também sou mas nunca busquei diagnóstico. Meus pais não cuidaram de mim. Aí contrário fui abandonada e ficava cada tempo em casa diferente. Depois que já era adulta eu busquei em mim mesma o conhecimento do modo como eu era, como eu sou e com a chegada do meu filho eu pude perceber que o amor dos pais faz toda a diferença na vida do autista. Renata, parabéns por sua sabedoria. Abraços.

      • Amanda
        Posted 05/12/2022 at 12:41 pm

        Nossa vc se posicionou tão bem!! É exatamente assim, O autismo é mais desafiador, complicado e , de certa forma, um teste para nós pais. O autista à todo tempo é imposto o “ser normal” quanto que isso não existe. Ser normal ou ser padrão?? Todos somos diferentes e os autistas tbm, com suas facilidades e suas dificuldades, uns severos outros leves. Mas todos precisam de acolhimento e compreensão, o mundo ao redor com essa concepção de “normalidade” só impede que pais e autistas vivam em paz e de forma respeitosa. O mundo precisa aceitar que ninguém é normal, todos somos diferentes, alguns apenas se adequam melhor aos padrões. E não se adequar, também faz parte. Beijos pra você, que vc continue trazendo conscientização ao mundo

      • Aline
        Posted 22/01/2023 at 9:00 am

        Excelente depoimento, obrigada!

      • Renata silva
        Posted 10/03/2023 at 4:42 pm

        Eu chorei com o comentário da minha xará, a Renata. Eu descobri recentemente que meu filho de 4 anos é autista, mas ainda falta dar o laudo , que provavelmente seja nível 1. Meu primeiro filho,muitas coisas para aprender, pois não tenho outro, não tenho experiências. Difícil para uma mãe de primeira viagem. Mas Deus vai me dar sabedoria para agir nos momentos devidos.

  • Maria de Lourdes da Silva Freitas
    Posted 08/09/2017 at 10:49 am

    É sempre bom procura entender melhor o autismo, conhecimento nunca é demais, obrigada.

  • Alexandra Maria Cardoso.
    Posted 08/09/2017 at 1:24 pm

    Sou professora de arte e tenho aluno autista. Ele consegue suportar alguns barulhos. Mas o que devo fazer para ajuda-lo.

    • Barbara Miranda
      Posted 25/03/2022 at 12:08 am

      Em alguns momentos de o barulho tiver atrapalhando o desempenho da criança, seria legal leva-lo para fazer a atividade na biblioteca ou na coordenação ou na sala da pedagogia. Mas sei que é ruim fazer a criança passar por esse sofrimento de ter que aguentar um barulho que para ela é perturbador. Outra alternativa valida seria conversar com a turma sobre o Autismo, numa conversa não tão aprofundada, usando de linguagem da qual as crianças vão conseguir entender e apresentar o colega que e autista para a classe. Falar a eles quais as dificuldades que aquele coleguinha tem e pedir a colaboração de todas as crianças. Certeza que os alunos vão crescer aprendendo a respeitar as diversidades e também a amar o próximo com suas diferenças.

  • Alexandra Maria Cardoso.
    Posted 08/09/2017 at 1:26 pm

    Tenho um aluno autista. O que devo fazer para ajuda-lo. Ele tem 5 anos e ja suporta alguns barulhos.

  • Josilaine Isidoro Araldi
    Posted 09/09/2017 at 2:40 pm

    Meu filho sempre teve problema com o barulho do liquidificador e do feijão na panela de pressão mais nunca se cogitaram ser autista.

  • Ione da Rocha Micheli
    Posted 09/09/2017 at 5:52 pm

    adorei essas dicas,vou tentar resolver o problema sensorial do meu aluno.

  • Marlene Iracema da Silva
    Posted 11/09/2017 at 9:14 am

    Fico sempre muito feliz com as informações repassadas me ajudam muito na orientação psicopedagógica uma vez que inicie a pouco tempo nessa área.

  • Andréa Carbone
    Posted 14/09/2017 at 10:41 pm

    Bem colocado as questões referentes a situação das crianças com TeA na escola.

  • RAIMUNDA MOTA DA Silva
    Posted 14/09/2017 at 10:53 pm

    Nossa são ÓTIMO obrigada

  • magna
    Posted 17/09/2017 at 11:38 am

    Estou trabalhando com autista na sala , preciso muito de ajuda.

  • Lúcia
    Posted 21/09/2017 at 7:01 am

    Muito bom essas dicas! Sou prof sala regular…tenho alunos artistas….e no contra turno, trabalho AEE…atendimento educacional especializado…tenho 4 alunos artistas e de fato cada um reage de forma diferente/ cada um tem.sua especificidade …diante de ruídos..
    É bem evidente a intolerância sensorial, a ruídos do altista. Eles elevam as mãozinhas no ouvido tempo todo.

  • Lúcia
    Posted 21/09/2017 at 7:03 am

    Muito bom essas dicas! Sou prof sala regular…tenho alunos artistas….e no contra turno, trabalho AEE…Atendimento Educacional Especializado…
    Tenho 4 alunos artistas e de fato cada um reage de forma diferente/ cada um tem sua especificidade …diante de ruídos..
    É bem evidente a intolerância sensorial, a ruídos do altista. Eles elevam as mãozinhas no ouvido tempo todo.

  • Josielma Gomes Acacio
    Posted 25/09/2017 at 8:55 am

    Oi bom dia.
    Em relação a barulhos minha filha tem medo de fogos e até chora quando estamos em algum festa que comecem a soltar fogos .
    Eu acabo saindo do ambiente por conta dos choros e medo.
    Conversamos com ela mais ela se assusta e tem muito medo.
    Também com estalinhos,balões que estoram,em festa quando tem essas coisa ela fica muito agitada e chora muito.
    Faço sempre a mesma coisa,acabo saindo e depois conversando com ela.
    Ela esta com 6 anos e todos falam que isso é normal em algumas crianças.

    • Virgínia Freitas
      Posted 18/11/2022 at 1:34 am

      Josielma, se o único comportamento que sua filha apresenta é este, talvez ela tenha o que chamamos de ansiedade específica ou fobia específica.
      Falo isto porque sempre tive estes desconfortos em relação a estampidos e trovões e não tenho TEA.
      Sou psicóloga clínica e trabalho com adultos que tem TEA e também com os que tem ansiedade.

  • Adenilda
    Posted 12/10/2017 at 2:05 pm

    Eu atendo um aluno autista que tem sensibilidade auditiva eu preciso socializar com os ambiente

  • Maria Conceição Fagundes dos Santos
    Posted 05/02/2018 at 8:33 pm

    Muito obrigado,conteúdo maravilhoso para atualização de conhecimentos.

  • Karen Albiani
    Posted 16/02/2018 at 10:59 am

    Procuro trabalhar com previsibilidade com meu filho autista; por exemplo, se vamos a um baile de carnaval, emito sons imitando o som da banda, aa musicaa q provavelmente vao cantar….. isso faz c q ele relaxe e diminua a hipersensibilidade; hj ele sobe ate em minitrio!!!

  • Cassia abe
    Posted 24/09/2018 at 3:00 pm

    Meu filho ele tinha pouco sensibilidade mas hoje vejo que só vem aumentando uma simples pessoa conversando alto ao lado dele.
    Ano passado ele participou das atividades escolares como festa junina dia da família .
    Já esse não fez nada a não ser colocar a mão no ouvido .
    Não sei que terapeuta procurar e esse ano e formatura dele do pré.
    Agradeço desde ja

  • Valdir Andrade
    Posted 29/10/2018 at 2:39 pm

    Gostei do artigo. Sou técnico em eletrônica e me atrai bastante o estudo dos sons e seus efeitos nas pessoas em geral, principalmente em pessoas Autistas.
    Tenho neto com diagnostico Autista e isto aumenta meu interesse.
    Observo que ele possui esta hiper sensibilidade e as reações provenientes.
    Não pude comprovar metodicamente ou medir estes efeitos, por dificuldade normal da criança responder a estímulos determinados de nivel e frequência de sons ainda.
    Acredito que o Autista alem da sensibilidade a sons que podem ser apenas em algumas frequências, possuam uma menor banda dinâmica de audição do que as pessoas em geral.
    Este é um assunto de extremo interesse para mim.
    Abraços
    Valdir Andrade
    E-mail: [email protected]

  • Henrique
    Posted 27/07/2021 at 1:13 am

    Descobri meu TEA depois dos 40. Sofro com fonofobia E hiperacusia.

  • Tatiana
    Posted 11/10/2021 at 4:32 am

    Meu filho tem 4 anos ele odeia que toque na orelha dela pra limpar ele sempre chora e dis que doer muito , será que ele pode ter algum grau de autismo ?

    • Bete Gasparelo
      Posted 11/10/2021 at 11:29 am

      Olá, tudo bem?
      Esse comportamento pode ser por muitos motivos diferentes, orientamos a buscar auxílio de um profissional da área.
      Temos muitos conteúdos que podem te ajudar a entender melhor isso. Acesse youtube.com/neurosabervideos e também em nosso blog que podem te ajudar.

  • Aline
    Posted 13/10/2021 at 3:58 pm

    Sou uma adulta com hipersensibilidade auditiva e garanto pra vcs que não é só uma questão de compreender o que o som significa, para que toleremos melhor. A gente até parece tolerar, mas tem inúmeros sofrimentos físicos, mesmo enquanto se esforça para tentar sorrir. A dor é real. Abafadores de ruidos são necessários para quem tem TPS/TEA. É o mínimo.

  • Márcia Maria Gonçalves
    Posted 13/10/2021 at 11:48 pm

    Boa noite , minha filha tem 3anos e 5 messes,ela muito irritada, quando alguém vai direcionar a palavra a ela ela não gosta , começa a gritar,e chorar ,não gosta que fica abraçando ela ou beijando,dês de bebê não gosta de brincar com outras crianças,não gosta de aproximar de ninguém, não gosta que pessoas brinca com ela ou fala oi , nunca deixava os irmãos carregar ou brinca com ela dês de bebê,se a pessoa fala assim com ela ou Elisa ,ela já começa a gritar , tanto as pessoas de fora quanto as pessoas de fora , não gosta de barulho,de foguete ,nem de quando passa o trem ,ou um barulho muito alto , ela coloca a mão no ouvido ,se quiser algo e não dê ela começa a gritar ,fica muito nervosa ao extremo,ela tem 3 sublinhos ,2 sublinha mais velha,um de 2 anos ,ela não aceita a brincar com , nem gosto que fica abraçando ela ,a maioria das vezes não gosta que ninguém direciona conversar com ela ,nem eu que sou mãe dela gosta que beijo ela e fica abraçando , fica muito estressada ,a única pessoa que ela aceita sempre mais esses tipos de coisas é o pai dela, todas as que tem barulho muito forte ela coloca a mão no ouvido, mais não tem dificuldade de ir ao banheiro para fazer às necessidades ,gosta de ver desenhos , não gosta muito de ir a casa dos outros ,nem dormi principalmente, fica vão bora mamãe aqui não e nossa casa , agora não sei se é pirraça ou manha, só sei que mim dá disispero, porque ela mais chora que tudo , não aceita a palavra não, oque mais mim preocupa e o tanto que é nervosa.

    • Bete Gasparelo
      Posted 14/10/2021 at 11:21 am

      Olá ,
      Primeiramente obrigada pela confiança!
      Nesses casos orientamos buscar um especialista pessoalmente para lhe dar melhores informações e orientação assertivas sobre o caso.De qualquer forma,temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

    • Bete Gasparelo
      Posted 14/10/2021 at 11:22 am

      Olá ,
      Nesses casos orientamos buscar um especialista pessoalmente para lhe dar melhores informações e orientação assertivas sobre o caso.De qualquer forma,temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

  • Leonardo Rodrigues Nunes Coelho
    Posted 14/10/2021 at 4:05 am

    Meu comentário não foi enviado

    • Bete Gasparelo
      Posted 14/10/2021 at 11:17 am

      Bom dia Leonardo!
      Poderá tentar novamente se desejar.

    • Veronica
      Posted 02/01/2023 at 9:16 pm

      Oi meu filho de 8 anos desde de piqueno tem hipesibilidade auditiva ele coloca as duas maos tapado os ouvidos guando tem barulhos como som auto e fogos artifio bobinhas e muita gente conversado perto dele ele nunca teve bom aconpanhado e nem deaguinotico neuro porque aqui na minha cidade e muito deficil ja marquei um consulta com neuro pro meu filho so qui nunca marcarao estou esperado um qui faco

    • Veronica
      Posted 02/01/2023 at 9:17 pm

      Oi meu filho de 8 anos desde de piqueno tem hipesibilidade auditiva ele coloca as duas maos tapado os ouvidos guando tem barulhos como som auto e fogos artifio bobinhas e muita gente conversado perto dele ele nunca teve bom acompanhado e nem deaguinotico neuro porque aqui na minha cidade e muito deficil ja marquei um consulta com neuro pro meu filho so qui nunca marcarao estou esperado um qui faco

  • Laiz
    Posted 02/05/2022 at 3:44 pm

    Minha filha vai tem dois anos e esta fazendo acompanhamento mas ainda falta passar pelo neuro , ela tem medo de barulho de carros, moto, buzinas e apito, liquidificador, secador de cabelo, do barulho do interfone, a tv quando esta muito alta, gente falando alto e gritando entre outros ruídos. Ultimamente estou tendo muita dificuldade em limpar os ouvidos dela , ela chora desesperadamente como se a tivesse machucado. Poderia me dar um conselho sobre como agir ? pois n estou sabendo como lidar com essa pqn dificuldade. O que mais acho difícil em lidar com ela é para limpar os ouvidos e escovar os dentes, não encontro o jeitinho que a incentive .

    • Solange
      Posted 02/05/2022 at 7:18 pm

      Olá Laiz, tudo bem?

      Primeiramente agradecemos pela confiança! Nesses casos orientamos buscar um especialista pessoalmente para lhe dar melhores informações e orientação assertivas sobre o caso. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e Artigos em nosso Blog: http://www.neurosaber.com.br/artigos que podem te ajudar em muitas questões.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Fernanda
    Posted 25/08/2022 at 10:42 am

    Bom dia, meu filho tem 7 anos, é verbal mas tem hipersensibilidade imensa para determinados barulhos. A maioria dos barulhos. Conforme foi crescendo, foi piorando e muito. Como posso ajudar ele?

    • Solange
      Posted 25/08/2022 at 1:35 pm

      Olá Fernanda, tudo bem?

      Temos uma ótima aula em nosso canal no Youtube acerca da temática que pode clarear muitas dúvidas e enriquecer seus conhecimentos. Vale a pena conferir!!!
      Segue o link: https://www.youtube.com/watch?v=RLc4Szfdh4c
      😉💙

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Samara Rodrigues Martins
    Posted 23/09/2022 at 2:23 am

    Olá meu filho tem 4 anos, é tem o autismo e tem muita sensibilidade na audição, qual especialista devo procura pra fazer uma avaliação???

    • Solange
      Posted 23/09/2022 at 5:20 pm

      Olá Samara, tudo bem?

      Recomendamos que procure primeiramente um neuropediatra.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

  • Anamelia
    Posted 08/02/2023 at 9:35 pm

    Olá,meu filho e autista e tem 5 anos a um mês atrás apresentou sensibilidade no ouvido e quando acontece ele chora,grita,coloca a mão no ouvido e eu fico preocupada e tento acalma- lo. O que devo fazer nesse momento que ele sente essa sensibilidade no ouvido?

    • Solange
      Posted 09/02/2023 at 3:01 pm

      Olá Anamelia, tudo bem?

      Sem avaliação não podemos dar uma orientação precisa sobre o caso. É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientação para uma intervenção. De qualquer forma, temos conteúdos no youtube.com/neurosabervideos e também em nosso blog que podem te ajudar em muitas questões.

      Sol,
      Equipe NeuroSaber 💙

Leave a comment